Artigos
  • JUNIOR MACAGNAM
    Em mais de 30 anos de democracia, de que valeu o foro especial? Apenas para a corrupção
  • VICTOR MAIZMAN
    Pela iniciativa popular, podem ser criadas não somente leis, como também, revogá-las
  • CARLOS RAFAEL DE CARVALHO
    Medida deve ser avaliada com ressalvas porque pode beneficiar mais aos bancos do que aos consumidores
J. Eleitoral / LEGISLAÇÃO ELEITORAL

Tamanho do texto A- A+
04.10.2016 | 11h13
Termina nesta terça-feira a proibição de prisão de eleitor
Período proibitivo e salvos-condutos voltarão a vigorar no dia 25 de outubro
Reprodução
Eleitores só podem ser presos em casos de flagrante ou de sentença criminal
ÉRIKA OLIVEIRA
DA REDAÇÃO

Termina nesta terça-feira (04), às 17h – dois dias após o fim do primeiro turno das eleições –, o período em que nenhum eleitor podia ser preso, a não ser em casos de flagrante ou de sentença criminal.

A medida era garantida graças ao salvo-conduto eleitoral, que entrou em vigor cinco dias antes do primeiro turno das eleições.

Com o salvo-conduto, os eleitores só podiam ser detidos em flagrante ou em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável, ou por desrespeito ao salvo-conduto, nos termos do artigo 236 do Código Eleitoral.

Os salvos-condutos que foram expedidos por juízes eleitorais ou por presidentes de mesas receptoras, em favor de eleitores que tenham sofrido violência, moral ou física, na sua liberdade de votar, também perdem a validade nesta terça-feira.

As medidas voltarão a vigorar no dia 25 de outubro, cinco dias antes da eleição, nas 55 cidades brasileiras onde haverá votação. Em Mato Grosso, somente Cuiabá tem segundo turno.

A previsão consta do artigo 235 do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965), cujo parágrafo único prevê que a medida será válida para o período compreendido entre 72 horas antes e até 48 horas depois do pleito.

Prisões por crime eleitoral

No último domingo (02), o boletim divulgado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) revelou que houve ocorrências de crimes eleitorais em 28 municípios - num total de 43 casos.

Dezoito pessoas foram presas, entre elas o candidato a prefeito de São Pedro da Cipa, Ivo Martins Santana (DEM). Ele é acusado de compra de voto.

Em Várzea Grande, um eleitor foi preso tirando foto do voto na urna. Outa pessoa foi conduzida por “desobediência”.

Em Rondonópolis, uma pessoa foi conduzida por “desacato”. Em Poxoréu, houve quatro condução por compra de votos.

Leia mais:

 

Candidato a prefeito é preso; polícia apreende mala com dinheiro


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Abril de 2018
23.04.18 16h50 » Juíza nega ação que acusava Bolsonaro de propaganda irregular
21.04.18 11h10 » Juiz arquiva investigação de suposta fraude na criação do PSD
02.04.18 16h57 » Título de eleitor de transgêneros terá só o nome social, diz Fux
Março de 2018
28.03.18 10h12 » Inquérito investigará WS por crítica a médico primo de Emanuel
13.03.18 10h35 » Juíza reprova contas e manda Julier devolver R$ 101,4 mil
10.03.18 14h00 » “PRE detectou que cassação tinha fundamento inexistente”
08.03.18 16h19 » TSE revoga mudança polêmica em resolução sobre pesquisas eleitorais
06.03.18 17h23 » Juíza nega recurso e mantém reprovadas as contas de Wilson
06.03.18 15h38 » TRE nega pedido de Medeiros e mantém perícia de assinaturas
Fevereiro de 2018
06.02.18 13h35 » Juíza reprova contas da campanha de Wilson e pede investigação



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet