Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
STF / RECURSO ERRADO

Tamanho do texto A- A+
06.09.2017 | 08h55
Ministro do STF mantém redução da pensão vitalícia de Bezerra
Fachin afirmou que STJ é o órgão competente para recurso; deputado recebe R$ 11,5 mil de pensão
Alair Ribeiro/MidiaNews
O deputado Carlos Bezerra, que não conseguiu aumentar valor de pensão
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento a um recurso do deputado federal Carlos Bezerra (PMDB) e, com isso, manteve a redução na pensão vitalícia que ele recebe por ter sido ex-governador do Estado.

A decisão foi dada no dia 31 de agosto. Fachin justificou que o recurso do parlamentar deveria ter sido interposto no Superior Tribunal de Justiça (STJ), e não no STF.

O peemedebista, além do vencimento mensal de R$ 33,7 mil, em razão da atividade parlamentar, recebe uma pensão de R$ 11,5 mil, referente ao período em que governou Mato Grosso, entre 1987 e 1990.

No entanto, somados os pagamentos -  que totalizaria uma remuneração bruta de R$ 45,2 mil mensais -  os valores ultrapassam o teto constitucional do funcionalismo público, que é de R$ 33,7 mil.

No recurso, Bezerra pretendia anular o ato da Secretaria de Estado de Administração que, em 2007, reduziu de R$ 22,1 mil para R$ 11,5 mil o valor de sua pensão especial.

A redução ocorreu porque a pensão, somada ao salário de deputado, ultrapassava o teto do funcionalismo público.

Porém, Bezerra argumentou que, como governou o Estado entre 1987 a 1991, quando ainda vigorava a antiga Constituição Estadual de 1967, teria direito a receber a pensão especial “com proventos equiparados aos de Desembargador do Tribunal de Justiça, cujo teto salarial foi estabelecido na Lei Complementar n.º 242/2006 em R$ 22.111,25”.

Ainda em 2007, o Tribunal de Justiça, por maioria, acatou o pedido do deputado e determinou que fosse fixado a Bezerra a pensão no valor dos subsídios pagos aos desembargadores, sem aplicação do teto salarial do Poder Executivo.

O Estado recorreu desta decisão junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e, em 2014, o ministro Ricardo Lewandowski suspendeu a decisão até que a Corte firmasse um entendimento sobre o tema.

Por sua vez, o Supremo definiu que o limite remuneratório não pode ultrapassar o teto do funcionalismo público (R$ 33,7 mil), ainda que a pensão tenha sido adquirida em regime legal anterior, que é o caso de Bezerra.

Em razão de a decisão do STF ter sido contrária ao que havia decidido o TJ-MT, o caso voltou ao tribunal para que fosse julgada uma possível retratação da decisão.

Neste novo julgamento, realizado em agosto de 2015, a Turma de Câmaras Cíveis e Reunidas de Direito Público e Coletivo do TJ-MT negou a ação de Bezerra e manteve o valor da pensão em R$ 11,5 mil.

Contra esta decisão, o parlamentar insistiu com um recurso extraordinário, que visava levar o caso para julgamento no STF. Ainda em 2015, a então vice-presidente do TJ-MT, desembargadora Clarice Claudino, barrou o recurso.

Porém, ele interpôs mais um recurso no próprio STF para que fosse permitido que aquela Corte analisasse o caso.

Recurso errado

Para o ministro Edson Fachin, responsável pelo recurso no STF, a medida interposta por Bezerra não foi adequada.

“In casu, o Recorrente interpõe recurso extraordinário em face de acórdão proferido que, em primeira instância, indeferiu mandado de segurança, quando o inconformismo deveria ser manifestado por meio do recurso ordinário, competência recursal do E. Superior Tribunal de Justiça”.

Desta forma, o magistrado explicou que a súmula 272 do STF impede que a Corte analise este tipo de medida.

“Não se admite como ordinário recurso extraordinário de decisão denegatória do mandado de segurança. Ante o exposto, nego seguimento ao recurso”, decidiu.

Leia mais sobre o assunto:

Juíza manda reter R$ 11,5 mil de salário de deputado de MT

Tribunal barra recurso para elevar pensão vitalícia de ex-governador

TJ nega pedido de Bezerra para elevar pensão vitalícia

Supremo restabelece pagamento de salários a ex-governadores

Juíza nega adiar fim de pensão a ex-governador de MT 

Zuquim nega pensão e sugere SUS a ex-governador

Ex-governador diz que decisão do TJ é "infundada e maldosa"

Justiça mantém suspensão de pensão vitalícia a ex-governador

Justiça suspende pensão vitalícia de ex-governadores de MT


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 08h45 » Nadaf: crédito fiscal à Concremax quitou dívida de Chico Daltro
10.12.17 15h20 » STF reserva julgamentos polêmicos para semana pré-recesso
09.12.17 11h07 » STF mantém sessão da Assembleia que aprovou Plano Plurianual
08.12.17 15h00 » Nadaf diz que ajudou Malouf a tentar “vender facilidades” na atual gestão
07.12.17 08h34 » Ministro do STF libera Andrea Neves de prisão domiciliar
07.12.17 08h34 » Fux nega novo recurso e mantém afastamento de Sérgio Ricardo
06.12.17 14h19 » Conselheiro pede que Rolex informe dados para recurso no STF
05.12.17 10h40 » STF barra acesso de ex-executivo de banco a inquérito sigiloso
04.12.17 11h10 » Fux afirma que Novelli não provou origem lícita e nega devolução
04.12.17 09h34 » Por 9 votos a 2, STF mantém Sérgio Ricardo afastado do TCE-MT



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet