Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
STF / DINHEIRO EM SACO

Tamanho do texto A- A+
10.10.2017 | 17h35
Nadaf: ex-dono da City Lar pagou R$ 1 mi para ter isenção fiscal
Ex-secretário disse que recebia o dinheiro em saco de lona e repassava a Silval Barbosa
Reprodução
Nadaf: ex-dono de rede de eletrodomèsticos teria pago propina a Silval
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O empresário Erivelto Gasques, ex-dono da rede de eletrodomésticos City Lar (que foi vendida para a Ricardo Eletro), pagou R$ 1 milhão em 2010 para o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) em troca de benefícios fiscais à sua empresa.

A acusação foi feita pelo ex-secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas, Energia (Sicme) e Casa Civil, Pedro Nadaf, em sua delação à Procuradoria Geral da República (PGR), homologada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Nadaf, que disse ter sido amigo de Erivelto na época, contou que durante a eleição de Silval ao Governo, em 2010, ficou incumbido de procurar empresários que pudessem contribuir com a campanha, em troca do oferecimento de vantagens em eventual vitória.

“Uma dessas empresas visitadas por mim e Silval Barbosa foi o Grupo City Lar, de propriedade de Erivelto Gasques”.

Em troca desse R$ 1 milhão entregue por Erivelto a Silval Barbosa, seria assinado o termo de incentivo fiscal beneficiando o Grupo City Lar

De acordo com o delator, a City Lar já estava enquadrada desde 2004 no Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial (Prodeic), responsável pela concessão de benefícios fiscais.

“Contudo, [o grupo] não estava sendo beneficiado com os incentivos fiscais, eis que ainda não havia assinado o termo necessário para usufruto dos benefícios”.

Desta forma, Nadaf contou que ofereceu a concessão dos benefícios do Prodeic a Erivelto Gasques em troca do apoio financeiro.

“Eu acompanhei Silval Barbosa na primeira reunião em que trataram do assunto com o empresário Erivelto, na sede do Grupo City Lar, na Estrada do Moinho, nesta Capital, em meados de 2010”.

Na ocasião, segundo o ex-secretário, Erivelto ficou de “estudar” a proposta.

“Passados uns dias, Erivelto me procurou e afirmou concordar com a proposta de Silval, se dispondo a contribuir com o montante de R$ 1 milhão, além de disponibilizar dinheiro para a campanha, que foi declarado oficialmente, mas que não sei precisar o valor”.

“Em troca desse R$ 1 milhão entregue por Erivelto a Silval Barbosa, seria assinado o termo de incentivo fiscal beneficiando o Grupo City Lar com uma redução tributária que seria calculada com base técnica, conforme proposta de incentivo”.

Dinheiro em saco

erivelto gasques

O empresário Erivelto Gasques, citado em delação de Nadaf

Dias depois, de acordo com a delação, Erivelto falou a Nadaf para buscar o dinheiro com o contador da empresa, “de nome Welington de tal, no escritório de nome Guardian, localizado na Avenida Fernando Corrêa, Edifício Home Office Tower, nº 400, na Capital”.

Nadaf disse que no dia seguinte foi até o local e passou a combinar com “Wellington” toda vez que fosse pegar os valores, que foram pagos de forma parcelada.

“Nesse primeiro encontro, foram repassados R$ 350 mil em dinheiro, acondicionados dentro de um saco de lona preto. Eu fui por mais duas vezes nesse escritório do contador do Grupo City Lar, local onde ele pegou o restante dos valores até perfazer o montante de R$ 1 milhão, sendo que na segunda vez recebi o valor aproximado de R$ 400 mil, igualmente acondicionados em um saco de lona preto”.

No último recebimento, Nadaf diz que pegou R$ 250 mil, “dessa vez dentro de um grande envelope”.

“Tão logo eu recebia tais valores, já os repassava para Silval Barbosa, ora no palácio do Governo, ora em sua moradia”, contou o ex-secretário.

Outro lado

A redação ligou para o celular de Erivelto Gasques, mas estava fora de área. Um familiar afirmou que ele está viajando.

Leia mais sobre o assunto:

Nadaf: Zanata cobrou propina de R$ 200 mil de empresários

Nadaf admite ter ganhado propina para fraudar licitação na Sicme

Nadaf afirma que ex-Sefaz recebia R$ 50 mil “por fora” de Alan

Cervejaria Petrópolis pagou dívidas de Silval e silêncio de Eder


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 08h45 » Nadaf: crédito fiscal à Concremax quitou dívida de Chico Daltro
10.12.17 15h20 » STF reserva julgamentos polêmicos para semana pré-recesso
09.12.17 11h07 » STF mantém sessão da Assembleia que aprovou Plano Plurianual
08.12.17 15h00 » Nadaf diz que ajudou Malouf a tentar “vender facilidades” na atual gestão
07.12.17 08h34 » Ministro do STF libera Andrea Neves de prisão domiciliar
07.12.17 08h34 » Fux nega novo recurso e mantém afastamento de Sérgio Ricardo
06.12.17 14h19 » Conselheiro pede que Rolex informe dados para recurso no STF
05.12.17 10h40 » STF barra acesso de ex-executivo de banco a inquérito sigiloso
04.12.17 11h10 » Fux afirma que Novelli não provou origem lícita e nega devolução
04.12.17 09h34 » Por 9 votos a 2, STF mantém Sérgio Ricardo afastado do TCE-MT



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet