Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
STF / OCULTAÇÃO E JUROS

Tamanho do texto A- A+
24.10.2017 | 10h58
Nadaf diz que ex-dono da City Lar guarda R$ 1,1 milhão de propina
Ex-secretário diz que propina foi paga a ele por Piero Vicenzo, do setor sucroalcooleiro em Mato Grosso
MidiaNews
O ex-secretário Pedro Nadaf: propina escondida para não aparecer nas contas
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O ex-secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme) e da Casa Civil, Pedro Nadaf, disse que o empresário Erivelto Gasques, ex-dono do Grupo City Lar (que foi vendido para a Ricardo Eletro), o ajudou a ocultar R$ 1,1 milhão em propina - dinheiro que ainda está com o empresário, segundo o ex-secretário.

A acusação consta na delação premiada firmada pelo ex-secretário com a Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele contou que, entre o final de 2012 e início de 2013, foi procurado pelo empresário Piero Vicenzo, sócio-proprietário da Destilaria de Álcool Libra e presidente do Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool-MT).

“Na ocasião, Piero Vicenzo lhe informou que o setor possuía uma tratativa com o Governo acerca da estimativa do recolhimento do ICMS, e assim ele queria saber quem do governo iria dar continuidade na negociação da estimativa de recolhimento do ICMS do setor para o ano de 2013, pois em 2012, quando estava na Secretaria de Fazenda o secretário Edmilson dos Santos, era ele quem realizava as tratativas em nome do Governo, ou seja, que Edmilson era quem gerenciava o destino de dinheiro público recebido pelo Governo desse segmento”, afirmou.

Segundo Nadaf, Silval Barbosa então pediu que ele passasse a negociar com o segmento de álcool, no lugar do então secretário de Fazenda, Marcel de Cursi, “me enfatizando que ‘eles têm que contribuir com a gente’, confirmando que o segmento deveria pagar propina à organização criminosa”.

“Erivelto Gasques, ciente da origem espúria do dinheiro, concordou com o meu pedido, comprometendo-se, ainda, a corrigir o montante na base de 1% ao mês a fim de o dinheiro não perder seu valor, sendo que hoje eu acredito possuir com Erivelto Gasques cerca de R$ 1,1 milhão, já corrigidos”.

“Com essa imposição do governador, procurei por Piero Vicenzo no início do ano de 2013 para tratar desse assunto, tendo Piero me afirmado que poderia passar ao grupo, a título de propina, a mesma quantia que pagava nos anos anteriores para Edmilson, ou seja, o montante de R$ 2 milhões por ano”, disse.

“Então, por volta do mês de fevereiro ou março de 2013, eu recebi das mãos de Piero Vicenzo, em uma única ocasião, em seu gabinete na Casa Civil, diversos cheques de pessoas jurídicas, provavelmente de usinas, a maioria pré-datados, que juntos totalizavam o montante da propina previamente combinada”, completou.

O ex-chefe da Casa Civil relatou ter passado todo o montante ao ex-governador, que, em contrapartida, lhe repassou R$ 300 mil como a sua fatia do bolo.

Ocultação de dinheiro

No ano seguinte, conforme a delação de Nadaf, ficou acertado entre que a estimativa seria estabelecida por meio de decreto, “para que o seu reajuste nos próximos anos fosse feito através da inflação anual, por ser situação benéfica para o segmento”

“As tratativas para se chegar ao valor da estimativa no ano de 2014 foi negociada diretamente entre Piero, Marcel de Cursi e sua equipe da Sefaz. Após haver se chegado a uma estimativa que agradou ao segmento, a própria Sefaz editou um decreto atendendo ao pedido de Piero e o encaminhou para a Casa Civil para publicação”, disse.

“Antes da publicação, Piero chegou a conferir o texto do decreto com sua equipe técnica, tendo posteriormente confirmado sua edição em troca do pagamento de propina de R$ 4 milhões naquele ano, ou seja, em 2014”, acrescentou.

Da mesma forma que em 2013, Nadaf disse ter recebido mais R$ 4 milhões de propina em 2014, “através de diversos cheques pré-datados, oriundos de usinas”.

“Desse montante, repassei o valor de R$ 2 milhões para Silval Barbosa, ao passo que R$ 2 milhões ficaram comigo, representando meu quinhão”.

erivelto gasques

O ex-dono do Grupo City Lar, Erivelto Gasques

No intuito de que o dinheiro não aparecesse em suas contas bancárias, o ex-secretário disse que procurou o empresário Erivelto Gasques, do Grupo City lar, “que guardasse grande parte dessa propina”.

“Erivelto Gasques, ciente da origem espúria do dinheiro, concordou com o meu pedido, comprometendo-se, ainda, a corrigir o montante na base de 1% ao mês a fim de o dinheiro não perder seu valor, sendo que hoje eu acredito possuir com Erivelto Gasques cerca de R$ 1,1 milhão, já corrigidos”.

Apesar de a fatia da propina em 2014 ter sido de R$ 2 milhões, Nadaf afirmou que efetivamente recebeu R$ 1,5 milhão.

“Os outros R$ 500 mil foram repassados em cheques e estes não foram compensados por falta de provisão de fundos. Eu devolvi os cheques que voltaram com insuficiência de fundos a Piero, com a promessa de recebimento futuro”.

Erivelto Gasques também foi citado por Nadaf em outro depoimento, em que o ex-secretário revelou que o empresário pagpou R$ 1 milhão de propina para que a City Lar recebesse incentivos fiscais, por meio do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic).

Outro lado

A redação tentou contato com Piero Vicenzo, mas as ligações para seu celular não foram atendidas.

O número do celular de Erivelto Gasquez, obtido pela redação, consta como inexistente. 

Veja fac-símile de trecho do depoimento:

print nadaf ocultou dinheiro com erivelto

 

Leia mais sobre o assunto:

Nadaf: ex-dono da City Lar pagou R$ 1 mi para ter isenção fiscal

Odebrecht pagou R$ 1,2 milhão a presidente do Sindalcool-MT


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
16.10.18 08h33 » Ministro do STF determina arquivamento de inquérito contra Maggi
15.10.18 16h18 » Novelli cita baixa produtividade de substitutos e pede para voltar
11.10.18 17h02 » STF reafirma legalidade da terceirização em atividades-fim
10.10.18 16h42 » Lewandowski concede decisão para Garotinho não ser preso
10.10.18 14h38 » STF prorroga investigação contra deputado de MT delatado por Silval
05.10.18 15h57 » Gilmar Mendes manda soltar irmão de Beto Richa e mais 7
04.10.18 17h02 » Gilmar Mendes lança livros sobre Constituição e atuação no STF
04.10.18 08h01 » Celso de Mello homologa delação premiada fechada por Marcos Valério
03.10.18 16h19 » Não há necessidade de uma nova Constituinte, afirma Dias Toffoli
03.10.18 09h58 » Gilmar nega HC de executivo do banco Original, do grupo JBS



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet