Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...
STF / VEJA LISTA DE BENS

Tamanho do texto A- A+
02.11.2017 | 15h30
Nadaf devolve R$ 17,5 milhões ao erário por meio de 27 imóveis
Ex-secretário confessou 48 eventos ilícitos e, se condenado, ficará no semiaberto
MidiaNews
O ex-secretário Pedro Nadaf: devolução de imóveis em troca de diminuição da pena
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O ex-secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas, Energia (Sicme) e Casa Civil, Pedro Nadaf, devolveu R$ 16,9 milhões ao Estado por meio da entrega de 27 imóveis (veja a lista abaixo), de outros R$ 484,5 mil que já haviam sido bloqueados de sua conta, e da entrega dos pagamentos de aluguéis de outros nove imóveis.

Nadaf ainda vai devolver outros R$ 578 mil à União por meio de cinco parcelas anuais de R$ 115,6 mil (acrescidas de juros e correção), sendo que a primeira foi paga em setembro deste ano e a última deve ser quitada em setembro de 2021.

A devolução dos bens e o ressarcimento ao Poder Público, no montante total de R$ 17,5 milhões, faz parte do acordo de colaboração premiada firmada por ele com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologado pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Na delação, o ex-secretário citou 48 crimes cometidos durante a gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e do ex-governador e atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP).

A maior parte dos crimes delatados envolve exigência de propina de empresários em troca da concessão de vantagens, como incentivos fiscais e contratos, além de esquemas de superfaturamento, desvios e lavagem do dinheiro obtido.

Em troca da colaboração e da devolução de bens e dinheiro, a PGR se comprometeu a requerer redução de 2/3 da pena de Nadaf nas ações penais derivadas das operações Ararath, Sodoma e Seven.

Em caso de condenação, o acordo prevê que os primeiros cinco anos da pena serão cumpridos em regime semiaberto, que pode ser retraída pelo tempo em que

Nadaf permaneceu na cadeia - quase um ano -, com uso de tornozeleira eletrônica.

Nos dois primeiros anos, Nadaf não poderá sair durante a semana e nem aos finais de semana nos períodos de 23h a 06h. Do terceiro ao quinto ano, o recolhimento noturno só precisará ser cumprido durante a semana.  

Caso as penas ultrapassem os cinco anos de prisão, o restante da condenação será cumprido em regime aberto, sem tornozeleira, devendo Nadaf apenas comparecer mensalmente à Justiça para justificar suas atividades e endereço.

Lista de imóveis

Entre os bens devolvidos por Nadaf estão duas salas comerciais no Edifício Comercial Helbor Dual Business Office & Corporate, na Capital, avaliadas, juntas, em R$ 577 mil; e dois apartamentos no Condomínio Morada do Parque, avaliados em R$ 335 mil cada.

O ex-secretário também devolveu uma fazenda de 341 hectares em Poconé (104 km de Cuiabá), no valor de R$ 5,9 milhões, e um apartamento no Edifício Monreale, na Capital, avaliado em R$ 1,1 milhão.

Também consta na lista de devolução os R$ 743 mil obtidos com a venda de 743 cabeças de gado adquiridas com dinheiro de propina, além de 11 terrenos no Loteamento Jardim Santa Luzia, em Várzea Grande, de R$ 59 mil cada (R$ 649 mil no total).

 

Confira a lista completa dos bens e valores que serão devolvidos por Pedro Nadaf: 

 

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
16.11.17 11h38 » "É preciso corrigir os abusos", diz Gilmar Mendes sobre delações premiadas
15.11.17 08h25 » Fux determina que STJ investigue conselheiros e desmembra processos
15.11.17 08h01 » Deputado é investigado por gastos com "posto da propina" em MT
13.11.17 14h54 » STF retoma no dia 23 julgamento que pode limitar foro privilegiado
13.11.17 14h35 » Ministro arquiva procedimento sobre suposto “caixa 2” de Taques
13.11.17 14h22 » Nadaf diz que trouxe dados “mais valiosos” que Silval em ação
11.11.17 10h21 » Supremo julgará se teste físico de concurso pode ser adiado
09.11.17 16h41 » STF suspende julgamento sobre regras de terras quilombolas
09.11.17 16h23 » Ministro não vê calúnia e rejeita queixa de Juarez contra Leitão
08.11.17 16h01 » "Prender empresário corrupto é coisa de Estado de Direito", defende Barroso



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet