Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    É recorrente a insatisfação e inconformismo da sociedade quanto à elevada carga tributária
  • RENATO NERY
    A imprensa diariamente notícia novos casos de apropriação do espólio da viúva
STF / EXECUTIVOS DA J&F

Tamanho do texto A- A+
21.12.2017 | 17h02
Mantida prisão preventiva de Joesley Batista e Ricardo Saud
A decisão foi tomada nos autos Ação Cautelar (AC) 4352 pelo ministro Edson Fachin
Carlos Humberto/SCO/STF
O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal
DO STF

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido formulado por Joesley Mendonça Batista e Ricardo Saud, executivos do grupo J&F, que postulavam a revogação da prisão preventiva imposta a eles devido à omissão de prestação de informações no acordo de colaboração premiada assinado com a Procuradoria-Geral da República (PGR). A decisão foi tomada nos autos Ação Cautelar (AC) 4352.

O relator avaliou que a prisão preventiva “revela-se imprescindível como forma de resguardar a ordem pública, ameaçada pelo concreto risco da reiteração delitiva, bem como a instrução criminal, impedindo a destruição, alteração e ocultação de elementos de prova essenciais à elucidação de crimes”.

De acordo com o ministro Edson Fachin, o cenário sobre o qual foram decretadas as custódias temporárias e preventivas dos executivos ainda aponta a propensão deles à reiteração delitiva, demonstrada não só pelas confissões constantes dos termos de depoimento prestados no acordo de colaboração premiada, cujos efeitos se encontram cautelarmente suspensos, nas quais afirmam a prática serial de delitos envolvendo destacadas autoridades da República, mas também no reconhecimento de indícios da prática do delito previsto no artigo 27-D da Lei 6.385/1976, em apuração perante o juízo da 6ª Vara Federal de São Paulo.

O dispositivo prevê como crime contra o mercado financeiro utilizar informação relevante de que tenha conhecimento, ainda não divulgada ao mercado, que seja capaz de propiciar, para si ou para outrem, vantagem indevida, mediante negociação, em nome próprio ou de terceiros, de valores mobiliários.

O relator destacou ainda que o motivo da prisão preventiva não reside, exclusivamente, na omissão de fatos relevantes em sede de acordo de colaboração premiada, mas também nos fortes indícios de suposta participação na organização criminosa objeto de investigação nos Inquéritos (INQs) 3989, 4325, 4326 e 4327, “tendo por requisitos a conveniência da instrução criminal e o concreto risco de reiteração delitiva”.

Defesa

No pedido, a defesa de Joesley Batista e Ricardo Saud alega que a suposta má-fé na omissão de fatos no âmbito do acordo de colaboração premiada lhes foi atribuída pela Procuradoria-Geral da República a partir de elementos entregues de forma voluntária. Argumenta que foram efetuadas medidas de busca e apreensão em que nada foi apreendido, o que fragilizaria a suspeita da pretensão de ocultação de provas.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
20.06.18 16h50 » Supremo autoriza Polícia Federal a firmar acordos de delação premiada
19.06.18 08h53 » Ministra do STF nega pedido de soltura de ex-chefe da Casa Civil
15.06.18 11h47 » Lava Jato ganhou projeção exagerada e indevida, diz Gilmar Mendes
14.06.18 17h30 » STF proíbe condução coercitiva de réus e investigados para depoimento
14.06.18 15h33 » 2ª Turma do STF julgará recurso de Lula sobre áudios da Lava Jato
12.06.18 17h44 » STF decide que denúncia contra Blairo vai tramitar na 1ª Instância
12.06.18 10h32 » Ministro “desce” inquérito contra Ezequiel para Justiça Estadual
11.06.18 17h40 » Justiça e Estado não funcionam bem sem imprensa livre, diz Cármen Lúcia
08.06.18 17h56 » Ministro do STF aplica multa de R$ 506 milhões a 46 empresas
07.06.18 16h34 » Gilmar Mendes vota pela proibição da condução coercitiva



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet