Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Compete aos municípios instituir o tributo nos termos de uma Lei Complementar editada pelo Congresso Nacional
  • GISELE NASCIMENTO
    Qual terá sido o mais vultoso escândalo de desvio de recursos públicos no Brasil? Alguns dirão que foi o Mensalão
J. Eleitoral / GASTOS NÃO DECLARADOS

Tamanho do texto A- A+
13.12.2016 | 17h06
Pleno desaprova contas e manda PP devolver R$ 260 mil
Partido não receberá cotas do fundo partidário por 1 ano em razão da decisão
Alair Ribeiro/TRE-MT
O juiz Rodrigo Curvo, relator da decisão que puniu partido
DA REDAÇÃO

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso desaprovou as contas – relativa às eleições de 2014 do Partido Progressista de Mato Grosso (PP/MT). A Corte determinou que a agremiação partidária não receba repasse de novas cotas do fundo partidário por um ano e ainda devolva ao Tesouro nacional R$ 260 mil – que se refere a recursos recebidos de fontes vedadas.

A suspensão do repasse de novas cotas do Fundo Partidário por um ano e a devolução dos R$ 260 mil aos cofres do Tesouro Nacional, deverá ser cumprida pelo PP/MT após o trânsito em julgado da decisão emanada pela Corte nesta segunda-feira (12/12). Uma decisão só transita em julgada quando não há mais possibilidades de recursos.

O total de recursos aplicados pelo PP/MT nas eleições gerais de 2014 foi de quase R$ 3,8 milhões.

O relator das contas, o juiz membro Rodrigo Roberto Curvo, explicou que a lei exige que os recursos de qualquer natureza que foram arrecadados em campanha eleitoral deverão ser declarados com a emissão dos recibos eleitorais respectivos, o que não foi observado pelo Partido em sua integralidade. "A ausência dos canhotos dos recibos eleitorais impede que esta Justiça especializada examine a lisura da prestação de contas apresentada, situação que dá razão à sua desaprovação".

O juiz membro também ressaltou que o Partido recebeu recursos de fontes vedadas de arrecadação. No caso, dinheiro doado por duas cooperativas que, na época da doação, estavam sendo beneficiadas direta ou indiretamente com recursos públicos. Uma cooperativa doou 100 mil e a outra 160 mil.

"O artigo 28, inciso XII, da Resolução TSE nº 23.406/2014 proíbe que candidato, partido político ou comitê financeiro receba, direta ou indiretamente, doação em dinheiro ou estimável em dinheiro proveniente de sociedades cooperativas cujos cooperados estejam sendo beneficiados com recursos públicos. No caso, as duas cooperativas usufruíam benefícios fiscais quando efetuaram doação ao Comitê Financeiro em evidência. Tal proibição também é prevista no artigo 24, § 1º, da Lei nº 9.504/97". A finalidade da norma é evitar que o Estado acabe sendo utilizado para beneficiar determinada candidatura, ainda que de forma indireta. Logo, resta caracterizada a gravidade da irregularidade atinente ao recebimento de recursos de fonte vedada, que conduz também à desaprovação das contas. Esse montante de R$ 260 mil oriundos de fonte vedada devem ser devolvidos aos cofres públicos".

Por fim, nas contas foram encontradas outras irregularidades que ensejaram sua desaprovação, entre elas: divergências e omissões de valores constantes na prestação de contas entregue pelo Partido e as informações constantes na base de dados da Justiça Eleitoral - obtidas mediante confronto com notas fiscais eletrônicas de gastos eleitorais.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Julho de 2017
18.07.17 17h21 » Sebastião Barbosa é designado Ouvidor Eleitoral do TRE
14.07.17 17h05 » Juiz cassa mandato de vereador de Cuiabá por abuso de poder
11.07.17 10h20 » Advogado reassume cargo de juiz no TRE de Mato Grosso
08.07.17 08h15 » Lucimar e vice são inocentados de crime de abuso do poder econômico
03.07.17 10h42 » Jayme Campos diz que Lucimar não cometeu ilícito e irá reverter decisão
Junho de 2017
28.06.17 15h12 » Juiz cita “inconformismo infundado” e nega recurso de Lucimar
21.06.17 17h35 » Defesa rebate juiz e diz que gasto com publicidade foi “irrisório”
20.06.17 14h36 » Justiça Eleitoral cassa mandato da prefeita Lucimar Campos
08.06.17 08h26 » "Esta ação não existiria não fosse eu", diz Gilmar Mendes
07.06.17 08h44 » TSE decide que tem poder para cassar mandato de presidente



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet