Artigos
  • GILMAR MENDES
    Esse procedimento acaba sendo o meio para coibir interpretações equivocadas e mesmo abusos na prisão
  • ELVIS KLAUK JR
    Antes de fechar negócio é muito importante verificar se o imóvel está com os respectivos documentos em ordem
  • PAULO LEMOS
    Na política, há um quadro crônico e agudo de delírios, alucinações, desejos, impulsos e compulsões
T. Superiores / TESE

Tamanho do texto A- A+
21.11.2016 | 15h42
STJ vai rever repetitivo sobre natureza da ação na lei Maria da Penha
Em 2010, foi definido que crimes de lesão leve seria condicionada à representação da vítima
Reprodução
DO MIGALHAS

A 3ª seção do STJ acolheu questão de ordem proposta pelo ministro Rogerio Schietti Cruz para que o colegiado reveja tese firmada em recurso repetitivo acerca da natureza da ação penal nos crimes de lesão corporal leve cometidos contra a mulher no âmbito doméstico e familiar.

No julgamento do REsp 1.097.042, em 2010, ao interpretar a lei Maria da Penha (11.340/06), a 3ª seção firmou o entendimento de que “a ação penal nos crimes de lesão corporal leve cometidos em detrimento da mulher, no âmbito doméstico e familiar, é pública condicionada à representação da vítima”.

Em 2012, no entanto, o STF acolheu tese oposta à jurisprudência do STJ ao decidir que os crimes de lesão corporal praticados contra a mulher no âmbito doméstico e familiar são de ação penal pública incondicionada, ou seja, não há necessidade de representação da vítima, devendo o Ministério Público propor a ação.

Segundo Schietti, no julgamento do STF, concluiu-se que a vítima de violência doméstica frequentemente acaba por não representar contra o agressor ou afasta a representação anteriormente formalizada, o que permite a reiteração da violência. Diante disso, afirmou, torna-se necessária a intervenção estatal desvinculada da vontade da vítima, “a fim de não se esvaziar a proteção à mulher e não prorrogar o quadro de violência, discriminação e ofensa à dignidade humana”.

 

Apesar de o STJ já possuir súmula em consonância com a decisão do STF (súmula 542), o ministro Schietti invocou o princípio da segurança jurídica para propor a revisão, sob o rito dos recursos repetitivos, do entendimento definido no julgamento do REsp 1.097.042, superado pela jurisprudência. No sistema de repetitivos do STJ, o tema cuja revisão foi proposta está registrado sob o número 177.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Janeiro de 2018
17.01.18 10h06 » Superior Tribunal de Justiça abre concurso para técnico e analista
13.01.18 09h31 » STJ mantém prisão de mãe que matou recém-nascido por asfixia
10.01.18 09h07 » Empresário investigado em operação da PF continuará preso
08.01.18 17h58 » Réu pobre não pode ficar preso apenas por não conseguir pagar fiança, diz Laurita
03.01.18 16h39 » Presidente do STJ nega pedido de prisão domiciliar para mãe acusada de homicídio
03.01.18 16h34 » Só há partilha entre amantes se bens foram obtidos por esforço comum, diz STJ
Dezembro de 2017
30.12.17 09h38 » Presidente do STJ nega pedido de liberdade de Wesley Batista
29.12.17 16h02 » STJ revoga prisão de cabo da PM, mas ele permanece na cadeia
18.12.17 16h36 » Ex-comandante-geral da PM interpõe novo recurso para soltura
12.12.17 09h17 » Ministro nega autorização para major ficar um mês em Portugal



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet