Artigos
  • RITA DE CASSIA BUENO
    Vale ressaltar que a prisão não extingue o débito alimentar, não isentando o devedor de pagar os valores vencidos e vincendos
J. Federal / APÓS DECISÃO DO STF

Tamanho do texto A- A+
05.04.2018 | 18h21
Juiz Sérgio Moro determina a prisão do ex-presidente Lula
O magistrado pediu que o petista se apresente voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba
Reprodução
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que foi condenado em segunda instância
DO G1

O juiz federal Sérgio Moro determinou nesta quinta-feira (5) a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado em duas instâncias da Justiça no caso do triplex em Guarujá (SP).

A pena definida pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) é de 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado.

Moro pediu para que Lula se apresente voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba. "Relativamente ao condenado e ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, concedo-lhe, em atenção à dignidade cargo que ocupou, a oportunidade de apresentar-se voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba até as 17:00 do dia 06/04/2018, quando deverá ser cumprido o mandado de prisão".

Os detalhes da apresentação deverão ser combinados com a defesa diretamente com o Delegado da Polícia Federal Maurício Valeixo, também Superintendente da Polícia Federal no Paraná.

A defesa do ex-presidente tentou evitar a prisão com um habeas corpus preventivo no Supremo Tribunal Federal (STF), pedindo para que a pena fosse cumprida somente após o trânsito em julgado da sentença.

Mas o recurso foi negado na quinta-feira (5), por 6 votos a 5, depois de 11 horas de votação dos ministros. Com a decisão, o Supremo permitiu que Lula comece a cumprir pena no caso do triplex em Guarujá (SP) após encerrados os recursos no TRF-4.

Ao julgar o recurso de Lula contra a condenação imposta por Moro, juiz da Lava Jato na 1ª instância, o TRF-4 aumentou a pena e definiu que o ex-presidente poderia ser preso quando acabassem os recursos possíveis na 2ª instância judicial.

Os advogados de Lula ainda podem recorrer da sentença junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília. Ele nega todas as acusações e diz ser inocente.

O ex-presidente foi considerado culpado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na acusação de ter recebido o imóvel no litoral paulista como propina dissimulada da OAS. Em troca, ele teria favorecido a empresa em contratos com a Petrobras.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Lula recebeu da OAS R$ 2,2 milhões em vantagens indevidas, tirados de uma conta de propinas destinada ao Partido dos Trabalhadores (PT).

O MPF afirma que a propina foi paga na forma de reserva e reforma do triplex para Lula, cuja propriedade teria sido ocultada das autoridades. Um dos depoimentos que baseou a acusação do Ministério Público e a sentença de Moro é do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, também condenado no processo.

Leia a íntegra da decisão:

 

 

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2018
16.08.18 16h09 » Pai de ex-secretário é absolvido por lavagem de dinheiro
14.08.18 09h15 » Sérgio Moro manda prender ex-executivos da Mendes Júnior
13.08.18 17h11 » Juiz federal absolve Arcanjo e manda restituir fiança de R$ 80 mil
09.08.18 17h38 » Juiz manda retirar nome de candidato de "lista suja" do TCU
07.08.18 16h59 » TRF e TRT determinam apuração de votos na eleição da Fiemt
07.08.18 10h21 » Juiz determina destruição de votos em urna; PF vai acompanhar
03.08.18 15h57 » Juiz federal volta a suspender eleição para presidência da Fiemt
Julho de 2018
30.07.18 18h12 » Sérgio Moro pede explicações para defesa de Cândido Vaccarezza
27.07.18 16h12 » Ministro do STF determina soltura de empresário preso na Bereré
23.07.18 10h23 » Novelli pede ao STF a quebra de sigilo de conselheira substituta



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet