Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    O Judiciário dará solução imediata ao cidadão ou à pessoa jurídica, quando houver ameaça à violação de direito
  • EDUARDO MAHON
    Há nomes que merecem permanecer na memória da Cultura de Mato Grosso; já outros...
T. Superiores / ESQUEMA DE GRAMPOS

Tamanho do texto A- A+
31.10.2017 | 16h31
Ministro revoga prisão e permite que major concorra à promoção
Mauro Campbell atendeu pedido da defesa e determinou soltura de militar investigado
Alair Ribeiro/MidiaNews
O major Michel Ferronato, que conseguiu decisão favorável em habeas corpus
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O ministro Mauro Campbell, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), revogou a prisão do major Michel Ferronato, que está preso desde o dia 27 de setembro pela suspeita de ter atuado para atrapalhar as investigações do esquema de escutas clandestinas no Estado.

A decisão, em caráter liminar (provisória), foi dada na tarde desta terça-feira (31) e atendeu pedido feito pelo advogado Carlos Frederick. Ferronato estava detido no Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Na determinação, Campbell também permitiu que Ferronato possa concorrer à promoção para o cargo de tenente-coronel, ainda que esteja sob investigação.

Ferronato havia sido preso por determinação do desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ-MT), porque teria agido em conjunto com o grupo criminoso que visava a conseguir o afastamento do magistrado das investigações da chamada “Grampolândia”.

Conforme o tenente-coronel José Henrique Costa Soares – que participou da trama e que, agora, colabora com as investigações –, Ferronato teria lhe prometido uma promoção ao cargo de coronel, caso ele conseguisse gravar imagens de Perri, para serem usadas pelo suposto grupo criminoso.

No pedido de liberdade, o advogado questiona a alegação de que Ferronato teria oferecido o posto de coronel a Soares. Segundo a defesa, o oficial não teria qualquer possibilidade de conseguir a promoção para a Soares, mesmo porque, além de uma série de fatores, a medida só pode ser efetivada pelo governador.

A defesa de Ferronato alegou que Perri utilizou como “verdade absoluta” as declarações “mentirosas” feitas pelo tenente-coronel Soares.

O advogado também colocou em xeque as declarações do tenente-coronel Soares, já que ele próprio teria confirmado ser dependente químico.

Segundo Carlos Frederick, as declarações prestadas por Soares, a quem ele classifica como “caluniador”, se deram de forma “turva”. Para ele, levando em consideração o histórico de Soares, suas declarações não merecem credibilidade.

A defesa também alegou ser temerário decretar a prisão de Ferronato com base “apenas” na versão de uma pessoa que a própria decisão menciona ser “desequilibrada emocionalmente, em virtude da abstinência do uso de entorpecentes”: “Qual a credibilidade de um depoimento dessa jaez? Nenhuma credibilidade há!”.

Mauro Campbell

O ministro Mauro Campbell, que autorizou soltura de major

Cautelares

Apesar de ter revogado a prisão, Mauro Campbell impôs medidas cautelares para que o major continue em liberdade: comparecimento quinzenal na 9ª Vara Federal de Cuiabá para informar suas atividades; proibição de se ausentar de Cuiabá sem permissão da Justiça; entrega do passaporte e recolhimento domiciliar no período noturno e nos dias de folga para evitar interferências nas investigações.

Campbell também proibiu que Ferronato, "tendo em vista sua proximidade com o governador", mantenha qualquer contato com Pedro Taques ou com agentes políticos que atuem nas repartições do Governo.

O major está proibido de ingressar nas dependências da Casa Civil, Casa Militar, Controladoria-Geral do Estado, Gabinete de Comunicação, Gabinete de Desenvolvimento Regional, Gabinete de Estado de Assuntos Estratégicos, Gabinete de Governo, Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção, e Governadoria, assim como Procuradoria-Geral do Estado, Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Secretaria de Estado de Segurança Pública e Vice-Governadoria.

"Para manter coerência com as demais medidas e, ainda, levando-se em conta que o ora investigado ocupa posto na hierarquia da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso e teria utilizado da função para a prática dos crimes investigados, decreto, na forma do que dispõe o art. 319, VI, do Código de Processo Penal acima transcrito, o seu afastamento do exercício das atribuições do respectivo posto, bem como seja proibido de ter acesso às OPMs [Organização Polícia Militar] e estruturas do Comando Geral da Polícia Militar", determinou Campbell.

Leia mais sobre o assunto:

Major ataca Perri e diz que PM está “perturbado por abstinência”


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2017
23.11.17 10h30 » Coronel e cabo da PM completam 6 meses presos por “grampos”
17.11.17 16h31 » STJ confirma condenação de Bolsonaro por dizer que não estupraria deputada
15.11.17 14h33 » PF acha drogas, garrucha e munições em endereços de deputados
14.11.17 14h22 » STJ acolhe pedido de servidor e suspende pagamentos de fiança
09.11.17 16h47 » Saldo não pode ser penhorado para pagamento de honorários
01.11.17 15h13 » STJ nega mais um Habeas Corpus aos irmãos Batista
01.11.17 14h57 » Ministro proíbe ex-Casa Militar de manter contato com esposa
01.11.17 10h58 » Ministro nega liberdade a jovem acusado de crimes sexuais e extorsão
Outubro de 2017
31.10.17 16h31 » Ministro revoga prisão e permite que major concorra à promoção
31.10.17 14h51 » STJ suspende recursos em casos de violência contra mulher



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet