Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...
STF / GESTÃO TAQUES

Tamanho do texto A- A+
04.02.2017 | 18h00
Ministro do STF concede liminar e mantém a validade do PPA
Procurador Rogério Gallo cita segurança jurídica na execução do orçamento de 2017 pelo Estado
Reprodução
O ministro Luis Barroso, que concedeu liminar em favor do Estado
DO MIDIANEWS

O ministro Luis Barroso, do Supremo Tribunal Federal, concedeu uma liminar para a Procuradoria Geral do Estado (PGE) em que derrubou a decisão que havia tornado nula a sessão da Assembleia Legislativa que aprovou o Plano Plurianual 2016-2020 (PPA) do Governo Pedro Taques (PSDB).

O recurso da PGE foi protocolado no STF na última quarta (1) e assinado pelo procurador geral Rogerio Gallo e pelo procurador junto aos tribunais superiores, Lucas Dallamico Schwinden.

Na decisão, o ministro acatou a argumentação feita pela PGE-MT de que a ação não foi julgada na instância certa do TJ-MT. Com a determinação, a matéria voltará a ser discutida no Plenário do Tribunal de Justiça, agora com a participação de todos os desembargadores, e não apenas por uma Turma, como ocorreu anteriormente.

“Considerando portanto que não houve a devida observância à clausula da reserva de plenário. Já que o julgamento foi efetuado por órgão fracionário, está presente a fumaça do bom direito na alegação do descumprimento da Súmula Vinculante 10”, escreveu o ministro, em sua decisão.

Sobre o risco que a decisão de anular a sessão traria ao Estado de Mato Grosso, o ministro Luis Roberto Barroso apontou "que a manutenção dos efeitos do acórdão provocaria um indesejável estado de anomia (ausência de lei ou de regra ) relativo à execução orçamentária do ente federativo".

O procurador geral do Estado, Rogério Gallo, considerou a decisão do STF como “uma vitória extremamente relevante para a população porque dá segurança jurídica na execução do orçamento de 2017 pelo Estado, sem prejudicar qualquer política pública”.

Anulação

A sessão extraordinária que votou o PPA, realizada em outubro de 2015, havia saido anulada pelo Tribunal de Justiça (TJ-MT) em razão de “vícios formais” na votação. A decisão contrária ao governo atendeu a uma ação protocolada pelo deputado Zeca Viana (PDT).

O PPA traça estratégias de médio prazo e faz parte do conjunto de matérias orçamentárias que o Poder Executivo tem obrigação de apresentar e seguir, sendo as demais peças anuais, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA).

A ação

Na ação, o deputado Zeca Viana afirmou que no dia 13 de outubro de 2015 foi aberta sessão ordinária na Casa de Leis. Segundo ele, pouco depois a sessão foi encerrada por falta de quórum, sem iniciar a votação do PPA. 

Entretanto, segundo Zeca, no mesmo dia, um pouco mais tarde, o presidente em exercício, deputado Eduardo Botelho (PSB), deu início a uma sessão extraordinária, procedendo à votação de dois projetos de lei, dentre eles o PPA.

Para o parlamentar, a medida “feriu de morte as normas internas da Casa”.

Na decisão, a juíza convocada Vandymara Zanolo afirmou ser “notório” que a convocação da sessão extraordinária não respeitou as formalidades legais exigidas.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
16.11.17 11h38 » "É preciso corrigir os abusos", diz Gilmar Mendes sobre delações premiadas
15.11.17 08h25 » Fux determina que STJ investigue conselheiros e desmembra processos
15.11.17 08h01 » Deputado é investigado por gastos com "posto da propina" em MT
13.11.17 14h54 » STF retoma no dia 23 julgamento que pode limitar foro privilegiado
13.11.17 14h35 » Ministro arquiva procedimento sobre suposto “caixa 2” de Taques
13.11.17 14h22 » Nadaf diz que trouxe dados “mais valiosos” que Silval em ação
11.11.17 10h21 » Supremo julgará se teste físico de concurso pode ser adiado
09.11.17 16h41 » STF suspende julgamento sobre regras de terras quilombolas
09.11.17 16h23 » Ministro não vê calúnia e rejeita queixa de Juarez contra Leitão
08.11.17 16h01 » "Prender empresário corrupto é coisa de Estado de Direito", defende Barroso



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet