Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
STF / 1º JULGAMENTO

Tamanho do texto A- A+
07.02.2017 | 14h55
STF mantém decisão de Teori da Lava Jato sem ministro
Decisão na 2ª turma foi unânime, acompanhando o novo relator, ministro Fachin
Nelson Jr/SCO/STF
DO MIGALHAS

A 2ª turma do STF, de forma unânime, manteve uma decisão agravada de Teori Zavascki ao julgar primeiro caso na turma sobre a Lava Jato após o falecimento do ministro.

 

O cerne da reclamação de João Claudio Genu foi a usurpação de competência, tendo em vista que o juízo da 13ª vara Federal havia suspendido as investigações, e ao mesmo tempo o procurador-Geral da República informou que não havia investigação na Corte Suprema em trâmite. Genu foi condenado na Lava Jato e está preso.

 

O novo relator, ministro Fachin, manteve a decisão agrava do ministro Teori que rechaçou o argumento de usurpação de competência nos seguintes termos:

“Embora tenham tramitado nesta Corte os Inquéritos 3.992, 3.999, 3.980 e 4.000, e ainda tramitem os Inquéritos 3.988 e 4.005, os fatos relacionados ao reclamante, alusivos a possível recebimento de vantagens indevidas, permanecem no juízo da 13ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Curitiba.”

De acordo com Fachin, o fato de Genu ser ouvido não lhe confere automaticamente a condição de investigado. “Encontro fortuito de elementos de informação não significa que foi alvo de investigação.”

 

O ministro Toffoli seguiu este entendimento afirmando: “Diligências que eventualmente tenham atingido esse reclamante não foram direcionadas diretamente a ele. E o próprio relator, saudoso ministro Teori, afirmou que ele não estava sob a supervisão deste Supremo.”

Também o ministro Lewandowski acompanhou a tese de ausência de usurpação de competência, destacando que Genu “não era objeto de investigação específica”. Na mesma linha foram os votos dos ministros Celso de Mello e Gilmar Mendes.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
11.12.17 08h45 » Nadaf: crédito fiscal à Concremax quitou dívida de Chico Daltro
10.12.17 15h20 » STF reserva julgamentos polêmicos para semana pré-recesso
09.12.17 11h07 » STF mantém sessão da Assembleia que aprovou Plano Plurianual
08.12.17 15h00 » Nadaf diz que ajudou Malouf a tentar “vender facilidades” na atual gestão
07.12.17 08h34 » Ministro do STF libera Andrea Neves de prisão domiciliar
07.12.17 08h34 » Fux nega novo recurso e mantém afastamento de Sérgio Ricardo
06.12.17 14h19 » Conselheiro pede que Rolex informe dados para recurso no STF
05.12.17 10h40 » STF barra acesso de ex-executivo de banco a inquérito sigiloso
04.12.17 11h10 » Fux afirma que Novelli não provou origem lícita e nega devolução
04.12.17 09h34 » Por 9 votos a 2, STF mantém Sérgio Ricardo afastado do TCE-MT



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet