Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
STF / DELAÇÃO DE NADAF

Tamanho do texto A- A+
04.10.2017 | 15h55
Cervejaria Petrópolis pagou dívidas de Silval e silêncio de Eder
Ex-secretário de Indústria e Comércio disse que beneficiou empresa a mando de ex-governador
Alair Ribeiro/MidiaNews
O ex-governador Silval Barbosa (detalhe), que teria beneficiado cervejaria
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O Grupo Petrópolis, fabricante de bebidas como a cerveja Itaipava, recebeu um aditivo de incentivos fiscais, em 2011, em troca de ter pago R$ 2,5 milhões de dívidas de campanha do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), e outros R$ 300 mil para comprar a “retratação” do ex-secretário de Fazenda, Eder Moraes.

A revelação foi feita pelo ex-secretário de Estado de Indústria, Comércio, Minas, Energia (Sicme) e Casa Civil, Pedro Nadaf, em sua delação premiada à Procuradoria-Geral da República (PGR), homologada em março pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Nadaf contou que, durante a campanha de 2010, Silval Barbosa procurou o Grupo Petrópolis em busca de apoio financeiro para a campanha eleitoral. A cervejaria tem uma unidade em Rondonópolis (212 km ao Sul de Cuiabá)

Vencida a eleição, o ex-secretário disse que, no ano de 2011, recebeu em seu gabinete, na Sicme, um termo aditivo do incentivo fiscal que a cervejaria já recebia por meio do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Prodeic).

O termo já estava pronto para assinar e tinha sido remetido pelo Palácio do Governo do Estado, “cujo objeto era o beneficiamento de soja em outra unidade da Federação, acreditando ser do Paraná, em favor da Cervejaria Petrópolis”.

“Referida empresa já era beneficiada pelo programa de incentivos fiscais do Prodeic. Não sei dizer a partir de que ano a empresa passou a gozar dos seus benefícios”, disse, na delação.

A princípio, Nadaf afirmou que foi resistente em assinar o termo aditivo e, por isso, encaminhou a questão para a equipe técnica. 

MidiaNews

Pedro Nadaf 290816

O ex-secretário Pedro Nadaf: "Acredito que essa dívida se tratava de um acordo de Silval com Eder"

“No mesmo dia em que encaminhei referido documento para a equipe técnica, fui procurado em meu gabinete pelo superintendente de Indústria, Sérgio Romani, o qual afirmou que o termo estava contemplando um fato fora do objeto da indústria, qual seja, o beneficiamento de grãos no Estado do Paraná, estilo pré-operacional”, afirmou Nadaf

“Não tive outra saída”

O ex-secretário relatou que, no dia seguinte à conversa com Sérgio Romani, foi falar com o próprio Silval sobre o termo aditivo.

“O ex-governador determinou que eu firmasse a assinatura do documento, alegando que necessitava atender ao pedido do presidente do Grupo Cervejaria Petrópolis, pois havia sido companheiro dele na campanha eleitoral de 2010, já que havia pagado todo o marketing de sua campanha de governo no valor de R$ 2,5 milhões”, disse.

Em razão da determinação, o ex-secretário afirmou que não teve outra saída, a não ser assinar o documento “beneficiando o Grupo Cervejaria Petrópolis com a possibilidade pleiteada de a empresa poder beneficiar grãos em outro Estado da federação, obtendo ainda os mesmos incentivos recebidos aqui no Estado de Mato Grosso”.

Retratação de Eder

Ainda segundo Nadaf, em 2014, Silval Barbosa lhe contou que iria passar na casa de Oto Medeiros de Azevedo Júnior, advogado da cervejaria, para pegar R$ 500 mil, valor que seria usado para pagar parte de uma dívida com o ex-secretário Eder Moraes.

“Acredito que essa dívida se tratava de um acordo que Silval Barbosa tinha feito com Eder de Moraes Dias ,para que este se retratasse dos depoimentos que havia prestado ao Ministério Público, no qual delatava várias autoridades do Governo Silval Barbosa e Blairo Maggi, por esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro”, disse.

O acordo para a retratação de Eder foi confessado pelo próprio Silval em sua delação.

O ex-governador disse que ele e Blairo Maggi concordaram em pagar R$ 6 milhões a Eder, para que este “retirasse” as acusações que fez a ambos em 2014, quando tentou negociar um delação com o Ministério Público Estadual (MPE).

Leia mais sobre o assunto:

Em troca de incentivo, Silval diz ter recebido R$ 2 mi de cervejaria

Nadaf narrou 48 crimes e citou ministro, deputados e ex-Casa Civil


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 08h45 » Nadaf: crédito fiscal à Concremax quitou dívida de Chico Daltro
10.12.17 15h20 » STF reserva julgamentos polêmicos para semana pré-recesso
09.12.17 11h07 » STF mantém sessão da Assembleia que aprovou Plano Plurianual
08.12.17 15h00 » Nadaf diz que ajudou Malouf a tentar “vender facilidades” na atual gestão
07.12.17 08h34 » Ministro do STF libera Andrea Neves de prisão domiciliar
07.12.17 08h34 » Fux nega novo recurso e mantém afastamento de Sérgio Ricardo
06.12.17 14h19 » Conselheiro pede que Rolex informe dados para recurso no STF
05.12.17 10h40 » STF barra acesso de ex-executivo de banco a inquérito sigiloso
04.12.17 11h10 » Fux afirma que Novelli não provou origem lícita e nega devolução
04.12.17 09h34 » Por 9 votos a 2, STF mantém Sérgio Ricardo afastado do TCE-MT



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet