Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
T. Superiores / POSSÍVEL PROPINA

Tamanho do texto A- A+
01.08.2017 | 09h46
Intensa movimentação financeira suspeita é motivo para prisão
A presidente da corte analisou medidas urgentes durante o recesso forense
Divulgação/TSE
Ministra Laurita Vaz: presidente do Superior Tribunal de Justiça
DO CONSULTOR JURÍDICO

A suspeita de que investigados na operação “lava jato” continuaram a movimentar dinheiro e pagar propina justifica prisões preventivas, sem demonstrar ilegalidade na medida. Assim entendeu a presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministra Laurita Vaz, ao rejeitar pedido de liberdade apresentado por dois ex-dirigentes da Petrobras presos desde maio.

Marivaldo Escalfoni e Paulo Roberto Fernandes consideravam a medida desnecessária, alegando que não haveria indícios de autoria e materialidade dos crimes atribuídos a eles. Eles afirmaram que outros réus em situação mais grave não estão presos e solicitaram outras medidas cautelares.

Laurita não viu motivo para conceder liminar e disse que as teses levantadas pela defesa devem ser discutidas no momento da análise de mérito do pedido de Habeas Corpus. Segundo a ministra, depoimentos e quebras de sigilo bancário e fiscal indicam que ex-dirigentes da Petrobras usaram uma empresa de fachada para arrecadar vantagem indevida de fornecedores da petrolífera.

Em sua decisão, ela considerou adequada a fundamentação do juízo competente, que justificou a prisão em razão da necessidade de interromper as práticas denunciadas, tendo em vista o pagamento de propinas quando as investigações já estavam adiantadas.

“Mesmo após a deflagração de diversas fases ostensivas da chamada Operação Lava Jato, não houve interrupção no pagamento de propina, repassada até para agentes públicos depois de deixarem seus cargos, como uma espécie de ‘compromissos assumidos’ que deveriam ser saldados”, afirmou a ministra.

A presidente da corte analisou medidas urgentes durante o recesso forense. Após o parecer do Ministério Público Federal, o mérito será analisado pela 5ª Turma do STJ. O caso está sob a relatoria do ministro Felix Fischer.

Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
12.12.17 09h17 » Ministro nega autorização para major ficar um mês em Portugal
06.12.17 17h16 » Investigado nos grampos, ex-Sesp é autorizado a apresentar TCC
06.12.17 16h13 » Ministro do STJ nega pedido de ex-secretário para viajar ao Chile
05.12.17 09h10 » Ministro devolve ação contra coronéis e cabo para a 1ª Instância
04.12.17 08h43 » Ministro do STJ mantém prisão de ex-comandante-geral da PM
Novembro de 2017
27.11.17 16h40 » STJ define nova redução e fiança de servidor vai para R$ 100 mil
26.11.17 16h30 » STJ condena pai a indenizar filho em danos morais por abandono afetivo
23.11.17 10h30 » Coronel e cabo da PM completam 6 meses presos por “grampos”
17.11.17 16h31 » STJ confirma condenação de Bolsonaro por dizer que não estupraria deputada
15.11.17 14h33 » PF acha drogas, garrucha e munições em endereços de deputados



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet