Artigos
  • XÊNIA ARTMANN GUERRA
    “Evoluímos” para a repulsiva situação de uma advogada ser presa e algemada dentro de um fórum no exercício da profissão
  • JEAN CARVALHO
    Atribuo, sob a minha ótica, a responsabilidade da dificuldade passada pelo Poder Judiciário ao próprio Judiciário
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Até na cela de uma prisão, uma boa leitura liberta o pensamento e desacorrenta a alma
STF / NEGOU TRANSFERÊNCIA

Tamanho do texto A- A+
03.11.2017 | 11h00
Juízes precisam ‘nadar contra a corrente’, diz Gilmar Mendes
Ministro afirmou ainda que não identificou ameaça do ex-governador ao juiz federal
Nelson Jr/STF
Gilmar Mendes: ministro do Supremo Tribunal Federal
DO G1

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse nesta quinta-feira (2) que os magistrados precisam “nadar contra a corrente” para fazer valer a legislação do país. A declaração foi dada ao ser questionado sobre os motivos que o levaram a negar o pedido de transferência do ex-governador Sérgio Cabral para um presídio federal.

“A nossa função no Supremo Tribunal Federal, sobretudo, mas na magistratura em geral, muitas vezes é uma função contra majoritária. Isso significa que muitas vezes nós temos que nadar contra a corrente”, afirmou o ministro.

Segundo o magistrado, o STF, muitas vezes, é criticado pela sociedade ao conceder um habeas corpus, mas o que existe por trás da decisão é a defesa da lei.

“Se pudessem elas suprimiriam o habeas corpus, mas ao fazê-lo elas estariam suprimindo os seus próprios direitos”, enfatizou Gilmar Mendes.

A transferência de Sérgio Cabral foi solicitada pelo Ministério Público Federal depois que Cabral fez comentários sobre a atividade empresarial da família do juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava Jato no Rio, durante uma audiência judicial na semana passada. Na ocasião, Bretas alegou que se sentiu ameaçado com a declaração do ex-governador.

“O que se alegou foi que houve ameaça ao juiz. Eu vi o vídeo, examinei todas as questões e não me convenci disso, pelo contrário. É um diálogo talvez um pouco ríspido, áspero, entre o ex-governador e o juiz, mas nada demais”, afirmou Gilmar Mendes ao comentar sua decisão. Ele destacou que motivos técnicos e jurídicos balizaram seu despacho pela não transferência do ex-governador.

As declarações foram dadas por Mendes a jornalistas após o evento do qual participa nesta semana em Portugal.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2018
19.09.18 17h43 » Dias Toffoli diz que STF terá atuação 'mais discreta possível'
19.09.18 09h33 » Supremo absolve Renan Calheiros da acusação de peculato
18.09.18 17h18 » Ministro do STF Luís Roberto Barroso prorroga inquérito dos portos
17.09.18 17h22 » "Presidenciável 'sempre foi eleito' pelas urnas eletrônicas", rebate ministro
17.09.18 11h25 » Sachetti é acusado de alienar área pública; STF remete ação ao TJ
17.09.18 11h20 » Toffoli diz que 'dificilmente' prisão de Lula será derrubada por recurso
14.09.18 17h25 » Lewandowski paralisa julgamento em que Lula perdia por 7 a 1
14.09.18 16h26 » 'Não somos mais nem menos que os outros poderes', diz Dias Toffoli
14.09.18 15h55 » Perícia diz que Maggi não apagou mensagens de celular
13.09.18 09h53 » Gilmar Mendes vê 'notório abuso de poder' e pede 'freios'



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet