Artigos
  • THAYSON HENRIQUE MOTA
    Tribunais inferiores continuavam a proferir decisões pela formação de grupo econômico sustentando o poder de comando em face da mera identidade de sócios
  • RODRIGO CARVALHO
    Não cabe a nenhum órgão de controle interno ou externo e ao Judiciário criar limites à função do procurador
  • RENATO NERY
    Quanta gente não se embriagou com milionários cargos públicos supridos pela desenfreada corrupção?
  • VICTOR MAIZMAN
    A Constituição impõe que no tocante ao ICMS, quanto mais essencial for o produto ou serviço, menor deve ser a alíquota
T. Superiores / "TOTAL INAPTIDÃO"

Tamanho do texto A- A+
04.07.2017 | 11h05
Após confusão com policiais, promotor é afastado
Fábio Camilo da Silva foi filmado desacatando policiais militares durante ocorrência, no sábado
Arquivo
O caso aconteceu no sábado em Guarantã do Norte
DA REDAÇÃO

O Conselho Superior do Ministério Público de Mato Grosso decidiu por unanimidade nesta terça-feira (4), em reunião extraordinária, pelo afastamento imediato de Fábio Camilo da Silva do cargo promotor de Justiça substituto, e instauração de procedimento para apuração dos fatos cometidos em Guarantã do Norte no final de semana.
 
Fábio Camilo foi filmado desacatando e ofedendo policiais militares, durante uma ocorrência no sábado (1) de manhã. Visivelmente alterado, ele chega a tirar o gorro de um PM e jogá-lo no chão.
 
O promotor ainda é acusado de danificar uma emissora de televisão, brigar com hóspedes de um hotel a agredir funcionários do Hospital Regional de Sinop, para onde foi levado.

Os conselheiros acataram na íntegra o voto do Corregedor-Geral do Ministério Público, procurador de Justiça Flávio Cesar Fachone.
 
No relatório, ele apontou vários fatos envolvendo o promotor de Justiça Substituto que, segundo ele, são graves e demonstram a "total inaptidão" do mesmo para o exercício do cargo.

O procurador-geral de Justiça, Mauro Benedito Pouso Curvo, também determinou a remessa do relatório e dos documentos obtidos até o momento para o Núcleo de Ações de Competência Originária (NACO) para apuração dos crimes, em tese, cometidos e eventual propositura de denúncia.

Entenda o caso

O caso foi registrado pela PM no sábado. No boletim de ocorrência, aparecem como vítimas os soldados PM Edmilson Roberto Correa e Cenilton de Lima Braga.

Segundo B.O., uma guarnição da PM foi acionada, após uma ligação telefônica por parte de um morador, que informou que, ao passar pela cidade de Terra Nova do Norte (a 30 km de Guarantã), em frente ao posto de combustível Idaza Sexta Agrovila, viu duas pessoas discutindo em frente a um carro, sendo um deles em “visível estado de embriaguez alcoólica”.

Ao chegarem ao local e questionarem o motorista, segundo os militares, ele teria perguntado aos agentes se “sabiam com quem estava falando”.

“Que este militar deveria colar os cascos para falar com ele, sendo que ele era um coronel. Ainda perguntou se este militar não tinha conhecimento do Código Penal Militar. Neste momento, notou-se que o condutor encontrava-se em visível estado de embriaguez alcoólica, pois exalava forte odor de álcool ao falar”, diz trecho do boletim, se referindo ao promotor Fábio Camilo da Silva.

Nesse momento, segundo o policial Edmilson, o promotor foi informado sobre o motivo da abordagem. Entretanto, Fábio Camilo teria passado a fazer questionamentos ao soldado, entre eles o motivo da viatura estar sem a placa dianteira. De acordo com o PM, o promotor “deu voz de prisão” e pediu que o outro policial, Cenilton de Lima, prendesse o colega.

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, por diversas vezes, o promotor teria tentando retirar o celular do militar.

Em determinado momento, Fábio Camilo aparece dando uma gravata em Edmilson, tentando enforcá-lo. Segundo o B.O., ambos caíram ao chão.

“Ele disse: ‘Vou lhe matar, soldado, com sua própria arma’. O promotor tentou retirar a arma deste militar, sendo interceptado pelo soldado Cenilton e a testemunha Reginaldo, sendo necessário o uso da força para conter o promotor e ainda utilização de algemas, para salvaguardar a integridade física dos agentes e do próprio promotor”, diz o documento.

“Após ser algemado, o promotor começou a ingerir um líquido estranho de uma garrafa de vidro, também começou a tomar banho com as referidas bebidas. Ainda tirou o short e saiu andando pelo local só de cueca”, afirma.

Por ter prerrogativa de função, o promotor só pode ser preso mediante flagrante de crimes inafiançáveis. Desta forma, ele não chegou a ser preso.

Durante o episódio, um dos policiais filmou o ocorrido para usar como prova contra o promotor.

No vídeo, é possível ver o promotor tirando a camiseta, desafiando o PM e mandando-o “colar os cascos”. Em seguida, ele pega o gorro do agente e o joga no chão.

“Pode algemar, pode algemar. Aproveita que estou de costas e atira”, disse o promotor.

Em outro trecho, ele diz que “promotor equivale a coronel”.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2017
14.10.17 09h12 » STJ acolhe pedido de Taques e tira investigação das mãos de Perri
10.10.17 10h11 » Ministro vê Paulo Taques como “protagonista de grupo criminoso”
09.10.17 17h41 » TSE pede investigação de facções e milícias infiltradas na política
08.10.17 13h00 » STJ quebra sigilo telefônico de procurador e ex-secretário de MT
06.10.17 17h29 » Rogers: denúncia não tem "credibilidade" e Perri é "parcial"
06.10.17 17h10 » Ministro do STJ nega liberdade ao ex-secretário Paulo Taques
04.10.17 15h01 » Advogados de ex-Casa Civil e major vão ao STJ por liberdade
04.10.17 09h30 » Ministro do STJ nega pedido de liberdade a coronel preso pelo TJ
02.10.17 15h47 » Defesa vai ao STJ e tenta liberdade de secretário de Justiça
Setembro de 2017
28.09.17 10h21 » Taques vai ao STJ e quer tirar investigação das mãos de Perri



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet