Artigos
Enquetes

Você acha que a Lava Jato corre o risco de ser inviabilizada pela lentidão da Justiça?

  • Sim
  • Não
Sexta, 10 de março de 2017, 15h00

Tamanho do texto A- A+
J. Eleitoral / "DÍZIMO PARTIDÁRIO"
TRE pune PR em R$ 2 mi por desconto na folha de comissionados
Justiça Eleitoral de Mato Grosso proíbe sigla de receber recursos do Fundo Partidário
Marcus Mesquita/MidiaNews
A sede do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso
DA REDAÇÃO

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso desaprovou as contas anuais, referentes ao exercício de 2011, do Partido da República de Mato Grosso.

A sigla terá que devolver aos cofres do Fundo Partidário o montante de R$ 2.074.116,68 recebidos de fontes vedadas, além de R$ 188.676,54, arrecadados irregularmente.

A Corte determinou ainda que o PR não receba novas cotas do Fundo Partidário pelo período de um ano.

A Corte determinou ainda que se suspenda o recebimento até que o partido esclareça a origem de duas receitas, nos valores de R$ 153.707,00 e R$ 4.480,00, creditados na conta da agremiação sob a rubrica de "crédito convênio".

Por fim, o Pleno determinou que o partido devolva também ao Fundo Partidário a importância de R$ 188.676,54 recebidos irregularmente.

Esse montante se refere a cotas recebidas em período que o direito de recebimento de receita dessa natureza estava suspenso. Essa irregularidade é considerada gravíssima.

As contas foram reprovadas por diversas irregularidades apontadas pela Coordenadoria de Controle Interno e Auditoria do TRE, sendo a mais greve a que se refere ao montante de R$ 2.074.116,68 recebidos de fontes vedadas.

Segundo o juiz membro e relator das contas, Divanir Marcelo de Pieri, os documentos presentes no processo demonstram que o PR recebeu, no decorrer de 2011, R$ 2.074.116,68 de filiados que atuavam como servidores públicos estaduais (efetivos ou contratados), ocupantes de cargos de confiança.

Eles pagavam contribuição partidária mediante desconto mensal e automático nas suas respectivas contas-salário.

"Esse processo é denominado "dízimo partidário", sendo fonte vedada de recursos. A Lei nº 9.096/95, em seu artigo 31, inciso II, veda que o partido receba, direta ou indiretamente, sob qualquer forma ou pretexto, contribuição, auxílio pecuniário ou estimável em dinheiro de autoridade, entre outros", ressaltou.

O relator explicou que muitos tribunais eleitorais e o Tribunal Superior Eleitoral  já se posicionaram no sentido de que "os estatutos partidários não podem conter regra de doação vinculada ao exercício de cargo, uma vez que ela (a doação) consubstancia ato de liberalidade e, portanto, não pode ser imposta obrigatoriamente ao filiado".

O juiz membro do TRE-MT prosseguiu dizendo que "o conceito de autoridade pública, a que se refere o inciso II do art. 31 da Lei no 9.096/95, independe da natureza do vínculo de quem exerce o cargo (efetivo ou comissionado) e se aplica a qualquer dos poderes, seja ele Executivo, Legislativo ou Judiciário".


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2017
24.04.17 08h45 » Ausentes têm até 2 de maio para regularizar situação
19.04.17 08h22 » Desembargador admite que assume TRE em ano difícil
17.04.17 17h50 » Márcio Vidal e Pedro Sakamoto assumem o TRE-MT
13.04.17 08h36 » TSE decide que pirataria provoca inelegibilidade
06.04.17 17h26 » Rui Ramos anuncia construção do novo fórum de VG
04.04.17 18h13 » Temer e Dilma enviam novas manifestações ao TSE
04.04.17 17h40 » Desembargador toma posse como juiz substituto no TRE
Março de 2017
21.03.17 11h13 » "Precisamos afastar o candidato do dinheiro", diz Gilmar Mendes
20.03.17 17h32 » TRE altera datas das sessões plenárias em março e abril
14.03.17 18h28 » Biometria deve chegar a todos eleitores até 2020, diz Mendes



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet