Artigos
  • GILMAR MENDES
    Esse procedimento acaba sendo o meio para coibir interpretações equivocadas e mesmo abusos na prisão
  • ELVIS KLAUK JR
    Antes de fechar negócio é muito importante verificar se o imóvel está com os respectivos documentos em ordem
  • PAULO LEMOS
    Na política, há um quadro crônico e agudo de delírios, alucinações, desejos, impulsos e compulsões
STF / DECISÃO REVISTA

Tamanho do texto A- A+
05.01.2018 | 17h28
Gilmar Mendes anula reabertura de PAD contra desembargadora do TRF-1
Ministro reconsiderou decisão anterior sua, de maio de 2017
Nelson Jr/STF
Gilmar Mendes: ministro do Supremo Tribunal Federal
DO CONSULTOR JURÍDICO

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concedeu mandado de segurança impetrado pela desembargadora Ângela Catão, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, e reconsiderou decisão anterior sua, de maio de 2017, que requisitava reabrir, no Conselho Nacional de Justiça, processo administrativo disciplinar contra a magistrada.

Alvo de denúncia da Procuradoria Regional da República da 1ª Região, formulada a partir da operação pasárgada, deflagrada em 2008, a juíza, quando titular da 11ª Vara Federal de Belo Horizonte, teria proferido decisões judiciais favoráveis à liberação de valores do Fundo de Participação dos Municípios retidos pelo Instituto Nacional de Seguro Social a alguns municípios mineiros, em afronta aos preceitos da Lei Orgânica da Magistratura Nacional, o que, em tese, caracterizava falta funcional.

A Corte Especial do TRF-1, no entanto, em 2009, arquivou o caso por unanimidade, ao concluir que não ficou configurado nenhum ilícito que pudesse ser imputado à magistrada, mas o CNJ acolheu pedido de revisão disciplinar. A investigação no conselho, contudo, ficou suspensa por força de liminar durante sete anos, mas, em maio de 2017, Gilmar Mendes mandou o CNJ dar continuidade ao PAD.

Na decisão mais recente, de 19 de outubro de 2017, Gilmar Mendes reviu seu entendimento anterior e afirma que, como o TRF-1 já decidiu por arquivar a denúncia contra a juíza, o CNJ não poderia rever essa decisão, “configurando verdadeiro juízo recursal, hipótese não admitida no âmbito da revisão disciplinar”.

O ministro ressalta que “o devido processo legal foi estritamente observado no âmbito do procedimento avulso que tramitou perante o TRF da 1ª Região, não havendo qualquer ilegalidade na atuação daquela corte” e que “o voto do relator no TRF, acolhido à unanimidade, considerou de forma fundamentada todos os fatos objetivamente apontados como objeto de investigação”.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2018
19.01.18 17h04 » Presidente pede ao STF para arquivar inquérito sobre suspeita de propina
16.01.18 10h49 » Supremo julgará se juiz poderia ter proibido privatização
15.01.18 15h01 » Cármen Lúcia se reúne com presidente do TRF-4 para discutir segurança
13.01.18 09h08 » CNMP pode afastar lei que cria restrições a pena para promotor, diz Fachin
10.01.18 08h09 » Citada como operadora financeira, empresária negocia delação
08.01.18 17h21 » STF suspende inscrição de MT em cadastros de inadimplentes
05.01.18 17h28 » Gilmar Mendes anula reabertura de PAD contra desembargadora do TRF-1
05.01.18 17h17 » Defensores vão ao STF contra Governo e cobram duodécimo
05.01.18 17h03 » Cármen Lúcia nega pedido e mantém Sérgio Ricardo fora do TCE
02.01.18 14h53 » Cármen Lúcia mantém professores atuando em presídios



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet