Artigos
  • JOAQUIM SPADONI
    Os salários que são pagos com nosso dinheiro devem ter critérios claros, pautados e limitados em Lei
  • RENATO NERY
    Apesar dos grande avanços, está-se liquidando o que ainda resta da nobre e festejada profissão
J. Eleitoral / ELEIÇÃO 2014

Tamanho do texto A- A+
06.02.2017 | 18h35
TRE absolve deputado da acusação de compra de votos
"Foram ouvidas várias testemunhas e nenhuma confirmou a prática", disse desembargador
MidiaNews
O deputado Mauro Savi, absolvido pelo TRE
DA REDAÇÃO

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) absolveu nesta segunda-feira (6) o deputado estadual Mauro Savi (PSB) da acusação de compra de votos, feita pelo Ministério Público Eleitoral.

Foram 4 votos divergentes ao do relator do processo, juiz membro Marcos Faleiros da Silva.

A acusação foi referente a uma mobilização de campanha eleitoral a título de cortesia mo município de Juara, em 2014, para os então candidatos deputado Mauro Savi, ex-deputado Jota Barreto e o senador Wellington Fagundes.

Na época, um chefe do Cartório Eleitoral e sua equipe foram até uma propriedade apurar uma denúncia anônima de compra de votos e entraram na propriedade privada sem autorização judicial prévia.

O proprietário do local, Ostácio Bueno de Almeida, que se intitulava mobilizador da campanha dos três candidatos na ocasião, realizava uma reunião com funcionários de sua empresa.

O juiz membro do TRE,  desembargador Luiz Ferreira da Silva, observou a falta de provas sólidas que comprovariam a denúncia.

“Não tem como solidificar as provas nos autos. Foram ouvidas várias testemunhas e nenhuma delas confirmou a prática atribuída ao representado”.

Para o  juiz membro do Pleno, Rodrigo Roberto Curvo, “houve uma confusão. Ostácio realizou o pagamento de seus funcionários e de cabos eleitorais, com sua função de coordenador de campanha como ele se alto intitulou. No mínimo houve uma confusão. Não identifiquei o fim de compra de votos”, disse.

Também votaram pela absolvição do deputado os juízes membros do TRE, o advogado Divanir Marcelo de Pieri  e o juiz federal, Roberto Luis Luchi Demo.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2017
27.07.17 17h18 » TRE mantém sentença que desaprovou contas de campanha de vereador
18.07.17 17h21 » Sebastião Barbosa é designado Ouvidor Eleitoral do TRE
14.07.17 17h05 » Juiz cassa mandato de vereador de Cuiabá por abuso de poder
11.07.17 10h20 » Advogado reassume cargo de juiz no TRE de Mato Grosso
08.07.17 08h15 » Lucimar e vice são inocentados de crime de abuso do poder econômico
03.07.17 10h42 » Jayme Campos diz que Lucimar não cometeu ilícito e irá reverter decisão
Junho de 2017
28.06.17 15h12 » Juiz cita “inconformismo infundado” e nega recurso de Lucimar
21.06.17 17h35 » Defesa rebate juiz e diz que gasto com publicidade foi “irrisório”
20.06.17 14h36 » Justiça Eleitoral cassa mandato da prefeita Lucimar Campos
08.06.17 08h26 » "Esta ação não existiria não fosse eu", diz Gilmar Mendes



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet