Artigos
  • HÉLCIO CORRÊA
    Tanta tirania e distorção como falsa defesa da ordem jurídica. Aqui toda autocracia judicial tem custo alto e perigoso à democracia
  • VICTOR MAIZMAN
    É preciso que o empreendedor tenha conhecimento dos seus direitos assegurados não apenas na legislação, como na própria Constituição Federal
STF / 1º JULGAMENTO

Tamanho do texto A- A+
07.02.2017 | 14h55
STF mantém decisão de Teori da Lava Jato sem ministro
Decisão na 2ª turma foi unânime, acompanhando o novo relator, ministro Fachin
Nelson Jr/SCO/STF
DO MIGALHAS

A 2ª turma do STF, de forma unânime, manteve uma decisão agravada de Teori Zavascki ao julgar primeiro caso na turma sobre a Lava Jato após o falecimento do ministro.

 

O cerne da reclamação de João Claudio Genu foi a usurpação de competência, tendo em vista que o juízo da 13ª vara Federal havia suspendido as investigações, e ao mesmo tempo o procurador-Geral da República informou que não havia investigação na Corte Suprema em trâmite. Genu foi condenado na Lava Jato e está preso.

 

O novo relator, ministro Fachin, manteve a decisão agrava do ministro Teori que rechaçou o argumento de usurpação de competência nos seguintes termos:

“Embora tenham tramitado nesta Corte os Inquéritos 3.992, 3.999, 3.980 e 4.000, e ainda tramitem os Inquéritos 3.988 e 4.005, os fatos relacionados ao reclamante, alusivos a possível recebimento de vantagens indevidas, permanecem no juízo da 13ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Curitiba.”

De acordo com Fachin, o fato de Genu ser ouvido não lhe confere automaticamente a condição de investigado. “Encontro fortuito de elementos de informação não significa que foi alvo de investigação.”

 

O ministro Toffoli seguiu este entendimento afirmando: “Diligências que eventualmente tenham atingido esse reclamante não foram direcionadas diretamente a ele. E o próprio relator, saudoso ministro Teori, afirmou que ele não estava sob a supervisão deste Supremo.”

Também o ministro Lewandowski acompanhou a tese de ausência de usurpação de competência, destacando que Genu “não era objeto de investigação específica”. Na mesma linha foram os votos dos ministros Celso de Mello e Gilmar Mendes.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
18.10.17 16h59 » Desfecho do caso Aécio foi "absolutamente normal", afirma Gilmar Mendes
17.10.17 15h48 » Renosa deu R$ 100 mil para ajudar a pagar dívidas de Silval
17.10.17 14h01 » STF determina que votação sobre Aécio Neves será aberta
16.10.17 17h47 » Defesa: Perri confiou “cegamente” em “ouvir dizer” de criminoso
16.10.17 17h35 » Bosaipo nega venda de vaga no TCE e diz que vai acionar Nadaf
16.10.17 11h33 » Ex-secretário Paulo Taques entra com pedido de soltura no STF
16.10.17 09h35 » Nadaf muda versão e diz que “cadeirada” em Silval foi em SP
15.10.17 14h20 » “Luciane não queria receber de Silvio, e sim de mim”, diz Nadaf
12.10.17 13h00 » Fachin pede redistribuição de investigação sobre R$ 12 mi a Maggi
10.10.17 17h35 » Nadaf: ex-dono da City Lar pagou R$ 1 mi para ter isenção fiscal



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet