Artigos
Enquetes

Você acha que a Lava Jato corre o risco de ser inviabilizada pela lentidão da Justiça?

  • Sim
  • Não
Sexta, 10 de fevereiro de 2017, 14h09

Tamanho do texto A- A+
STF / “MÁFIA DAS GRÁFICAS”
STF concede mais 90 dias para investigar deputado de MT
Ezequiel Fonseca é acusado de ter recebido um cheque de R$ 35 mil, provenientes da gráfica Defanti
Marcus Mesquita/MidiaNews
O deputado Ezequiel Fonseca, suspeito de ter participado da "Máfia das Gráficas"
ANA FLÁVIA CORRÊA
DA REDAÇÃO

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu mais 90 dias para a conclusão da investigação contra o deputado federal Ezequiel Fonseca (PP-MT), suspeito de ter participado da “Máfia das Gráficas”, na Assembleia Legislativa.

A decisão é do dia 1º de fevereiro deste ano e atendeu pedido da Polícia Federal.

O Ministério Público Estadual (MPE) apontou que o deputado recebeu um cheque de R$ 35 mil proveniente da Defanti Gráfica e Editora, por meio da conta bancária de sua cunhada, Rosilene de Fátima Basso, em outubro de 2012.

Por conta da prerrogativa de deputado federal, a denúncia contra Fonseca e sua cunhada está sob responsabilidade do STF, que abriu investigação em 25 de agosto de 2016.

“Considerando-se que pende de cumprimento a inquirição do Deputado Federal Ezequiel Ângelo Fonseca e de Rosilene de Fátima Basso, defiro o postulado e concedo o prazo de 90 dias para ultimação das diligências”, decretou Toffoli.

Considerando-se que pende de cumprimento a inquirição do Deputado Federal Ezequiel Fonseca e de Rosilene Basso, defiro o postulado e concedo o prazo de 90 dias para ultimação das diligências

“Máfia das gráficas”

De acordo com a ação, a “Máfia das Gráficas” agia sob o comando do então presidente da Assembleia, José Riva, que ordenava a realização do esquema por meio de licitação.

Em seguida, o então secretário-geral do Poder, Luiz Márcio Pommot, coordenaria o suposto esquema, que seria operado pelo empresário Jorge Luiz Defanti.

Era ele, segundo o MPE, quem definia os futuros vencedores de cada lote do pregão, a partir de propostas de preços pré-determinadas, junto a outros empresários do ramo gráfico que participavam do esquema.

O próximo passo, segundo a ação por improbidade do Ministério Público, era o recebimento do dinheiro. As notas fiscais eram pagas integralmente, mesmo sem os serviços terem sido prestados.

Do dinheiro recebido, os empresários devolveriam ao então deputado Riva 75% do valor – e ficavam com os 25% restantes. Isso significa, pelos cálculos do MPE, que R$ 28,3 milhões teriam sido devolvidos à Assembleia por meio do esquema.

Outro lado

Apesar da investigação, o deputado nega ter recebido o cheque proveniente da gráfica Defanti.

“Eu nunca recebi cheque ou tive algum tipo de negociação com essa empresa. Não conheço o pessoal da Defanti. Não entendi o porquê de fazerem essa ligação com a minha cunhada. Por isso, espero que seja tudo esclarecido”, afirmou o deputado, em outubro do ano passado.

Leia mais:

Alvo de inquérito no STF, deputado diz que não recebeu cheque

Justiça manda bloquear R$ 37 milhões de acusados de esquema


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2017
20.04.17 15h16 » STF recebe ação contra MP que prevê novas concessões
13.04.17 18h27 » MPF diz que Pagot agiu como "interlocutor" de propina a Maggi
13.04.17 08h45 » Fachin cobra julgamento de ação sobre doação de sangue
13.04.17 08h24 » Ministro libera vídeos com delações da Odebrecht
12.04.17 08h51 » Ministro liberta mães para garantir proteção a menores
12.04.17 08h41 » Blairo recebeu R$ 12 mi da Odebrecht, dizem delatores
11.04.17 08h54 » Negado mandado de segurança sobre desconto por greve no MPU
10.04.17 11h59 » Ministro arquiva inquérito contra deputado Marco Feliciano
06.04.17 17h50 » STF suspende aposentadoria a deputados de MT
06.04.17 11h34 » STF libera propagandas sobre reforma da Previdência



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet