Artigos
  • ELVIS KLAUK JR
    Antes de fechar negócio é muito importante verificar se o imóvel está com os respectivos documentos em ordem
  • PAULO LEMOS
    Na política, há um quadro crônico e agudo de delírios, alucinações, desejos, impulsos e compulsões
STF / APÓS QUESTIONAMENTO

Tamanho do texto A- A+
16.11.2017 | 11h38
"É preciso corrigir os abusos", diz Gilmar Mendes sobre delações premiadas
Ministro foi questionado sobre decisão de Lewandowski em devolver delação de marqueteiro de Cabral
Nelson Jr/STF
Gilmar Mendes: ministro do Supremo Tribunal Federal
RENAN RAMALHO
DO G1

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou nesta quinta-feira (16) que a delação premiada, como instrumento de investigação, vem passando por aperfeiçoamento na própria Corte. Para ele, “é preciso corrigir os abusos” para preservar seu uso.

Mendes foi questionado sobre decisão do ministro Ricardo Lewandowski de devolver à Procuradoria Geral da República (PGR) o acordo de colaboração do marqueteiro Renato Pereira, que confessou crimes em campanhas do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e outros políticos do PMDB fluminense. Lewandowski questionou a legalidade de benefícios concedidos a Pereira.

Gilmar Mendes disse que outros ministros já haviam devolvido delações para ajustes e que eventuais erros devem ser corrigidos.

É importante que eventuais erros que ocorram não contaminem o próprio instituto, porque daqui a pouco nós passamos a cogitar da sua própria extinção por causa dos abusos

“Me parece extremamente importante que essas questões sejam colocadas para o aperfeiçoamento da delação premiada. É importante que eventuais erros que ocorram não contaminem o próprio instituto, porque daqui a pouco nós passamos a cogitar da sua própria extinção por causa dos abusos. É preciso corrigir os abusos. Não vou emitir juízo sobre isso, estamos discutindo”, afirmou.

O ministro evitou comentar a fundo o caso concreto de Renato Pereira, mas disse que a decisão seguiu entendimento recente do STF, em junho, de possibilitar ao relator da delação na Corte analisar a legalidade das cláusulas do acordo antes de homologá-lo. “A análise tem que ser da lei. O que o ministro Lewandowski chama atenção é que tem que seguir a lei, esse é o roteiro, que está na lei”, afirmou.

Gilmar Mendes defendeu a importância da delação no combate à impunidade e à criminalidade, mas alertou que “problemas” em seu uso foram noticiados em países como os Estados Unidos recentemente. “Muitas vezes as pessoas podem ser estimuladas a fazer delações que são impróprias, imputar crimes a outros para se livrar, fazer negociação não exatamente perfeita, mas escusa. E o Supremo vem discutindo isso”.

As declarações foram feitas em entrevista à imprensa após assinatura de uma parceria entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Polícia Federal para compartilhamento de cadastros biométricos.

As digitais colhidas para o eleitor emitir seu título de votação poderão ser usados para emissão de passaportes. Atualmente, mais de 68 milhões de pessoas (46% do eleitorado) já foram cadastrados na Justiça Eleitoral.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2018
16.01.18 10h49 » Supremo julgará se juiz poderia ter proibido privatização
15.01.18 15h01 » Cármen Lúcia se reúne com presidente do TRF-4 para discutir segurança
13.01.18 09h08 » CNMP pode afastar lei que cria restrições a pena para promotor, diz Fachin
10.01.18 08h09 » Citada como operadora financeira, empresária negocia delação
08.01.18 17h21 » STF suspende inscrição de MT em cadastros de inadimplentes
05.01.18 17h28 » Gilmar Mendes anula reabertura de PAD contra desembargadora do TRF-1
05.01.18 17h17 » Defensores vão ao STF contra Governo e cobram duodécimo
05.01.18 17h03 » Cármen Lúcia nega pedido e mantém Sérgio Ricardo fora do TCE
02.01.18 14h53 » Cármen Lúcia mantém professores atuando em presídios
Dezembro de 2017
31.12.17 09h09 » Pedidos de vista suspenderam 50 julgamentos no STF em 2017



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet