Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    A lei garante à gestante o direito de pleitear do futuro pai os alimentos que sejam necessários durante a gravidez
  • RENATA MORAES
    Está mais do que na hora de extirparmos de nossas cabeças que o trabalhador não tem noção de seus direitos
STF / OPERAÇÃO DA PF

Tamanho do texto A- A+
14.09.2017 | 10h56
STF afasta cinco conselheiros do TCE; expediente foi suspenso
Silval acusou José Novelli a cobrar R$ 53 milhões para ratear com mais quatro conselheiros
MidiaNews
Os conselheiros Valdir Teis, Antonio Joaquim, José Novelli, Valter Albano e Sérgio Ricardo: alvos da PF
DA REDAÇÃO

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o afastamento de cinco conselheiros do Tribunal de Contas do Estado: Antônio Joaquim, José Carlos Novelli, Valter Albano, Sérgio Ricardo e Valdir Teis.

Eles também são alvos de busca e apreensão, suspeitos de receberem dinheiro de propina do ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

A Polícia Federal continua a cumprir mandados de busca e apreensão nos gabinetes dos conselheiros; os funcionários do TCE-MT foram dispensados do expediente.

A expectativa é que os agentes continuem na sede do TCE-MT até o final da manhã.

Em delação premiada, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) acusou o conselheiro José Carlos Novellli, do Tribunal de Contas do Estado, de pedir R$ 53 milhões em propina, em 2012, para não prejudicar o andamento de obras do programa MT Integrado, de pavimentação de rodovias.

Em delação homologada pelo STF, Silval disse que o dinheiro seria dividido entre Novelli e os quatro conselheiros que são alvos da PF nesta quinta.

Segundo o ex-governador, o conselheiro exigiu a assinatura de 36 notas promissórias, como garantia do pagamento da propina.

De acordo com o que relatou ao Ministério Público Federal, a propina aos conselheiros seria paga por meio de contratos do Governo com a empresa Gendoc Sistemas e Empreendimentos Ltda.

Apenas um dos contratos com a empresa era no valor de R$ 50 milhões, e tinha como objeto a digitalização, arquivamento e acondicionamento de documentos, como publicações no Diário Oficial do Estado.

Silval relatou que entre R$ 15 milhões e R$ 20 milhões teriam sido pagos em propina pela Gendoc - outros R$ 15 milhões foram pagos a partir de uma desapropriação no bairro Renascer, em Cuiabá.

O ex-governador disse ainda que a negociação com o TCE-MT teria sido intermediada pelo ex-secretário da Casa Civil, Pedro Nadaf, e pelo deputado federal Carlos Bezerra (PMDB), que também teriam recebido propina. Bezerra teria recebido R$ 1 milhão no esquema.

Silval disse que 2014 houve atraso nos pagamentos das propinas e o conselheiro Sérgio Ricardo, atualmente afastado do TCE-MT, paralisou as obras.

O ex-governador teria prometido que o restante da propina seria pago aos conselheiros até o final de 2014, por meio de uma suplementação no duodécimo ao Tribunal de Contas.

Segundo ele, na decisão que paralisou as obras, o conselheiro apontou irregularidades no MT Integrado e, em seguida, foi feito um TAC para o reinício das obras.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
24.02.18 10h02 » Ministro do STF quebra sigilo bancário da empresa de secretário de MT
24.02.18 09h48 » STF decide sobre fim do foro privilegiado até o final de março
23.02.18 17h58 » Governo do Estado paga “dívida” e escapa de intervenção federal
23.02.18 14h36 » Será 'entre ruim e trágico' se o STF reverter prisão após 2ª instância, diz Barroso
22.02.18 09h39 » Na pauta do STF, ação sobre auxílio-moradia começa a ser instruída agora
21.02.18 10h12 » Ministro nega pedido de Emanuel para cancelar delação de Silval
21.02.18 10h11 » STF concede HC coletivo a todas as presas grávidas e mães de crianças
20.02.18 17h54 » Ministro do STF manda transferir 2 travestis para presídio feminino
15.02.18 15h02 » Ex-assessor de Silval pede ao STF para sair da prisão domiciliar
15.02.18 09h12 » Competência para julgar caso Cristiane Brasil é do Supremo



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet