Artigos
  • FRANCISCO BRITO JUNIOR
    Os partidos pequenos precisam traçar estratégias para continuar sua existência por meio de registro de candidatos com força eleitoral
  • ANTONIO SÉRGIO PITOMBO
    Este tipo de profissional do Direito engana a si mesmo e a seus clientes
  • JOSÉ RENATO CORDOVEZ
    MT e outros Estados erraram ao instituir tarifas sobre a base de cálculo da energia elétrica
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática
STF / EM TROCA DE INCENTIVOS

Tamanho do texto A- A+
30.10.2017 | 10h01
Ex-secretário diz que recebeu R$ 950 mil e 3 casas como propina
Em delação ao MPF, Pedro Nadaf aponta dono das empresas Dismafe e Lumen Construtora
MidiaNews
O ex-secretário Pedro Nadaf: propina em troca da concessão de incentivos
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O ex-secretário de Estado da Casa Civil, Pedro Nadaf, afirmou que recebeu R$ 950 mil e três casas, no condomínio Solar da Chapada, a título de propina, do empresário Luiz Antônio Miranda, o “Toninho”, dono das empresas Dismafe Distribuidora de Máquinas e Ferramentas S/A. e Lumen Consultoria Construção e Comércio Ltda.

Os “presentes” foram dados em troca da concessão de incentivos fiscais de R$ 2,8 milhões à Lumen, em 2014.

A declaração foi feita por Nadaf em sua delação à Procuradoria-Geral da República (PGR), homologada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O ex-secretário disse que, em 2012, Luiz Antonio Miranda lhe contou que, em 2010, contribuiu com R$ 1 milhão para a campanha de Silval, via Caixa 2 (recursos não declarados à Justiça Eleitoral), uma vez que tinha vencido a licitação para a duplicação da MT-010, do trecho Cuiabá até a entrada do Condomínio Florais.

Segundo Luiz Antonio Miranda, havia sido afirmado por Eraí Maggi que o empresário seria ressarcido dessa contribuição quando dos pagamentos pelo Governo da obra que ele iria executa

Contudo, a delação citou que a obra que a empresa de Luiz Miranda ganhou a licitação não foi executada, motivo pelo qual, em 2012, o empresário procurou Nadaf para que “intercedesse” junto a Silval, com o objetivo de obter de volta o montante de R$ 1 milhão doado para a campanha.

“Eu levei o assunto ao então governador Silval da Cunha Barbosa, tendo ele determinado que eu falasse com Marcel de Cursi [então secretário de Fazenda], a fim de encontrarem uma forma de quitar essa dívida, mencionando, ainda, que poderiam conceder ao empresário incentivos fiscais”, disse Nadaf.

Devolução em incentivos

Nadaf relatou que foi feito um acordo de concessão de benefício fiscal via créditos de ICMS, em 2014, em favor da Lumen Construção, no valor de R$ 2,8 milhões, créditos esses transferidos ao Grupo Votorantim.

“O valor do benefício foi calculado com base em cálculos de créditos apresentados pelo Sr. Luiz Antônio Miranda, vulgo Toninho, da seguinte forma: a empresa Votorantim cobraria um deságio de 20% do valor total pelos serviços burocráticos, ou seja, R$ 560 mil a serem descontados do crédito de R$ 2,8 milhões, restando assim o valor de R$ 2,24 milhões de crédito”, afirmou.

Dos R$ 2,24 milhões restantes repassados para a construtora, o ex-secretário disse que o empresário abateu da propina de Nadaf R$ 700 mil de propina que já havia sido paga em 2012, restando mais R$ 250 mil, que foram pagos “através de dez cheques da Dismafe, nos valores de R$ 25 mil cada”.

“Eu usei um desses cheques na aquisição de gado do Sr. Antelmo Zílio, pai de César Zílio [ex-secretário de Administração], cheque este que foi identificado na Operação Sodoma II”, disse o delator.

Ainda de acordo com Nadaf, Luiz Miranda lhe deu três imóveis em um residencial localizado nas proximidades da estrada que vai para Chapada dos Guimarães.

“Ainda recebi a título de propinas do Sr. Antônio duas casas de dois quartos, localizadas no Condomínio Solar da Chapada, no valor unitário de R$ 140 mil, que totalizam o valor de R$ 280 mil, e ainda uma casa de três quartos, localizada no mesmo condomínio Solar da Chapada, no valor de R$ 170 mil, casas estas já vendidas por mim”, disse.

Outro lado

A redação ligou para a Dismafe, mas a funcionária que atendeu afirmou que o empresário Luiz Miranda não se encontrava, mas que pediria para ele retornar o contato, o que não ocorreu até a edição desta matéria.

Veja fac-símile de trecho da delação:

 

print nadaf diz que recebeu 250 mil e três casas em chapada

 

Leia mais sobre o assunto:

Nadaf diz que viu Milan entregar pacote com R$ 400 mil a Silval


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
15.02.18 15h02 » Ex-assessor de Silval pede ao STF para sair da prisão domiciliar
15.02.18 09h12 » Competência para julgar caso Cristiane Brasil é do Supremo
13.02.18 09h22 » Toffoli defende tributação do empregador sobre o terço de férias
13.02.18 08h22 » STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes
09.02.18 17h53 » Ministro Luiz Fachin nega pedido de Lula para evitar prisão
09.02.18 17h47 » Ministra diz que Judiciário tem 'débito enorme com a sociedade'
08.02.18 14h41 » Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
07.02.18 17h27 » Supremo decide que planos de saúde reembolsem o SUS
06.02.18 16h09 » Turma do Supremo determina prisão imediata após 2ª instância
06.02.18 15h22 » Hoje pratica-se a regra da prisão provisória definitiva, critica Gilmar Mendes



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet