Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
T. Superiores / GRAMPOS

Tamanho do texto A- A+
17.08.2017 | 10h48
Ministro do STJ nega devolução de celular a ex-chefe da Casa Civil
Reynaldo da Fonseca expediu telegrama ao presidente do Tribunal de Justiça comunicando decisão
MidiaNews
O ex-secretário Paulo Taques, que teve celular apreendido no dia de sua prisão
CAMILA RIBEIRO
DA REDAÇÃO

O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), indeferiu mandado de segurança impetrado pelo ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, por meio do qual ele tentava reaver a posse de seu aparelho celular.

A decisão foi proferida na noite da última quarta-feira (16).

O celular do ex-secretário foi apreendido no último dia 4, quando ele foi preso acusado de participação em um esquema de grampos ilegais operado em Mato Grosso.

A ação foi protocolada na terça (15) e distribuída por dependência ao ministro Reynaldo da Fonseca, que foi responsável por conceder liberdade ao ex-secretário.

Para a defesa de Paulo Taques, a apreensão configurou-se em um "ato arbitrário", já que o delegado responsável pela prisão não possuía um pedido de apreensão do celular.

Na decisão em que indeferiu o pedido, o ministro Reynaldo da Fonseca citou os artigos 5º e 10º da Lei 12.016/2009, que apontam, entre outros pontos, que não se deve conceder mandado de segurança em caso de decisão judicial contra a qual caiba recurso com efeito suspensivo.

O ministro citou ainda o artigo 212 do Regimento Interno do STJ que prevê o indeferimento do pedido quando faltarem os requisitos legais ou ainda quando decorrido o prazo legal para impetração da ação.

A decisão na íntegra, contudo, ainda não foi disponibilizada.

Pelo acompanhamento processual é possível observar que o ministro Reynaldo da Fonseca expediu telegrama judicial ao presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos, comunicando o teor da decisão.

Leia mais sobre o assunto:

Ex-secretário entra com pedido para reaver celular apreendido

STJ rejeita os 3 argumentos usados pelo TJ para prisão de Paulo

Ministro do STJ concede liberdade ao ex-secretário Paulo Taques


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
12.12.17 09h17 » Ministro nega autorização para major ficar um mês em Portugal
06.12.17 17h16 » Investigado nos grampos, ex-Sesp é autorizado a apresentar TCC
06.12.17 16h13 » Ministro do STJ nega pedido de ex-secretário para viajar ao Chile
05.12.17 09h10 » Ministro devolve ação contra coronéis e cabo para a 1ª Instância
04.12.17 08h43 » Ministro do STJ mantém prisão de ex-comandante-geral da PM
Novembro de 2017
27.11.17 16h40 » STJ define nova redução e fiança de servidor vai para R$ 100 mil
26.11.17 16h30 » STJ condena pai a indenizar filho em danos morais por abandono afetivo
23.11.17 10h30 » Coronel e cabo da PM completam 6 meses presos por “grampos”
17.11.17 16h31 » STJ confirma condenação de Bolsonaro por dizer que não estupraria deputada
15.11.17 14h33 » PF acha drogas, garrucha e munições em endereços de deputados



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet