Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Juridicamente é irrelevante o nome que se dá ao tributo, devendo ser definido o tributo através de seu fato gerador
  • RENATO GOMES NERY
    Não pode a Justiça afirmar que tal cor um dia é preta e no outro dia é branca; isto leva ao descrédito
  • VALBER MELO E FILIPE MAIA BROETO
    Ao implementar-se o método do discovery, eliminar-se-ão os "blefes", os "trunfos", as "jogadas desleais", bem como os eventuais "jogadores espertos"
J. Federal / INVESTIGAÇÃO

Tamanho do texto A- A+
12.12.2017 | 09h55
PF combate fraudes na Previdência em MT e mais 4 Estados
"Operação Pandora" cumpre mandado no Município de Confresa, na manhã desta terça-feira
Alair Ribeiro/MidiaNews
A operação da PF investiga fraudes contra a Previdência
DA REDAÇÃO

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (12) a “Operação Pandora”, que investigam fraudes previdenciárias em Mato Grosso e mais quatro Estados. Ao todo, são empregados 158 policiais federais para o cumprimento das medidas das duas operações.

O mandado em Mato Grosso está sendo cumprido em Confresa, porém a PF não deu detalhes sobre a ação na cidade.

A operação investiga fraude na obtenção de benefícios previdenciários deferidos judicialmente.

A investigação constatou que, quando o INSS indefere o requerimento - ou por não reconhecer que a pessoa tem a condição de segurado, ou porque o perito concluiu que não há incapacidade física - a pessoa, por intermédio de advogado, recorre ao Judiciário, obtendo, então, o benefício por meio de processos judiciais. Em algumas comarcas a quase totalidade das ações é procedente, enquanto a média regional é de 60% de condenação do INSS.

Detectaram-se fraudes principalmente nos benefícios rurais. Comerciantes, donas de casa, pessoas que sempre tiveram empregos informais como empregadas domésticas, transportadores autônomos, etc., moradores ou não de municípios da Comarca, são transformados em agricultores e obtêm benefícios como segurados especiais, sem qualquer contribuição ao INSS.

Constatou-se também que nessa situação estão pessoas que moram no Paraguai, na Argentina, Mato Grosso, em São Paulo, dentre outros, e que obtêm endereços falsos no Brasil para ingressar com ação nessa localidade, obtendo também benefícios indevidos.

Há casos de pessoas extremamente jovens aposentadas por invalidez ou recebendo auxílio doença, geralmente com nenhuma ou poucas contribuições para a previdência.

Há casos em que até pessoas mortas foram transformadas em agricultores, para que então o herdeiro reivindicasse pensão por morte, havendo um caso em que o marido requereu o benefício 29 anos depois da morte da esposa.

No caso daqueles que alegam ser agricultores, para comprovar essa condição, utilizam falsos contratos rurais (arrendamento, parceira, comodato, etc), notas de produtor rural ideologicamente falsas, quaisquer documentos que citem que os pais (ou cônjuges) um dia foram agricultor ou que possuíram terras de agricultura, testemunhas falsas.

Para provar que têm moradia no Brasil, apresentam comprovantes de endereço os mais diversos, como cartão de saúde, faturas de energia e de água (algumas mantidas em nome do autor por apenas três meses), declarações do dono do imóvel, etc.

Dois servidores da justiça estadual estão sendo investigados. Ambos têm parentes que foram beneficiados com a concessão de benefícios previdenciários (a irmã de um deles e cinco parentes do outro, incluindo pais, tios e um irmão).

A Procuradoria do INSS apontou que, entre os anos 2012 e 2016, foram deferidos judicialmente 1.247 benefícios previdenciários em uma comarca paranaense, sendo que em ao menos 30 % destes casos há suspeita de fraudes.

Atualmente, estão vigentes 910 benefícios, sendo que a contrapartida da contribuição previdenciária foi praticamente inexistente por parte dos beneficiários. Estima-se que tais benefícios geram um custo anual para o INSS de aproximadamente R$ 11 milhões.

Estão sendo cumpridos 35 mandados de busca e apreensão e a 28 mandados de condução coercitiva, expedidos pelo Juízo da 1ª Vara Federal em Francisco Beltrão (PR), em escritórios de advocacia e residências de investigados nas cidades de Francisco Beltrão, Salgado Filho (PR), Flor da Serra do Sul (PR), Barracão (PR), Bom Jesus do Sul (PR), Foz do Iguaçu (PR), Fazenda Rio Grande (PR), Dionísio Cerqueira (PR), Palma Sola (SC), Sapiranga (RS), São Paulo (SP) e Confresa (MT).


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Outubro de 2018
01.10.18 16h11 » Campanhas do PT de 2010 e 2014 custaram R$ 1,4 bilhão, diz ex-ministro
Setembro de 2018
29.09.18 08h48 » Moro condena dono do posto que deu origem a Operação Lava Jato
26.09.18 16h13 » José Dirceu tem pena reduzida no TRF-4 na segunda condenação
25.09.18 16h19 » Justiça bloqueia R$ 720 mil de prefeito de Cáceres e mais dois
17.09.18 11h33 » Juiz condena empresário por mentir sobre fraude em ata de Taques
01.09.18 10h51 » Juiz concede benefícios a delator mesmo sem homologar acordo
Agosto de 2018
28.08.18 09h28 » Bretas substitui prisão domiciliar de Adriana Ancelmo por uso de tornozeleira
20.08.18 17h05 » Ex-presidente da Ager-MT é condenado a três anos de prisão
20.08.18 16h58 » André Vargas e mais três são condenados por lavagem de dinheiro
16.08.18 16h09 » Pai de ex-secretário é absolvido por lavagem de dinheiro



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet