Artigos
  • ELVIS KLAUK JR
    Antes de fechar negócio é muito importante verificar se o imóvel está com os respectivos documentos em ordem
  • PAULO LEMOS
    Na política, há um quadro crônico e agudo de delírios, alucinações, desejos, impulsos e compulsões
STF / CASO LEOPOLDINO

Tamanho do texto A- A+
24.11.2017 | 16h14
STF nega soltura a policial que armou farsa em morte de juiz
Ministro Alexandre de Moraes afirmou que medida é inviável e manteve prisão de agente
Carlos Moura/STF
O ministro Alexandre de Moraes: habeas corpus não era cabível no momento
DA REDAÇÃO

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento (julgou inviável) ao Habeas Corpus (HC) 149465, impetrado pela defesa de Gardel Tadeu Ferreira Lima, investigador da Polícia Civil do Mato Grosso.

Gardel Lima foi condenado pela Justiça Federal por integrar quadrilha apontada pela tentativa de produzir provas falsas para tumultuar as investigações relativas à morte do juiz de Direito Leopoldino Marques do Amaral, em 1999.

A decisão segue a jurisprudência do STF no sentido do não cabimento de habeas corpus impetrado contra decisão monocrática de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Gardel Lima foi condenado às penas de 9 anos e 6 meses de reclusão, em regime inicial fechado, e de 1 ano e 4 meses de detenção, em regime inicial semiaberto, pela prática dos crimes de violação de sepultura, quadrilha armada, denunciação caluniosa e fraude processual.

Segundo o Ministério Público Federal, os crimes teriam sido praticados por um grupo de seis pessoas a fim de produzir provas falsas para tumultuar o julgamento, pelo Tribunal do Júri, de Josino Guimarães Pereira, acusado da morte do juiz. Entre os integrantes da quadrilha estão um delegado de polícia e o próprio Josino.

A quadrilha é acusada de falsear informações de testemunhas para incluir a afirmação de que o juiz estaria vivo e morando fora do Brasil, orientando interceptações telefônicas para reforçar essa tese. Também desenvolveu uma investigação paralela e violou a sepultura do juiz para uma exumação sem observância das formalidades legais, a fim de produzir um laudo pericial que colocasse em dúvida se os restos mortais seriam os da vítima.

Decisão

Ao negar trâmite ao HC, o ministro Alexandre de Moraes assinalou que o exaurimento da instância contra a qual se recorre (no caso, o STJ) é, em regra, pressuposto para ensejar a competência do STF. Lembrou ainda que a Primeira Turma do STF, da qual faz parte, só vem autorizando o exame de habeas corpus, antes de encerrada a análise na instância competente, em casos excepcionais. “No particular, entretanto, não se apresentam as hipóteses de teratologia ou excepcionalidade”, concluiu.

Leia mais sobre o assunto:

Tribunal expede nova prisão de delegado condenado por farsa

STJ suspende condenação de empresários e cogita prescrição

 

TRF manda soltar empresário e irmão acusados de armar farsa

 

Empresário, irmão e delegado são presos pela PF por armar farsa


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2018
16.01.18 10h49 » Supremo julgará se juiz poderia ter proibido privatização
15.01.18 15h01 » Cármen Lúcia se reúne com presidente do TRF-4 para discutir segurança
13.01.18 09h08 » CNMP pode afastar lei que cria restrições a pena para promotor, diz Fachin
10.01.18 08h09 » Citada como operadora financeira, empresária negocia delação
08.01.18 17h21 » STF suspende inscrição de MT em cadastros de inadimplentes
05.01.18 17h28 » Gilmar Mendes anula reabertura de PAD contra desembargadora do TRF-1
05.01.18 17h17 » Defensores vão ao STF contra Governo e cobram duodécimo
05.01.18 17h03 » Cármen Lúcia nega pedido e mantém Sérgio Ricardo fora do TCE
02.01.18 14h53 » Cármen Lúcia mantém professores atuando em presídios
Dezembro de 2017
31.12.17 09h09 » Pedidos de vista suspenderam 50 julgamentos no STF em 2017



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet