Artigos
  • FRANCISCO BRITO JUNIOR
    Os partidos pequenos precisam traçar estratégias para continuar sua existência por meio de registro de candidatos com força eleitoral
  • ANTONIO SÉRGIO PITOMBO
    Este tipo de profissional do Direito engana a si mesmo e a seus clientes
  • JOSÉ RENATO CORDOVEZ
    MT e outros Estados erraram ao instituir tarifas sobre a base de cálculo da energia elétrica
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Depois de uma devastadora recessão econômica e uma série de instabilidades políticas, vivemos uma ressaca dramática
STF / NO STF

Tamanho do texto A- A+
12.02.2017 | 14h43
Decisão de ministro sobre Moreira Franco pode sair na segunda
Caso chegou ao Supremo por meio de ações da Rede Sustentabilidade e PSOL
Reprodução
Moreira Franco: Legalidade quanto a nomeação de ministro da Secretaria-Geral da Presidência
DA FOLHAPRESS

A legalidade da nomeação de Moreira Franco como ministro da Secretaria-Geral da Presidência pode ser decidida nesta segunda-feira (13) pelo ministro Celso de Mello, relator do caso no STF (Supremo Tribunal Federal).


Na noite da última quinta (9), o decano do Supremo deu prazo de 24 horas para que o presidente da República, Michel Temer, prestasse esclarecimento sobre a nomeação. No dia seguinte, Temer respondeu dizendo que não houve "má intenção" em nomear Moreira Franco.


Com a resposta do Palácio do Planalto na noite de sexta, uma decisão de Celso de Mello pode sair a qualquer momento. No STF, a perspectiva é que o ministro decida algo já nesta segunda.


No esclarecimento enviado à Corte, Temer diz que não houve "qualquer má intenção do Presidente da República em criar obstruções ou embaraços à Operação Lava Jato".


Moreira Franco, que com a nomeação passa a ter prerrogativa de foro por função junto ao STF, foi citado em delação da Odebrecht na Operação Lava Jato. A delação foi homologada no dia 30 de janeiro e Moreira passou a ter foro como ministro no dia 2 fevereiro de 2017.


Em 2016, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi nomeado ministro da Casa Civil pela então presidente Dilma Rousseff depois de ter sido alvo de condução coercitiva, o que gerou uma guerra de decisões judiciais similar a que aconteceu após a nomeação de Moreira Franco.


O governo Temer, no entanto, diz que as situações são diferentes.


'As provas usadas contra o ex-presidente Lula, à época, tinham a presunção de validade, visto que autorizadas por ordem judicial', diz a AGU no documento enviado ao STF.


'O ministro Moreira Franco já era alta autoridade governamental e responsável pelo principal programa de investimentos do Brasil', acrescenta o Planalto. 'O ministro Moreira Franco não tem condenação judicial criminal transitada em julgado, nem é sequer réu em processo penal, que impeça a sua nomeação para cargos públicos.'


A nomeação do peemedebista gerou uma guerra de liminares.


Na quinta (9), a Justiça Federal do Rio anulou a nomeação de Moreira Franco. Na decisão, a juíza Regina Coeli Formisano cita 'ensinamentos' do presidente Michel Temer como constitucionalista para fundamentar a liminar.


A decisão foi alterada pelo juiz federal convocado Alcides Martins Ribeiro Filho do TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região). O tribunal decidiu manter a eficácia do ato de nomeação, mas sem direito à prerrogativa do foro privilegiado. O mérito da questão deverá ser julgado na próxima sessão do órgão colegiado.


Outras duas liminares foram derrubadas pelo TRF-1. Primeiro, a Justiça no Distrito Federal suspendeu a nomeação de Moreira Franco. O juiz da 14ª Vara Federal do Distrito Federal, Eduardo Rocha Penteado, determinou na quarta-feira (8) a suspensão dos efeitos do ato do presidente Temer na nomeação do peemedebista.


Na quinta (9), o Tribunal Regional Federal da 1ª Região derrubou a decisão da Justiça no Distrito Federal. Depois, a Justiça do Amapá concedeu uma nova liminar suspendo a posse de Moreira Franco para a Secretaria-Geral da Presidência. O Tribunal Regional Federal da 1ª Região também derrubou a decisão da Justiça do Amapá. A decisão de um tribunal não se sobrepõe à de outro.


O caso chegou ao Supremo por meio de duas ações protocoladas pelos partidos Rede Sustentabilidade e PSOL.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
15.02.18 15h02 » Ex-assessor de Silval pede ao STF para sair da prisão domiciliar
15.02.18 09h12 » Competência para julgar caso Cristiane Brasil é do Supremo
13.02.18 09h22 » Toffoli defende tributação do empregador sobre o terço de férias
13.02.18 08h22 » STF deve restringir uso de auxílio-moradia por juízes
09.02.18 17h53 » Ministro Luiz Fachin nega pedido de Lula para evitar prisão
09.02.18 17h47 » Ministra diz que Judiciário tem 'débito enorme com a sociedade'
08.02.18 14h41 » Sérgio Côrtes deixa presídio no Rio após decisão do STF
07.02.18 17h27 » Supremo decide que planos de saúde reembolsem o SUS
06.02.18 16h09 » Turma do Supremo determina prisão imediata após 2ª instância
06.02.18 15h22 » Hoje pratica-se a regra da prisão provisória definitiva, critica Gilmar Mendes



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet