Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
J. Eleitoral / INQUÉRITO DA PF

Tamanho do texto A- A+
14.12.2016 | 14h18
TRE arquiva investigação e manda devolver R$ 24,1 mil a deputado
Mauro Savi chegou a ser levado a Polícia Federal, com dinheiro vivo e material de campanha
Reprodução
O deputado Mauro Savi (PSB); TRE decidiu pelo arquivamento de inqueríto contra o parlamentar
DA REDAÇÃO

 

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE), seguindo o parecer do Ministério Público Eleitoral (MPE), decidiu pelo arquivamento do inquérito da Polícia Federal e determinou a devolução dos R$ 24.150,00 ao deputado estadual Mauro Savi (PSB).

Os recursos foram apreendidos no dia 12 de setembro, durante uma abordagem feita ao parlamentar pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Sorriso (420 km ao Norte da Capital). 
 
Na ocasião, Mauro Savi apresentou documentos que comprovaram a origem lícita dos recursos, mas, ainda assim, os policiais decidiram encaminhar o caso a Polícia Federal, alegando possível crime eleitoral.

Na ocasião, Mauro Savi transportava também alguns materiais, todos com nota fiscal, da campanha eleitoral do então candidato a prefeito do município, Dilceu Rossato (PSB). 

Na decisão, o TRE ressaltou que não foi identificado razões apontadas pelo MPE, pois não foi identificado a existência de crime suficientes a justificar o início de um processo penal.

"O Ministério Público frisou que não foi possível identificar nenhum eleitor que tivesse recebido dinheiro em troca de votos, inexistindo provas, portanto, de que o dinheiro encontrado com o investigado era destinado à captação ilícita de sufrágio. Dessa forma, considerando que não há respaldo mínimo para uma peça acusatória, uma vez que a conduta evidenciada nos autos - portar propaganda eleitoral e dinheiro sobretudo dentro de veículo, é atípica, de rigor, portanto, o acolhimento do pleito ministerial dada a inexistência de elementos de convicção que constituam sequer indício da ocorrência do ilícito penal de corrupção eleitoral", diz trecho da decisão.

Leia mais:

"Qual é o crime eu ter dinheiro no bolso?", questiona deputado

Deputado é encaminhado à PF após ser flagrado com R$ 24 mil


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
05.12.17 08h50 » Juiz nega pedido liminar de Botelho para deixar PSB de Valtenir
Novembro de 2017
23.11.17 08h15 » Ex-prefeito detalha “bruxaria” de adversária e é absolvido em ação
21.11.17 10h51 » TRE emite alerta sobre notícias de falsa multa de R$ 150
13.11.17 16h36 » Desembargador manda apurar suspeita de assédio sexual no TRE
07.11.17 16h57 » PRE/MT é favorável à manutenção da sentença que cassou Lucimar
06.11.17 09h54 » TSE deve julgar Lula e Bolsonaro por propaganda eleitoral antecipada
Outubro de 2017
31.10.17 16h21 » Juiz nega recurso e mantém a cassação de dois vereadores
11.10.17 17h22 » MP Eleitoral emite parecer pela cassação de vereador de Cuiabá
10.10.17 17h43 » Juiz nega pedido e mantém cassação da prefeita Lucimar em VG
03.10.17 17h35 » Justiça cassa, pela segunda vez, o mandato da prefeita Lucimar



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet