Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
J. Federal / CITADO NA LAVA JATO

Tamanho do texto A- A+
13.04.2017 | 08h05
Eder diz que não coordenou campanha de Maggi
Ex-secretário diz estar surpreso por ter sido apontado como articulador de suposto caixa 2
Marcus Mesquita/MidiaNews
Eder Moraes é suspeito de cobrar propina para liberar pagamento a Odebrecht
LAURA NABUCO
DA REDAÇÃO

O ex-secretário de Estado Eder Moraes negou, por meio de sua defesa, qualquer atuação junto a construtora Odebrecht no sentido de pleitear R$ 12 milhões, via caixa 2, para a campanha eleitoral de 2006 do hoje ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi.

Em entrevista ao MidiaNews, o advogado Ricardo Spinelli afirmou que Eder não era secretário de Estado à época e sustentou que o político também não foi coordenador da campanha de Maggi ao governo do Estado naquele ano.

O nome de Eder aparece na decisão em que o ministro Edson Fachin, relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autoriza a abertura de inquérito contra Maggi e o deputado federal e ex-governador de Mato Grosso do Sul, José Orcírio Miranda dos Santos, o "Zeca do PT".

Spinelli afirmou que tanto ele quanto Eder tomaram conhecimento da denúncia por meio da imprensa e que aguardarão a citação oficial da Justiça para se manifestar.

“Conversei com o Eder hoje (12) pela manhã e ele me disse ter sido pego de surpresa, que sequer conhece as pessoas mencionadas. Por prudência, então nossa decisão é de aguardar”, afirmou.

R$ 12 milhões

Maggi é acusado pela Procuradoria Geral da República (PGR) de ter recebido, por meio de caixa 2, R$ 12 milhões da Odebrecht para o financiamento de sua campanha ao governo em 2006. O pagamento teria ocorrido por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo, que ficou conhecido, após as investigações, como o responsável pelo pagamento de propina a políticos.

As afirmações constam em delação dos investigados João Antônio Pacífico Ferreira, diretor superintendente para as Áreas Norte, Nordeste e Centro Oeste da Odebrecht, e Pedro Augusto Carneiro Leão Neto, diretor de contratos da construtora.

Segundo eles, o montante teria sido cobrado por Eder e serviria para “propiciar” à empreiteira o recebimento de créditos que detinha com o Governo de Mato Grosso por obras realizadas anteriormente.

Conforme a denúncia, os pagamentos à Odebrecht eram reconhecidos pelo Governo administrativa e judicialmente, mas não vinham sendo honrados em razão da incapacidade financeira do Estado.

Constrangimento

Por meio de nota, o ministro Blairo Maggi lamentou que seu nome tenha sido incluído em uma lista de 108 pessoas citadas em delações, sem que ele tivesse “qualquer possibilidade de acesso ao conteúdo da citação” para se defender. 

“Me causa grande constrangimento ter minha honra e dignidade maculadas, numa situação na qual não sei do que sou acusado”, diz trecho da nota.

Outros citados

Além de Maggi e Eder, o ex-vereador por Cuiabá, Lúdio Cabral (PT) apareceu em delações premiadas de investigados na Lava Jato. A acusação contra ele também é de recebimento de valores, por meio de caixa 2, para o financiamento de campanha eleitoral.

Lúdio foi citado pelo ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Alexandrino Alencar. Segundo ele, o montante (ainda não revelado) foi destinado a campanha de 2014, quando o petista disputou o governo do Estado.

Por meio de nota, o ex-vereador afirmou não conhecer o conteúdo da acusação e que, neste momento, não se manifestará a respeito do caso.

Leia mais:

Delatores dizem que Blairo recebeu R$ 12 milhões da Odebrecht

Lúdio recebeu caixa 2 para campanha de 2014, diz delator


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
05.12.17 11h55 » PF cumpre mandado contra servidor e apreende computador
04.12.17 11h41 » Consórcio diz ter "plena intenção" de prosseguir com obra do VLT
04.12.17 08h53 » Relator conclui voto sobre recurso de Lula contra condenação de Moro
02.12.17 13h00 » Justiça absolve sete acusados de negociar gabarito de prova
01.12.17 14h19 » Juiz federal marca para março audiências sobre desvios no VLT
Novembro de 2017
30.11.17 08h02 » PF faz operação contra fraudes em obras de escolas indígenas
23.11.17 11h08 » Ex-presidente do Intermat é absolvido em ação de improbidade
22.11.17 10h17 » Juiz determina perícia em laudo que embasou venda sob suspeita
20.11.17 10h55 » Falso advogado é condenado a 20 anos por fraude no INSS
18.11.17 11h49 » Justiça condena Calheiros à perda do mandato e direitos políticos



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet