Artigos
  • GONÇALO ANTUNES DE BARROS
    Sabemos que há individualidade por haver uma historicidade vivida por cada qual
T. Superiores / GRAMPOS ILEGAIS

Tamanho do texto A- A+
02.10.2017 | 15h47
Defesa vai ao STJ e tenta liberdade de secretário de Justiça
Habeas corpus em favor de Airton Siqueira foi protocolado no último sábado e será julgado pelo ministro Ribeiro Dantas
Alair Ribeiro/MidiaNews
O coronel Airton Siqueira, que está preso Academia de Polícia Costa Verde
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

A defesa do secretário afastado de Justiça e Direitos Humanos, coronel Airton Siqueira, ingressou com um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) na tentativa de obter sua liberdade.

Siqueira está preso na Academia de Polícia Costa Verde desde a última quarta-feira (27), quando foi deflagrada a Operação Esdras, da Polícia Civil, que apura o esquema de grampos ilegais operado em Mato Grosso.

O pedido de liberdade foi protocolado na manhã do último sábado (30) pelos advogados Jerferson Santana da Silva e Victor Thiago Marques Ochiucci. 

O ministro Ribeiro Dantas é quem irá apreciar o pedido.

Por ora, a defesa afirma que, a pedido do secretário, não irá se manifestar sobre o conteúdo do HC.

Siqueira é acusado pela Polícia Civil de participar de um plano para tentar obstruir as investigações sobre a chamada "grampolândia pantaneira".

Sua prisão foi requerida pela delegada Ana Cristina Feldner, responsável pelo inquérito do Tribunal de Justiça de Mato Grosso que apura o caso, e decretada pelo desembargador Orlando Perri.

No dia em que foi deflagrada a operação, o governador Pedro Taques (PSDB) anunciou o afastamento do secretário que, por enquanto, é substituído por Fausto Freitas.

Operação Esdras

A operação Esdras desbaratou o grupo acusado de montar uma estratégia para atrapalhar as investigações relacionadas aos grampos ilegais e obter a suspeição do desembargador Orlando Perri, que conduz o caso.

Além de Siqueira, também foram presos na operação o então secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas - já exonerado -, os ex-secretários Paulo Taques (Casa Civil) e Evandro Lesco (Casa Militar). 

Tiveram a prisão decretada ainda a personal trainer Helen Christy Carvalho Dias Lesco, esposa de Lesco; o major Michel Ferronato; o sargento João Ricardo Soler e o empresário José Marilson da Silva.

O nome da operação é uma referência ao personagem Esdras ("Aquele que ajuda, Ajudador, Auxiliador"), da tradição judaico-cristã. Ele liderou o segundo grupo de retorno de israelitas que retornaram de Babilónia em 457 a.C. . Descendente de Arão, o primeiro Sumo Sacerdote de Israel, Esdras era escriba (copista da lei de Moisés) entendido na lei de Moisés.

Leia mais sobre o assunto:

Taques se diz “perplexo” e afasta secretário preso por grampo

Policia Civil cumpre mandado de prisão de secretário de Justiça


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Novembro de 2018
12.11.18 17h18 » STJ também solta executivo de MT que teria recebido propina
12.11.18 08h10 » STJ mandar soltar deputado eleito de MT acusado de esquema
05.11.18 11h04 » TSE absolve Garotinho de condenação por propaganda eleitoral antecipada
01.11.18 10h10 » Condenação de Fabris é extinta; composição da AL deve mudar
Outubro de 2018
31.10.18 14h59 » Ministro desmembra ação e STJ investigará apenas Taques
30.10.18 16h06 » TSE nega recurso de Taques para cassar candidatura de Pivetta
26.10.18 10h48 » TSE nega pedido do PSOL para barrar 2ª suplente de Selma
26.10.18 10h33 » Empresário recorre ao TSE para assumir mandato por 2 meses
19.10.18 09h52 » PT pede ao TSE para declarar Jair Bolsonaro inelegível por oito anos
18.10.18 15h24 » Ministros do STJ desistem de viagem que seria bancada por empresários



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet