Artigos
  • RODRIGO MESQUITA
    A propaganda pela reforma contrapõe o "velho" ao "moderno", como se leis antigas se tornassem ruins pelo mero decurso do tempo
  • AUREMÁRCIO CARVALHO
    A delação passa a ser considerada como prova quando o delator incrimina um terceiro e prova suas afirmações
  • VICTOR MAIZMAN
    O certo é que não seria possível deixar qualquer autoridade imune de qualquer forma de controle quanto a seus atos
  • GISELE NASCIMENTO
    Parece-me apressada e inadequada, neste momento histórico, a pretendida implantação de recall presidencial
STF / CALÚNIA E DIFAMAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
10.04.2017 | 11h59
Ministro arquiva inquérito contra deputado Marco Feliciano
Decisão acolheu proposta do Ministério Público Federal
Reprodução
Ministro Celso de Mello ressalvou, no entanto, a possibilidade de reabertura das investigações
DA ASSESSORIA

O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, acolheu proposta do Ministério Público Federal (MPF) e determinou o arquivamento do Inquérito (INQ) 3646, instaurado contra o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) em razão de suposta prática de crimes contra a honra (calúnia, difamação e injúria) e, também, do delito de peculato.

O ministro ressalvou, no entanto, nos termos do artigo 18 do Código de Processo Penal (CPP), a possibilidade de reabertura das investigações penais, desde que haja provas substancialmente novas e que não se tenha ainda consumado a extinção da punibilidade do parlamentar.

Segundo o ministro Celso de Mello, não cabe ao STF recusar pedido de arquivamento proposto pelo procurador-geral da República. No caso, o procurador-geral em exercício, José Bonifácio Borges de Andrada, entendeu não ter ocorrido a presença de elementos essenciais e autorizadores da formação da existência dos crimes e de sua autoria.

Em relação ao delito de calúnia, o decano assentou que o MPF, com fundamento em precedentes do Supremo, observou “que não houve imputação [falsa] de fato certo e determinado definido como infração penal”, de tal modo que, “ausente esse elemento do tipo, afasta-se a configuração do delito tipificado no artigo 138 do Código Penal”.

Relativamente aos delitos de difamação e de injúria, o procurador-geral reconheceu que já se consumou a extinção da punibilidade do deputado. O MPF também concluiu inexistirem indícios suficientes da prática de crime de peculato, motivo pelo qual reconhece que, “passados quase quatro anos desde sua instauração e realizadas diversas diligências, os autos revelam-se desprovidos de subsídios que possam justificar a continuidade das investigações quanto ao delito em comento”.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2017
28.06.17 16h21 » 'Não podemos ficar impedidos de analisar acordo', diz Gilmar Mendes
23.06.17 14h46 » 'Não se pode demonizar a política', afirmou ministro relator da Lava Jato
23.06.17 14h36 » Jato da FAB que conduzia Gilmar Mendes ao Pará volta a Brasília
14.06.17 09h24 » Instituto de Gilmar Mendes recebeu R$ 2,1 mi da J&F
08.06.17 08h37 » Supremo definirá se nova eleição é precedente para caso Temer
08.06.17 08h32 » TSE e Supremo terão sessões ao mesmo tempo nesta quinta-feira
07.06.17 17h21 » STF absolve Leitão por suposto prejuízo de R$ 2,9 milhões
Maio de 2017
29.05.17 09h20 » Defensoria quer proibição de prisão de quem não pode pagar fiança
29.05.17 09h10 » De cada três leis, duas foram julgadas inconstitucionais pelo STF
26.05.17 18h13 » Gilmar Mendes acusa Rodrigo Janot de atacar sua família



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet