Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
T. Superiores / TERRITÓRIOS DOMINADOS

Tamanho do texto A- A+
09.10.2017 | 17h41
TSE pede investigação de facções e milícias infiltradas na política
Em entrevista, Mendes critica o fato de o STF ter acabado com o financiamento empresarial
Jayme/Ascom/TSE
Fachada do Tribunal Superior Eleitoral
DO CONSULTOR JURÍDICO

O Tribunal Superior Eleitoral pediu que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e a Polícia Federal apurem a influência de facções criminosas e milícias em disputas políticas.

Segundo reportagem publicada neste domingo (7/10) pelo jornal O Globo, um relatório da corte aponta participação do crime organizado em 19 zonas eleitorais de sete cidades do Rio de Janeiro durante a campanha de 2016, com suspeita de extensão por estados como São Paulo, Amazonas e Maranhão.

O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, afirma que a situação de domínio do crime organizado em territórios compromete a liberdade do eleitor e impede campanhas livres.

Em entrevista ao jornal O Globo, Mendes critica o fato de o Supremo Tribunal Federal ter acabado com o financiamento empresarial “descolado do sistema eleitoral”. O ideal, segundo ele, era que a corte tivesse ajustado o sistema, porque poderia ter adequado melhor a questão da arrecadação de recursos eleitorais.

Ele também elogiou a aprovação do fundo público de campanha, recém-sancionado pelo presidente Michel Temer (PMDB), avaliando que se trata de um “elemento institucional” nas eleições. Para ele, porém, a iniciativa será insuficiente, pois candidatos seguirão dependendo de doações de pessoas físicas.

Isso porque quase metade das 730 mil doações feitas em 2016 apresentaram problema com Receita Federal, sobretudo de capacidade financeira. “É o que eu chamo de caça ao CPF, e isso pode alimentar o laranjal. É aí que entra o crime organizado”, diz Gilmar. 

“No Rio, temos o problema do tráfico, das milícias, que é notório. Para colocarmos urnas nas favelas precisamos de blindados da Marinha. Portanto, a liberdade do voto está fortemente ameaçada. Em São Paulo, já se fala que o PCC elegeu vereadores na Câmara da capital. No Amazonas, a calha do (rio) Solimões vem sendo utilizada pelos traficantes e se diz que algumas prefeituras foram tomadas por eles. No Maranhão, nós acompanhamos a situação de agiotas financiando as eleições, com dinheiro que viria do PCC”, afirma.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
12.12.17 09h17 » Ministro nega autorização para major ficar um mês em Portugal
06.12.17 17h16 » Investigado nos grampos, ex-Sesp é autorizado a apresentar TCC
06.12.17 16h13 » Ministro do STJ nega pedido de ex-secretário para viajar ao Chile
05.12.17 09h10 » Ministro devolve ação contra coronéis e cabo para a 1ª Instância
04.12.17 08h43 » Ministro do STJ mantém prisão de ex-comandante-geral da PM
Novembro de 2017
27.11.17 16h40 » STJ define nova redução e fiança de servidor vai para R$ 100 mil
26.11.17 16h30 » STJ condena pai a indenizar filho em danos morais por abandono afetivo
23.11.17 10h30 » Coronel e cabo da PM completam 6 meses presos por “grampos”
17.11.17 16h31 » STJ confirma condenação de Bolsonaro por dizer que não estupraria deputada
15.11.17 14h33 » PF acha drogas, garrucha e munições em endereços de deputados



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet