Artigos
STF / CONTROLE CONSTITUCIONAL

Tamanho do texto A- A+
13.01.2017 | 16h58
Ministro do STF nega suspensão de projetos de lei sobre cartórios
Ministro negou liminar de que buscava suspender trâmite no Congresso
Nelson Jr./SCO/STF
"Não existe previsão legal para o controle preventivo de constitucionalidade de projetos de lei"
DO CONSULTOR JURÍDICO

Não existe previsão legal para o controle preventivo de constitucionalidade de projetos de lei. Com esse entendimento, o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, negou liminar por meio da qual o deputado federal Waldir Soares de Oliveira (PSDB-GO) buscava suspender o trâmite de quatro proposições no Congresso Nacional que tratam da situação das serventias notariais e de registros.

No mandado de segurança, o deputado buscava garantir seu "direito líquido e certo de não deliberar sobre proposta de emendas à Constituição que não se compatibilizem com o processo legislativo constitucional e contra matérias que tendam a violar cláusulas pétreas”.

O ministro Dias Toffoli ressaltou que o STF tem jurisprudência reiterada no sentido de que, após a promulgação da Constituição Federal, é inconstitucional assumir cartórios e serviços extrajudiciais sem concurso público.

Porém, quanto ao pedido de liminar, o ministro afirmou que o STF possui entendimento no sentido de ser inadmissível, no sistema brasileiro, o controle jurisdicional preventivo de constitucionalidade material de projetos de lei, admitindo-se apenas a legitimidade de parlamentares para impetrar MS para coibir atos praticados no processo legislativo incompatíveis com as disposições constitucionais que o disciplinam.

Projetos contestados

  • A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 51/2015 (Senado Federal) convalida as delegações de atividades notariais e de registro feitas, com base em normas estaduais, no período entre a promulgação da Constituição Federal e o início da vigência da Lei dos Cartórios (Lei 8.935/1994);
  • O Projeto de Lei da Câmara (PLC) 80/2015 resguarda as remoções que obedeceram critérios das legislações estaduais;
  • A PEC 48/2015 (Senado Federal) garante a validação, após cinco anos, de qualquer ato administrativo benéfico com imperfeição jurídica em sua formulação, à exceção dos casos em que seja comprovada má-fé;
  • A PEC 255/2016 (Câmara dos Deputados) determina que, até a data da promulgação da emenda constitucional decorrente da proposta, os cartórios serão definitivamente assumidos pelos atuais substitutos, nomeados com base em legislação estadual, e assegura o direito à titularidade dos substitutos nomeados para cartórios sem concurso há mais de dois anos da data da vacância .

Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2017
10.07.17 10h20 » Gilmar Mendes dá mais 60 dias para PF concluir investigação sobre Aécio
10.07.17 10h16 » Cármen Lúcia nega pedido e mantém tramitação de denúncia contra Temer na CCJ
07.07.17 11h35 » Excluir reportagem que não seja manifestamente falsa é censura
01.07.17 16h10 » Ministro do STF manda investigar pagamentos de MT para Odebrecht
Junho de 2017
30.06.17 16h14 » Ministro manda soltar Rocha Loures; ex-assessor de Temer
30.06.17 10h53 » Ministro do STF libera retorno de Aécio ao Senado e nega pedido de prisão
29.06.17 16h31 » Benefícios podem ser revistos se delator não cumprir deveres, decide STF
29.06.17 08h33 » STF suspende eleição direta para governador do Amazonas
29.06.17 08h15 » Edson Fachin envia denúncia contra Michel Temer à Câmara
28.06.17 16h21 » 'Não podemos ficar impedidos de analisar acordo', diz Gilmar Mendes



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet