Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    A lei garante à gestante o direito de pleitear do futuro pai os alimentos que sejam necessários durante a gravidez
  • RENATA MORAES
    Está mais do que na hora de extirparmos de nossas cabeças que o trabalhador não tem noção de seus direitos
T. Superiores / HABEAS CORPUS NO STJ

Tamanho do texto A- A+
07.08.2017 | 17h19
Desembargador aposentado do TJ-RJ assume defesa de Paulo
Luís Grandinetti ingressou com medida no Superior Tribunal de Justiça; ministro deve analisar
MidiaNews
O ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques: banca contratada para defendê-lo
LUCAS RODRIGUES
DA REDAÇÃO

O desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Luís Gustavo Grandinetti Castanho de Carvalho, assumiu a defesa do ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, preso na última sexta-feira (04).

Luís Carvalho também é conhecido jurista da área criminal. Além dele, compõe a banca de defesa o advogado Ilton Norberto Robl Filho.

A defesa ingressou um habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) nesta segunda-feira (7) para tentar reverter a prisão do ex-secretário, decretada pelo desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Caberá ao ministro Reynaldo Soares da Fonseca analisar o caso.

Paulo Taques foi preso pela suspeita de ter integrado suposto esquema de interceptações telefônicas clandestinas, que seria operado por um grupo de policiais militares.

Ele está detido no Centro de Custódia da Capital (CCC).

Prisão "arbitrária"

Segundo apurou a reportagem, o habeas corpus no STJ tem como foco tentar evidenciar que o decreto prisional expedido por Perri teria sido "frágil e arbitrário".

O ex-secretário, em nota, já negou ter cometido o crime de escutas clandestinas, "tampouco ordenou que cometessem tal prática ilegal".

"Recebe com absoluta estranheza o pedido de prisão, tanto pelo rol de justificativas suscitadas pelo desembargador Orlando de Almeida Perri quanto pelo caráter preventivo da prisão, absurdamente desnecessário sob o prisma legal", disse Paulo Taques.

Além disso, o ex-chefe da Casa Civil também reforçou que em nenhum momento tentou obstruir as investigações ou agiu no sentido "de estimular a ocultação ou destruição de provas inquisitoriais, mantendo-se fiel à sua conduta moral como cidadão e advogado".

Grampos ilegais

Paulo Taques está no epicentro de um escândalo de grampos ilegais que ganhou repercussão nacional após reportagem divulgada pelo "Fantástico", da Rede Globo. Ele está detido no Centro de Custódia da Capital.

Pesa contra o ex-secretário a suspeita de que ele teria mandado "grampear" sua ex-amante, a publicitária Tatiana Sangalli, e sua ex-assessora Carolina Mariane.

Outro argumento usado pelo desembargador Orlando Perri para justificar a prisão foi o risco de Paulo Taques destruir provas e documentos importantes para a investigação, uma vez que ainda teria forte influência no Governo.

O ex-secretário também é suspeito de ter integrado o esquema que operou escutas clandestinas ilegais no Estado, juntamente com um grupo de policiais militares, cujas vítimas teriam sido advogados, médicos, um jornalista e adversários políticos.

Os "grampos" ocorriam por meio da tática "barriga de aluguel", quando números de pessoas não investigadas são inseridos indevidamente em um pedido de quebra de sigilo telefônico.

Entre os grampeados estariam a deputada Janaina Riva (PMDB); os advogados José do Patrocínio e José Rosa; o desembargador aposentado José Ferreira Leite; os médicos Sérgio Dezanetti, Luciano Florisbelo da Silva, Paullineli Fraga Martins, Hélio Ferreira de Lima Junior e Hugo Miguel Viegas Coelho.

Leia mais:

Advogados de Brasília tentarão liberdade de Paulo no STJ


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Fevereiro de 2018
13.02.18 09h08 » Candidatos poderão financiar com recursos próprios, diz TSE
11.02.18 17h10 » STJ decidirá se mantém bloqueio de R$ 4 milhões contra Maggi
08.02.18 14h37 » Fux diz que TSE pode reavaliar possibilidade de político ficha suja se candidatar
03.02.18 11h35 » STJ "barra" viagem de procurador ao RJ para acompanhar neto doente
02.02.18 15h23 » STJ rejeita maioria dos recursos contra condenações criminais
Janeiro de 2018
31.01.18 10h20 » Ministro do STJ nega pedido da defesa para evitar que Lula seja preso
19.01.18 17h02 » Ministra do STJ nega pedido de Cunha para ser transferido para Brasília
17.01.18 10h06 » Superior Tribunal de Justiça abre concurso para técnico e analista
13.01.18 09h31 » STJ mantém prisão de mãe que matou recém-nascido por asfixia
10.01.18 09h07 » Empresário investigado em operação da PF continuará preso



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet