Artigos
  • LUIZ FLÁVIO GOMES
    Processo que apeou do poder a ex-presidente foi golpe ou merda expulsão de ladrões?
  • GISELE NASCIMENTO
    Toda disputa exige o prévio conhecimento das regras, mas também o uso de boa técnica
J. Eleitoral / DECISÃO

Tamanho do texto A- A+
08.03.2018 | 16h19
TSE revoga mudança polêmica em resolução sobre pesquisas eleitorais
Resolução foi alvo de críticas de institutos de pesquisa e associações
Humberto/SCO/STF
O ministro presidente do TSE, Luiz Fux
REYNALDO TUROLLO JR.
DA FOLHA DE S.PAULO

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu revogar, nesta quinta-feira (8), as mudanças feitas na semana passada em uma resolução que dispõe sobre pesquisas eleitorais.

As mudanças foram alvo de críticas de institutos de pesquisa e associações que viram nelas uma potencial restrição ao exercício da imprensa.

O presidente do TSE, ministro Luiz Fux, afirmou nesta manhã, durante sessão administrativa do tribunal, que a alteração gerou "incerteza jurídica sobre seu alcance", o que contraria o objetivo da corte, que é o de criar normas claras.

“É nosso dever evitar dúvidas e inseguranças jurídicas”, disse Fux, ao propor aos demais ministros revogar as mudanças na resolução. À unanimidade, o tribunal aprovou revogação.

Na segunda-feira (5), foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico a decisão do TSE de acrescentar a uma resolução de dezembro o seguinte parágrafo: “Nos questionários aplicados ou a serem aplicados nas pesquisas de opinião pública [...], são vedadas indagações a respeito de temas não relacionados à eleição”.

A mudança na resolução gerou reação de institutos de pesquisa e de associações do setor, que consideraram a norma muito subjetiva e, em última análise, capaz de censurar perguntas que tenham relação com o processo eleitoral, mas que não sejam propriamente sobre a intenção de voto —como, por exemplo, a aprovação ou a desaprovação dos eleitores em relação a temas polêmicos.

“Entendemos por bem evitar que haja esse clima de insegurança. O tribunal é composto por membros da sociedade, que ouvem a sociedade comentar os seus atos. Como verificamos que gerava incerteza, apesar [de o teor] constar da lei [das Eleições], nós resolvemos dissipar isso”, disse Fux a jornalistas ao término da sessão.

​Com a revogação, a resolução sobre pesquisas volta a vigorar com o texto original, aprovado pela corte em dezembro. Entre outras coisas, o texto regulamenta prazos para registro e divulgação de pesquisas.

Antes do início da sessão administrativa, os ministros se reuniram a portas fechadas para discutir a polêmica causada pelos acréscimos no texto original. A sessão, marcada para as 9h, começou por volta das 9h45.

Em nota à Folha nesta quarta (7), a assessoria de imprensa do TSE havia informado que a mudança na resolução tinha o objetivo de evitar um “efeito carona” na aplicação de questionários, com perguntas alheias à disputa, e não de censurar ou restringir o trabalho dos institutos.

“A intenção foi evitar uma espécie de 'efeito carona' na aplicação dos questionários, a partir da adição de perguntas, na mesma pesquisa, sem qualquer relação com o contexto eleitoral. É preciso ter claro que a redação da resolução não representa mudança normativa, mas sim ênfase nas regras que já vinham sendo aplicadas pelo TSE e que estão previstas na Lei das Eleições”, afirmou o TSE.

Liberdade vigiada

Iniciativas que põem em risco direitos de expressão e informação

*Fake News

>>> mar.2018

Conselho do Senado propõe bloqueio na internet sem ordem judicial

Proposta:

Anteprojeto de lei do Conselho de Comunicação Social do Senado obriga provedores de internet a retirar do ar, sem necessidade de autorização judicial, notícias consideradas falsas

Como ficou:

Conselho recuou da proposta após repercussão negativa e desistiu de dar seguimento à proposta

>>> out.2017

Reforma política aprovada no Congresso permite censura nas eleições

Proposta:

Emenda obrigaria sites a suspender, sem decisão judicial, a publicação de conteúdo denunciado como "discurso de ódio, disseminação de informações falsas ou ofensa em desfavor de partido ou candidato"

Como ficou:

Enviado ao presidente Michel Temer para sanção, esse trecho foi vetado

*Pesquisas

>>> mar.2018

TSE (Tribunal Superior Eleitoral) proíbe perguntas não eleitorais em pesquisas

Proposta:

Novas regras da Justiça Eleitoral, válidas para a eleição deste ano, veda em questionários de pesquisas de opinião pública "indagações a respeito de temas não relacionados à eleição"

Como ficou:

Após críticas, resolução foi revogada pelo TSE

>>> set.2017

Reforma política no Congresso proíbe divulgação de pesquisas eleitorais na semana anterior à eleição

Proposta:

Vedar a divulgação de pesquisas eleitorais a partir do domingo anterior à data das eleições, derrubando norma que permite publicação de resultados até no dia da votação

Como ficou:

Autorização para divulgação no dia do pleito foi mantida, mas foram incluídas regras sobre registro de pesquisas


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
23.04.18 16h50 » Juíza nega ação que acusava Bolsonaro de propaganda irregular
21.04.18 11h10 » Juiz arquiva investigação de suposta fraude na criação do PSD
02.04.18 16h57 » Título de eleitor de transgêneros terá só o nome social, diz Fux
Março de 2018
28.03.18 10h12 » Inquérito investigará WS por crítica a médico primo de Emanuel
13.03.18 10h35 » Juíza reprova contas e manda Julier devolver R$ 101,4 mil
10.03.18 14h00 » “PRE detectou que cassação tinha fundamento inexistente”
08.03.18 16h19 » TSE revoga mudança polêmica em resolução sobre pesquisas eleitorais
06.03.18 17h23 » Juíza nega recurso e mantém reprovadas as contas de Wilson
06.03.18 15h38 » TRE nega pedido de Medeiros e mantém perícia de assinaturas
Fevereiro de 2018
06.02.18 13h35 » Juíza reprova contas da campanha de Wilson e pede investigação



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet