Artigos
  • FRANCISCO BRITO JUNIOR
    Os partidos pequenos precisam traçar estratégias para continuar sua existência por meio de registro de candidatos com força eleitoral
  • ANTONIO SÉRGIO PITOMBO
    Este tipo de profissional do Direito engana a si mesmo e a seus clientes
  • JOSÉ RENATO CORDOVEZ
    MT e outros Estados erraram ao instituir tarifas sobre a base de cálculo da energia elétrica
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática
STF / NEGOU TRANSFERÊNCIA

Tamanho do texto A- A+
03.11.2017 | 11h00
Juízes precisam ‘nadar contra a corrente’, diz Gilmar Mendes
Ministro afirmou ainda que não identificou ameaça do ex-governador ao juiz federal
Nelson Jr/STF
Gilmar Mendes: ministro do Supremo Tribunal Federal
DO G1

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse nesta quinta-feira (2) que os magistrados precisam “nadar contra a corrente” para fazer valer a legislação do país. A declaração foi dada ao ser questionado sobre os motivos que o levaram a negar o pedido de transferência do ex-governador Sérgio Cabral para um presídio federal.

“A nossa função no Supremo Tribunal Federal, sobretudo, mas na magistratura em geral, muitas vezes é uma função contra majoritária. Isso significa que muitas vezes nós temos que nadar contra a corrente”, afirmou o ministro.

Segundo o magistrado, o STF, muitas vezes, é criticado pela sociedade ao conceder um habeas corpus, mas o que existe por trás da decisão é a defesa da lei.

“Se pudessem elas suprimiriam o habeas corpus, mas ao fazê-lo elas estariam suprimindo os seus próprios direitos”, enfatizou Gilmar Mendes.

A transferência de Sérgio Cabral foi solicitada pelo Ministério Público Federal depois que Cabral fez comentários sobre a atividade empresarial da família do juiz Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava Jato no Rio, durante uma audiência judicial na semana passada. Na ocasião, Bretas alegou que se sentiu ameaçado com a declaração do ex-governador.

“O que se alegou foi que houve ameaça ao juiz. Eu vi o vídeo, examinei todas as questões e não me convenci disso, pelo contrário. É um diálogo talvez um pouco ríspido, áspero, entre o ex-governador e o juiz, mas nada demais”, afirmou Gilmar Mendes ao comentar sua decisão. Ele destacou que motivos técnicos e jurídicos balizaram seu despacho pela não transferência do ex-governador.

As declarações foram dadas por Mendes a jornalistas após o evento do qual participa nesta semana em Portugal.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
15.02.18 15h02 » Ex-assessor de Silval pede ao STF para sair da prisão domiciliar
15.02.18 09h12 » Competência para julgar caso Cristiane Brasil é do Supremo
13.02.18 09h22 » Toffoli defende tributação do empregador sobre o terço de férias
13.02.18 08h22 » STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes
09.02.18 17h53 » Ministro Luiz Fachin nega pedido de Lula para evitar prisão
09.02.18 17h47 » Ministra diz que Judiciário tem 'débito enorme com a sociedade'
08.02.18 14h41 » Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
07.02.18 17h27 » Supremo decide que planos de saúde reembolsem o SUS
06.02.18 16h09 » Turma do Supremo determina prisão imediata após 2ª instância
06.02.18 15h22 » Hoje pratica-se a regra da prisão provisória definitiva, critica Gilmar Mendes



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet