Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Tratamento diferenciado imposto pela Constituição será benéfico e não maléfico às empresas de pequeno porte
  • FELIPE GUERRA
    Infelizmente, hoje os cidadãos mostram-se incapazes de fazer coisas que não lhes tragam gratificação pessoal
J. Federal / EM 50%

Tamanho do texto A- A+
12.04.2017 | 09h11
Juiz não pode reduzir honorário em ação previdenciária
Relator consultou a tabela de honorários e constatou que limite ético é de até 50%
Midiajur/Arquivo Web
Honorários haviam sido reduzidos de 50% para 30%
DO MIGALHAS

O desembargador Federal João Luiz de Sousa, do TRF da 1ª região, cassou decisão que determinou a redução de honorários contratuais em ação previdenciária.

Na comarca de Jaraguá/GO, o juiz atendeu a pedido do MP e reduziu os honorários de causídica já na fase final do feito e na iminência de se expedir a RPV, considerando abusiva a fixação dos honorários advocatícios contratuais em 50% das parcelas vencidas ou atrasadas, reduzindo tal percentual para 30%.

O juiz de 1º grau também determinou a expedição de três alvarás, um no valor de R$ 933,82 referente aos honorários sucumbenciais, outro com o percentual de 70% do valor restante da RPV para a parte autora na demanda e outro com o percentual de 30% do valor restante da RPV para a patrona constituída/agravante.

Boa-fé

O desembargador Federal João Luiz de Sousa consultou a tabela de honorários estabelecida pela OAB/GO, a qual fixa que nos contratos de honorários que envolvem ações previdenciárias, em se tratando de contrato quota litis, em que o pagamento é feito somente na hipótese de êxito, o limite ético de contratação é de até 50% das parcelas vencidas ou atrasadas.

“Logo, observa-se que a agravante estipulou percentual de honorários contratuais admitido pelo seu conselho de classe para as ações previdenciárias, agindo, portanto, de boa-fé.”

O relator do agravo considerou ainda que a jurisprudência do Tribunal é no sentido de inadmitir a redução dos honorários contratuais pelo juiz, se inexistir vício que macule o contrato.

“A continuidade da execução, nos termos da decisão agravada, pode causar lesão grave e de difícil reparação à agravante, vez que o processo se encontra em fase final, na iminência de haver a expedição da RPV. Presentes, portanto, os requisitos autorizadores da medida de urgência vindicada.”


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2017
18.09.17 15h34 » Não cabe ao Judiciário controlar conteúdo do Big Brother Brasil, decide TRF-3
18.09.17 15h25 » Juiz federal do DF libera tratamento de homossexualidade como doença
13.09.17 16h57 » 'Eu vi Palocci mentir aqui esta semana', diz Lula a Moro
11.09.17 17h37 » Juiz do DF reavalia decisão e suspende acordo de leniência da J&F
11.09.17 17h05 » Juiz recebe acusação contra ex-prefeitos e ex-secretários de VG
Agosto de 2017
30.08.17 09h11 » Moro não vai ouvir advogado que o acusa de "negociações paralelas"
17.08.17 11h13 » Juiz pode proibir advogados de usar celular em audiência, decide TRF-4
14.08.17 17h40 » Justiça condena 3 acusados de fraude em obra de R$ 3 mi em MT
12.08.17 16h50 » Eder: acusação de Silval é "falsa, irresponsável e equivocada"
11.08.17 16h15 » Justiça investiga morador de MT que ofendeu Moro na internet



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet