Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    O habeas corpus protocolado em favor do ex-presidente Lula começou juridicamente errado
  • RENATO GOMES NERY
    Livro expõe como a polícia americana age para debelar o crime organizado, com a aplicação da Lei Rico
STF / NO PARANÁ

Tamanho do texto A- A+
02.01.2018 | 14h53
Cármen Lúcia mantém professores atuando em presídios
Ministra apontou a impossibilidade de se aguardar o exame da matéria pelo relator
Rosinei Coutinho/SCO/STF
A ministra Carmém Lúcia: presidente do STF
DO CONSULTOR JURÍDICO

Considerando o risco de possível ruptura no sistema educacional em presídios do Paraná, a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, suspendeu trecho de lei estadual que retirava professores e profissionais de educação de presídios e unidades socioeducativas do estado.

A norma em questão é a Lei estadual 19.130/2017, que institui a Diária Especial por Atividade Extrajornada Voluntária e a Gratificação Intramuros (Graim). A lei prevê a devolução de todos os ocupantes de cargos e funções atualmente em exercício nos estabelecimentos penais e socioeducativos às suas escolas de origem, a partir de 1º de janeiro.

Para a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, o estado pretende substituir todas as gratificações atualmente pagas pela Graim, cujo valor seria muito inferior ao previsto nos contratos atuais, inclusive mediante a recontratação de parte dos servidores, admitidos mediante concurso específico, por meio de processo seletivo simplificado e com remuneração reduzida.

Na ação direta de inconstitucionalidade, a entidade sindical sustenta que a medida visa unicamente à redução de custos com educação, sem se importar com o real propósito das unidades educacionais nas unidades prisionais e socioeducativas, voltadas para a formação escolar e profissional.

Tal situação, argumenta o sindicato, viola o direito social à educação o princípio da dignidade da pessoa humana, resultando na precarização do sistema de educação de jovens e adultos em conflito com a lei. Ainda de acordo com a argumentação, a dispensa coletiva de mais de 600 profissionais de educação promoverá de uma só vez a ruptura de planejamentos pedagógicos, de todo o trabalho educacional desenvolvido e das relações entre professores, estudantes e servidores, estabelecidas ao longo de 30 anos de atuação continuada.

No dia 20 de dezembro, início do recesso do Judiciário, a confederação, tendo em vista a proximidade da data prevista para a devolução dos profissionais, pediu a remessa do processo ao plantão da Presidência do STF, para análise da cautelar em caráter excepcional de urgência.

Ao analisar o pedido, a ministra Cármen Lúcia apontou a impossibilidade de se aguardar o exame da matéria pelo relator , ministro Ricardo Lewandowski, e a submissão da questão ao Plenário, tendo em vista a previsão legal de retorno dos servidores a seus órgãos de origem a partir desta segunda-feira (1º/1) e a demonstração de que já foram iniciadas as medidas materiais e administrativas para tanto, sem condições de reversão imediata e em idênticas condições.

“Em obediência a uma alegada proposta de redução orçamentária e de custos com servidores públicos, essa abrupta alteração administrativa irradiaria efeitos sobre os servidores que ocupam cargos/funções em estabelecimentos prisionais e unidades de atendimento socioeducativo decorrentes de seleções com prazos de validade ainda em curso, frustrando justas expectativas de permanência nas lotações para as quais foram aprovados, nos termos definidos em edital, com consequente decesso pecuniário”, assinalou.

Segundo a ministra, os fatos narrados e a possível ruptura no sistema educacional vinculado aos estabelecimentos penais e às unidades socioeducativas recomendam a suspensão dos efeitos do artigo 25, caput, da lei estadual. Por outro lado, o reexame da cautelar pelo relator ou pelo Plenário apenas estenderia por algum tempo a adoção das providências, que podem ser produzidas a qualquer momento, “até mesmo de maneira gradativa”.

Corte de despesas

De acordo com o Governo do Paraná, com os adicionais de periculosidade pagos, o salário dos professores e profissionais da educação que atuam em unidades prisionais aumenta em 130%. O governo explica que esses servidores ganham três vantagens pelo desempenho da função: risco de vida, gratificação de zona e insalubridade.

Somados os adicionais, os quinquênios, as gratificações por risco de vida, gratificação de zona e insalubridade, a média de salários de professores que trabalham nos presídios do Paraná fica em torno de R$ 12 mil. Segundo dados oficiais, no Paraná, atualmente, 267 professores, 66 pedagogos e 37 profissionais administrativos atuam nos presídios. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2018
13.07.18 17h08 » Presidente do STF não vê urgência e nega HC a empresário
06.07.18 12h42 » STF tenta acordo sobre repasse de recursos de loteria à segurança
06.07.18 12h27 » Cármen Lúcia proíbe que União bloqueie R$ 575 milhões das contas do RJ
06.07.18 12h23 » Toffoli suspende lei que proíbe abordagem sobre gênero
02.07.18 16h27 » Ministra do Supremo nega pedido de liberdade de Mauro Savi
Junho de 2018
29.06.18 17h20 » Alexandre de Moraes nega novo pedido de liberdade de Lula
29.06.18 16h27 » Ministro do Supremo libera porte de arma para guardas municipais
29.06.18 16h23 » STF deve decidir em agosto se filhos podem ser alfabetizados
29.06.18 16h19 » Supremo decide que imposto sindical não é obrigatório
28.06.18 15h19 » Fachin libera para o plenário do Supremo pedido de liberdade de Lula



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet