Artigos
  • MAURO VIVEIROS
    O delator estará sempre em melhores condições morais que os delatados, que costumam negar crimes contra evidências
  • VICTOR MAIZMAN
    Expediente traz insegurança jurídica, uma vez que sua edição gera efeitos, mesmo sendo provisória
STF / PEDIDO

Tamanho do texto A- A+
06.01.2017 | 14h28
Cunha pede ao STF que restitua seu mandato de deputado
Defesa alega que processo de cassação violou "devido processo constitucional legislativo"
J.Batista/Câmara
O ex-deputado Eduardo Cunha, que pediu ao STF que restitua seu mandato
DA FOLHAPRESS

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) entrou com um pedido no STF (Supremo Tribunal Federal) para que seja anulado o processo legislativo que culminou com sua cassação. Ele solicitou à Corte que seja proferida uma decisão imediata para lhe devolver o mandato. As informações são da Agência Brasil.

No dia 12 de setembro, os deputados aprovaram, por 450 votos a 10, um parecer do Conselho de Ética da Câmara que determinava a cassação de Cunha. Ele foi acusado de ter mentido na CPI da Petrobras, ao ter afirmado que não possuía contas no exterior.

No pedido, protocolado na quarta-feira (4), no STF, a defesa alega que o processo de cassação violou o "devido processo constitucional legislativo", por ter sido votado em plenário na forma de "parecer" e não de "projeto de resolução", que seria o instrumento adequado para a cassação de mandato de acordo com o regimento interno, argumentou Ricardo Afonso Branco Ramos Pinto, advogado de Cunha.

Segundo a defesa, a cassação de mandato não poderia se dar por votação de simples parecer, pois este "não é veículo processual apto a permitir o exercício dessa atribuição constitucional, na medida em que limita a manifestação do Plenário a uma vontade binária, aprovação ou rejeição".

O advogado de Cunha argumenta que por ter sido votado um parecer, não foi possível aos deputados, mesmo que quisessem, deliberar uma pena alternativa a Cunha, como ocorrido no caso do impeachment de Dilma Rousseff, que teve o mandato cassado, mas manteve seus direitos políticos.

A ação, que pede uma providência em caráter liminar (imediata e provisória), foi distribuída para a relatoria do ministro Ricardo Lewandowski, já responsável por analisar outras ações envolvendo o processo de cassação de Cunha. Devido ao recesso do STF, no entanto, caberá à presidente Cármen Lúcia analisar a necessidade de uma decisão imediata.

Eduardo Cunha encontra-se preso em Curitiba desde o dia 19 de outubro, no âmbito da Operação Lava Jato.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2017
17.08.17 10h45 » Ministro do STF: Silval confessou crimes de "todos os níveis"
16.08.17 15h08 » Mato Grosso não será indenizado por abrigar terras indígenas
15.08.17 16h01 » STF nega novo pedido de Maggi para acessar inquéritos sigilosos
13.08.17 07h56 » “Brasil está em crise sem tamanho porque ninguém cumpre a lei”
12.08.17 09h43 » Silval: ele e Maggi deram R$ 6 mi para Eder mudar depoimento
10.08.17 18h46 » Cármen Lúcia nega pedido de Aécio para ser julgado por Gilmar Mendes
10.08.17 18h39 » Fachin dá cinco dias para Janot se manifestar sobre pedido de Temer
10.08.17 08h59 » Ministro do STF homologa delação do ex-governador Silval
07.08.17 14h30 » Janot é o procurador 'mais desqualificado' da história, diz Gilmar Mendes
07.08.17 10h25 » Ministra do STF nega acesso de Maggi a investigações sigilosas



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet