Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
STF / CASO ELETROBRAS

Tamanho do texto A- A+
16.01.2018 | 10h49
Supremo julgará se juiz poderia ter proibido privatização
Os recursos estão sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes
Nelson Jr./SCO/STF
Supremo Tribunal Federal
DO CONSULTOR JURÍDICO

A União e a Câmara dos Deputados moveram duas reclamações distintas no Supremo Tribunal Federal na tentativa de cassar liminar que suspendeu os dispositivos da Medida Provisória 814/2017, impedindo a privatização da Eletrobras.

A Advocacia-Geral da União alega que o juiz Cláudio Kitner, da 6ª Vara Federal de Pernambuco, usurpou competência da corte ao exercer controle abstrato de constitucionalidade de ato normativo federal.

“Note-se que a decisão que ora se reclama determinou, unicamente, a suspensão dos efeitos do ato normativo federal consistente no artigo 3°, I, da Medida Provisória 814/20I7. Percebe-se que o único propósito da decisão proferida pelo juízo reclamado foi retirar a eficácia de dispositivo normativo de forma abstrata, o que revela que a ação popular foi utilizada como verdadeiro sucedâneo de ação direta de inconstitucionalidade”, afirma a AGU.

Nos mesmos termos, a Câmara também define como “dissimulação” a liminar assinada no Recife.

Kitner atendeu pedido de uma ação popular, na qual os autores questionam o modo como o governo federal colocou a Eletrobrás e suas controladas (Furnas, Companhia Hidrelétrica do São Francisco, Eletronorte, Eletrosul e Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica) no Programa de Desestatização.

As empresas haviam sido expressamente excluídas da prática pela Lei 10.848/2004. A revogação do dispositivo por MP, de acordo com os autores, deixou de ser transparente com os setores interessados. 

“Na hipótese vertida aos autos, é dubitável que a medida adotada pelo governo federal atinge, de forma direta, o patrimônio público nacional, permitindo a alienação de todas as empresas públicas do setor elétrico para a iniciativa privada”, afirma o juiz.

Os recursos estão sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes, mas podem ser analisados durante o recesso forense pela presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia.

Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2018
18.05.18 10h51 » Nadaf diz que associação teria pago R$ 2 mi de propina a Riva
18.05.18 10h37 » STF “desce” para MT ação que acusa Bezerra de fraudar certame
16.05.18 09h05 » STF manda Governo pagar duodécimos atrasados da Defensoria
15.05.18 10h17 » Fux poderá “descer” inquérito contra Blairo para 1ª Instância
08.05.18 17h38 » Moraes tira inquérito sobre Aécio do STF e envia à 1ª instância
08.05.18 17h33 » STF torna Geddel e Lúcio Vieira Lima réus no caso dos R$ 51 milhões
08.05.18 13h57 » Ministro "desce" ação contra senador de MT para a 1ª instância
07.05.18 17h57 » Barroso prorroga por mais 60 dias inquérito que investiga Temer
05.05.18 09h40 » STF deve julgar na quarta pedido que pode ampliar foro privilegiado
05.05.18 09h34 » Cármen Lúcia quer solução para auxílio-moradia de juízes até junho



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet