Artigos
  • SÂMYA SANTAMARIA E CLAUDINÉIA SIMON
    Se o seu tataravô praticou um dano ambiental na área rural que agora é de sua propriedade, você irá responder pelo dano
  • IRAJÁ REZENDE DE LACERDA
    A relação dos indivíduos com a terra não estacionou na subsistência e tomou características econômicas
T. Superiores / CRIME GRAVE

Tamanho do texto A- A+
03.01.2018 | 16h39
Presidente do STJ nega pedido de prisão domiciliar para mãe acusada de homicídio
Ao negar o pedido de liminar, Laurita Vaz destacou os fundamentos da decisão do tribunal de origem
Divulgação/TSE
Ministra Laurita Vaz: presidente do Superior Tribunal de Justiça
DO CONSULTOR JURÍDICO

Acusadas de homicídio não devem ter o direito de aguardar o julgamento em prisão domiciliar só por terem filhos menores de 18 anos. Com esse entendimento, a presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministra Laurita Vaz, negou liminar em Habeas Corpus para substituir a prisão preventiva de uma mulher que tem dois filhos menores de idade.

Ela é acusada de, junto com outros denunciados por homicídio qualificado, atrair a vítima para uma casa no Rio de Janeiro, onde a mataram e esquartejaram, jogando os restos mortais em um rio. Ao fim, roubaram carro, celular e dinheiro.

No pedido de liminar em HC, a Defensoria Pública do Rio de Janeiro alegou que ela teria direito à substituição da prisão preventiva por domiciliar, em razão de ser mãe de um adolescente de 16 anos e de uma menina de dois.

Foi pontuado, ainda, que a avó não tem condições de cuidar da criança, pois além de cuidar de uma filha com retardo psíquico severo, também se dedica ao marido que sofreu um infarto.

Gravidade concreta

Ao negar o pedido de liminar, Laurita Vaz destacou os fundamentos da decisão do tribunal de origem, que entendeu não ter sido comprovada a imprescindibilidade dos cuidados da mãe em relação aos filhos, que possuem apoio familiar da avó materna, além de não ser razoável a concessão do benefício, em razão da gravidade concreta do crime.

A presidente não identificou abuso de poder ou manifesta ilegalidade na decisão que justificasse uma intervenção urgente. A controvérsia será decidida após a tramitação completa do HC, que terá julgamento final na 5ª Turma do STJ. A relatoria é do ministro Felix Fischer. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
15.06.18 15h17 » Ministra do STJ nega mais um pedido de soltura de deputado
14.06.18 14h05 » Ministra cita “complexidade” do caso ao negar soltura a deputado
12.06.18 10h41 » Ministra do STJ nega habeas e Savi continua detido em Cuiabá
12.06.18 09h29 » Defesa vai ao STJ e acusa desembargador de fazer “malabarismo”
11.06.18 13h20 » Ministra do STJ nega HC e mantém prisão de irmão de ex-secretário
08.06.18 18h00 » Fux diz que Justiça vai remover imediatamente 'fake news'
08.06.18 09h07 » Ministra rejeita “falta de fundamentação” na prisão de Paulo
07.06.18 16h41 » Ministro do TSE determina retirada do ar de 'fake news' sobre Marina Silva
07.06.18 16h05 » Preso na Bereré, irmão de ex-secretário pede liberdade no STJ
07.06.18 15h28 » Ministra do STJ diz que não viu ilegalidade em prisão de Kobori



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet