Artigos
  • SÂMYA SANTAMARIA E CLAUDINÉIA SIMON
    Se o seu tataravô praticou um dano ambiental na área rural que agora é de sua propriedade, você irá responder pelo dano
STF / ELEIÇÃO DE 2010

Tamanho do texto A- A+
06.09.2017 | 08h18
Silval diz que deu R$ 1 mi para Maluf não apoiar colega de sigla
Pagamento teria sido feito por meio da quitação ilegal de cartas de crédito na Secretaria de Fazenda
Marcus Mesquita/MidiaNews
O deputado estadual Guilherme Maluf, citado na delação premiada de Silval Barbosa
DOUGLAS TRIELLI
DA REDAÇÃO

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) afirmou que deu aval para a Secretaria de Fazenda fazer um pagamento irregular de cartas de crédito a fim quitar uma dívida com o deputado estadual Guilherme Maluf (PSDB) em 2011.

O dinheiro seria uma forma de compensar o tucano pela decisão de não apoiar a candidatura de Wilson Santos (PSDB) ao Governo do Estado, no ano anterior.

A acusação foi feita pelo ex-governador em delação premiada firmada com a Procuradoria-Geral da República (PGR), homologada no dia 9 de agosto pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo Silval, Maluf o procurou no Palácio Paiaguás, em 2011, com uma proposta para que ele quitasse a dívida de R$ 1 milhão. O delator disse que o débito era referente a um pacto entre ambos para que o tucano não apoiasse o correligionário Wilson Santos.

Em 2010, Silval concorreu à reeleição, enfrentando Wilson e Mauro Mendes.

“Guilherme também se comprometeu em efetuar o pagamento de uma dívida que o declarante [Silval Barbosa] tinha com a então deputada federal Thelma de Oliveira, vez que o declarante passou a ela um cheque no valor de R$ 500 mil emitido pelo empresário Wanderley Fachetti que não foi compensado em razão de insuficiência de fundo”, disse Silval na delação.

Que o declarante concordou com tal proposta, determinando ao secretário da época, acreditando ser a pessoa de Edmilson

A proposta do tucano seria, de acordo com o delator, que ambos os débitos poderiam ser adimplidos mediante pagamento de cartas de créditos pela Secretaria de Fazenda, expedidas em nome de um servidor aposentado.

O nome do servidor não é citado, mas, segundo Silval, as cartas totalizavam mais de R$ 1,7 milhão.

De acordo com Silval, Maluf afirmou que o 'retorno' das cartas de crédito seria superior a R$ 1 milhão. O então governador concordou com o pedido.

“Que o declarante concordou com tal proposta, determinando ao secretário da época, acreditando ser a pessoa de Edmilson [José dos Santos], que realizasse o pagamento de referidas cartas de crédito, as quais foram efetivamente pagas pelo Estado. Que na época do pagamento das mencionadas cartas, o declarante tomou conhecimento por meio de Guilherme e de Wanderley Fachetti, que a carta de crédito foi paga pela Sefaz sem a observância dos procedimentos internos disciplinados para o pagamento das cartas de crédito”, afirmou.

“Que o declarante acredita que o nome de Guilherme Maluf não apareça na transação da carta de crédito, pois deve ter procurado a intermediação de algum advogado, acreditando que tenha sido Ocimar Carneiro”, completou.

Outro lado

Por meio de nota, o deputado estadual Guilherme Maluf classificou de "levianas" e "infundadas" as acusações do ex-governador. Disse que nunca pediu qualquer "vantagem indevida" a Silval.

Veja a íntegra da nota:

"Acerca de delação do ex-governador Silval Barbosa, o deputado estadual Guilherme Maluf esclarece que:

- Nunca solicitou ou recebeu qualquer vantagem indevida.

- As acusações do ex-governador Silval Barbosa são levianas e infundadas, feitas com o único objetivo de escapar da prisão.

- Está à disposição para quaisquer esclarecimentos e confia na Justiça, que restabelecerá a verdade dos fatos."


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
19.06.18 08h53 » Ministra do STF nega pedido de soltura de ex-chefe da Casa Civil
15.06.18 11h47 » Lava Jato ganhou projeção exagerada e indevida, diz Gilmar Mendes
14.06.18 17h30 » STF proíbe condução coercitiva de réus e investigados para depoimento
14.06.18 15h33 » 2ª Turma do STF julgará recurso de Lula sobre áudios da Lava Jato
12.06.18 17h44 » STF decide que denúncia contra Blairo vai tramitar na 1ª Instância
12.06.18 10h32 » Ministro “desce” inquérito contra Ezequiel para Justiça Estadual
11.06.18 17h40 » Justiça e Estado não funcionam bem sem imprensa livre, diz Cármen Lúcia
08.06.18 17h56 » Ministro do STF aplica multa de R$ 506 milhões a 46 empresas
07.06.18 16h34 » Gilmar Mendes vota pela proibição da condução coercitiva
07.06.18 16h29 » Edson Fachin nega quebra de sigilo telefônico de Michel Temer



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet