Artigos
  • JOÃO PAULO OLIVEIRA
    No processo eleitoral atual há uma enorme preocupação com relação a informações falsas que são passadas no que tange a uma série de situações e candidatos
T. Superiores / DIREITOS FUNDAMENTAIS

Tamanho do texto A- A+
24.05.2017 | 09h06
Coaf pode passar informações ao MP que não violem sigilo financeiro
Segundo STJ, Conselho pode informa MP sobre movimentações suspeitas de dinheiro
Reprodução
STJ dispensou autorização judicial a MP de São Paulo para oficiar o Coaf
DO CONJUR

O Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) pode informar o Ministério Público sobre movimentações suspeitas de dinheiro sem autorização judicial. Mas não pode divulgar o conteúdo de seus relatórios, já que eles contêm informações protegidas por sigilo. O entendimento é da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, que autorizou o MP de São Paulo a dispensar autorização judicial para oficiar o Coaf sobre movimentações financeiras numa investigação por lavagem de dinheiro.

A turma seguiu o voto do relator, ministro Reynaldo Soares da Fonseca. Segundo ele, as informações detalhadas inscritas nos relatórios de informações financeiras (RIF) do Coaf são protegidas por sigilo fiscal e bancário. Mas a mera informação sobre a existência de atividades suspeitas, não.

De acordo com o ministro, a mera informação de movimentações suspeitas não é suficiente para acusar ninguém de nada. Tanto é, explicou, que ela pode servir de base para pedir a quebra de sigilo bancário e fiscal ao Judiciário, conforme já decidiu a 3ª Seção do STJ em recurso repetitivo.

No voto, Reynaldo explicou que a autorização decorre do artigo 1º, parágrafo 3º, inciso IV, da Lei 9.613/1998. O dispositivo diz que o Coaf deve informar “as autoridades competentes” sobre operações que envolvam “recursos provenientes de qualquer prática criminosa”.

“O que define a violação à garantia do sigilo fiscal e bancário é o conteúdo das informações constantes no relatório apresentado pelo Coaf, conteúdo esse cuja utilização pode ser questionada mesmo que a comunicação de eventual notitia criminis seja efetuada sponte propria pelo Coaf”, escreveu o ministro, em seu voto.

Com a decisão, a 5ª Turma seguiu precedente definido pela 6ª Turma, em caso relatado pelo ministro Rogério Schietti. Naquela ocasião, ficou decidido que “o conhecimento integral dos dados que subsidiaram a produção do relatório depende da autorização judicial”, mas a informação sobre a existência de transações suspeitas, não. “Isso equivale a dizer que a comunicação feita à autoridade policial ou ao Ministério Público não pode transbordar o limite da garantia fundamental ao sigilo.”


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2018
19.09.18 11h48 » É possível fixar regime semiaberto a condenado por tráfico, diz ministro
18.09.18 17h20 » Rosa Weber diz que crítica à urna eletrônica é 'desconectada da realidade'
13.09.18 16h41 » Empresa é condenada por duvidar da gravidez de funcionária
03.09.18 11h14 » TSE proíbe PT de fazer propaganda de Lula como candidato
01.09.18 08h38 » TSE decide por 6 votos a 1 rejeitar a candidatura de Lula a presidente
Agosto de 2018
30.08.18 08h41 » João Otávio de Noronha toma posse como presidente do STJ
24.08.18 10h01 » STJ concede adicional de 25% a aposentados que necessitam de cuidadores
23.08.18 17h31 » Lula é intimado pelo TSE a apresentar defesa da candidatura até dia 30
23.08.18 09h21 » TSE mantém multa ao Facebook por descumprir ordem judicial
21.08.18 14h45 » STJ nega salvo-conduto para livrar secretário de possível prisão



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet