Artigos
  • RENATO NERY
    Não é sem motivo que se tornou um grande jornalista. Não sei se ele perseguia as notícias ou se estas o perseguiam
  • LEOMAR DARONCHO
    A “Reforma” não toca na questão do aperfeiçoamento e das possibilidades da efetiva atuação sindical
STF / REFORMA NA PREVIDÊNCIA

Tamanho do texto A- A+
06.04.2017 | 11h34
STF libera propagandas sobre reforma da Previdência
AGU argumenta que campanha objetiva esclarecer sociedade sobre situação financeira da Previdência Social
STF
Decisão liminar foi proferida pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia
DO ISTOÉ

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, concedeu uma liminar (decisão provisória) que autoriza o governo federal a voltar a veicular propagandas sobre a reforma da Previdência.


No dia 15 de março, a juíza Marciane Bonzanini, da 1ª Vara Federal de Porto Alegre, atendeu a um pedido de nove sindicatos do Rio Grande do Sul e determinou a suspensão das propagandas, sob o argumento de que não tinham “caráter educativo, informativo ou de orientação social, como exige a Constituição”. A juíza fixou multa diária de R$ 100 mil em caso de descumprimento.


A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu no dia seguinte ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) argumentando que a campanha publicitária tem como objetivo esclarecer a sociedade sobre a situação financeira da Previdência Social e a necessidade da reforma.


“A divulgação de publicidade institucional destinada a chamar a atenção para tema relevante a ser discutido por toda a sociedade, mais do que um direito, é um dever dos poderes constituídos”, justificou a AGU. Nas peças publicitárias, a reforma da Previdência é apresentada como imprescindível para garantir as aposentadorias no futuro.
No recurso, a AGU destacou que a Previdência encerrou o exercício financeiro de 2016 com déficit de R$ 140 bilhões e que as mudanças serão necessárias diante da projeção de envelhecimento da população brasileira.


O TRF4, no entanto, manteve a suspensão das propagandas do governo federal, motivo pelo qual a AGU recorreu ao STF.


Em sua decisão, Cármen Lúcia escreveu que “a suspensão da campanha publicitária institucional levada a efeito pelo Governo Federal sobre a reforma da Previdência, especialmente quando os debates do Parlamento já foram há muito iniciados, importa risco de grave lesão à ordem pública administrativa, por subtrair da Administração Pública os meios necessários para divulgação da proposta de reforma, sua motivação e repercussões.”


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2017
23.06.17 14h46 » 'Não se pode demonizar a política', afirmou ministro relator da Lava Jato
23.06.17 14h36 » Jato da FAB que conduzia Gilmar Mendes ao Pará volta a Brasília
14.06.17 09h24 » Instituto de Gilmar Mendes recebeu R$ 2,1 mi da J&F
08.06.17 08h37 » Supremo definirá se nova eleição é precedente para caso Temer
08.06.17 08h32 » TSE e Supremo terão sessões ao mesmo tempo nesta quinta-feira
07.06.17 17h21 » STF absolve Leitão por suposto prejuízo de R$ 2,9 milhões
Maio de 2017
29.05.17 09h20 » Defensoria quer proibição de prisão de quem não pode pagar fiança
29.05.17 09h10 » De cada três leis, duas foram julgadas inconstitucionais pelo STF
26.05.17 18h13 » Gilmar Mendes acusa Rodrigo Janot de atacar sua família
26.05.17 18h08 » Fachin pede redistribuição de inquérito sobre caixa dois de deputado



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet