Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    O habeas corpus protocolado em favor do ex-presidente Lula começou juridicamente errado
STF / UBER E CABIFY

Tamanho do texto A- A+
22.09.2017 | 19h11
Ministro Barroso defende repercussão geral de ação contra aplicativos
O caso está em análise pelos ministros no Plenário Virtual da corte
Divulgação
O aplicativo Uber, na mira do Supremo
MATHEUS TEIXEIRA
DO CONSULTOR JURÍDICO

A insegurança jurídica em relação aos serviços de transporte individual de passageiro por meio de aplicativos como Uber e Cabify tem produzido verdadeiro caos social, político e econômico. Com esse argumento, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, manifestou-se pelo reconhecimento de repercussão geral no julgamento sobre a constitucionalidade da proibição do serviço.

Trata-se de um recurso extraordinário interposto pela Câmara Municipal de São Paulo contra decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo pela inconstitucionalidade de uma lei municipal que proibiu o Uber e similares. O TJ-SP entendeu que a legislação paulistana proíbe uma atividade privada, em afronta aos princípios da livre iniciativa e da razoabilidade.

Para Barroso, apesar de o Código de Processo Civil prever a repercussão geral para impugnação de acórdão contra lei federal, a celeuma em torno de diversas leis que proíbem ou regulamentam o transporte individual remunerado de passageiros país afora atribuem abrangência nacional à controvérsia. Assim, cabe ao STF analisar o caso para uniformizar a questão constitucional, sustentou o ministro.

A Procuradoria-Geral da República opinou pelo desprovimento do recurso e afirmou que o serviço é diferente do realizados por taxistas. Além disso, classificou a legislação paulistana como incompatível com o princípio da livre iniciativa. O caso está em análise pelos ministros no Plenário Virtual da corte. 

Em seu despacho, Barroso defende a livre iniciativa como um dos fundamentos do Estado brasileiro: "É, em realidade, uma expressão da ideia geral de liberdade e assegura, como regra geral, que as pessoas sejam livres para suas escolhas existenciais e profissionais".

Ele ponderou, no entanto, que esse princípio não tem caráter absoluto. “A ordem econômica constitucional é igualmente orientada pelos princípios da proteção do consumidor e da livre concorrência. Esses princípios legitimam intervenções estatais na economia para correção de falhas de mercado, seja para tutelar direitos do consumidor, seja para preservar condições de igualdade de concorrência”, considerou.

Assim, a depender da interpretação, a restrição aos aplicativos de transporte individual poderiam se justificar para afastar a concorrência desleal com taxistas ou mesmo para imposição de padrão de segurança ao serviço.

A falta de uniformização quanto à juridicidade da exploração dessa atividade, anotou Barroso, impulsionou sucessivos protestos envolvendo taxistas, marcados, inclusive, por atos de violência e de desordem urbana.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2018
13.07.18 17h08 » Presidente do STF não vê urgência e nega HC a empresário
06.07.18 12h42 » STF tenta acordo sobre repasse de recursos de loteria à segurança
06.07.18 12h27 » Cármen Lúcia proíbe que União bloqueie R$ 575 milhões das contas do RJ
06.07.18 12h23 » Toffoli suspende lei que proíbe abordagem sobre gênero
02.07.18 16h27 » Ministra do Supremo nega pedido de liberdade de Mauro Savi
Junho de 2018
29.06.18 17h20 » Alexandre de Moraes nega novo pedido de liberdade de Lula
29.06.18 16h27 » Ministro do Supremo libera porte de arma para guardas municipais
29.06.18 16h23 » STF deve decidir em agosto se filhos podem ser alfabetizados
29.06.18 16h19 » Supremo decide que imposto sindical não é obrigatório
28.06.18 15h19 » Fachin libera para o plenário do Supremo pedido de liberdade de Lula



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet