Artigos
  • JOAQUIM SPADONI
    Os salários que são pagos com nosso dinheiro devem ter critérios claros, pautados e limitados em Lei
  • RENATO NERY
    Apesar dos grande avanços, está-se liquidando o que ainda resta da nobre e festejada profissão
J. Federal / LAVA JATO

Tamanho do texto A- A+
10.04.2017 | 17h19
Odebrecht depõe em processo que envolve Palocci
Processo apura se o ex-ministro recebeu propina para atuar a favor da empreiteira
Reprodução
Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo Odebrecht está preso desde junho de 2015
DO G1

O ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, será interrogado pelo juiz Sérgio Moro em uma ação penal da Lava Jato que envolve o ex-ministro Antônio Palocci e outros 13 réus.

O ex-executivo da empreiteira Rogério Santos de Araújo também será interrogado. Moro é responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância.

Os depoimentos serão realizados na sede da Justiça Federal do Paraná, em Curitiba, a partir das 14h desta segunda-feira (10).

Palocci responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo. Ele está preso desde o dia 26 de setembro do ano passado e atualmente está detido na carceragem da Polícia Federal (PF), na capital paranaense. Ele foi ministro da Casa Civil no governo Dilma Rousseff e ministro da Fazenda de Lula – ambos do Partido dos Trabalhadores (PT).

Marcelo Odebrecht foi denunciado nesta ação penal pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro e também está detido na carceragem da PF.

Ele já foi condenado em outro processo da Lava Jato pelos crimes de lavagem de dinheiro, associação criminosa e corrupção ativa a 19 anos e 4 meses de prisão.

Dos quinze réus desta ação penal, onze são delatores.

Suspeita de propina
 
O processo apura se Palocci recebeu propina para atuar em favor do Grupo Odebrecht, entre 2006 e o final de 2013, interferindo em decisões tomadas pelo governo federal.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o ex-ministro também teria participado de conversas sobre a compra de um terreno para a sede do Instituto Lula, que foi feita pela Odebrecht, conforme as denúncias.

A denúncia trata de pagamentos feitos para beneficiar a empresa SeteBrasil, que fechou contratos com a Petrobras para a construção de 21 sondas de perfuração no pré-sal. O caso foi delatado pelo ex-gerente de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco.

As investigações mostram que o valor pago pela Odebrecht a título de propina pela intermediação do negócio chegou a R$ 252.586.466,55. Esse valor foi dividido entre as pessoas que aparecem na denúncia. Em troca disso, a empresa firmou contratos que, somados, chegaram a R$ 28 bilhões.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Agosto de 2017
17.08.17 11h13 » Juiz pode proibir advogados de usar celular em audiência, decide TRF-4
14.08.17 17h40 » Justiça condena 3 acusados de fraude em obra de R$ 3 mi em MT
12.08.17 16h50 » Eder: acusação de Silval é "falsa, irresponsável e equivocada"
11.08.17 16h15 » Justiça investiga morador de MT que ofendeu Moro na internet
10.08.17 08h55 » Juiz federal cita risco de “comparsas” de Silval destruírem provas
03.08.17 11h52 » Diferenciar preços para homens e mulheres não é abusivo, decide juiz de SP
03.08.17 09h40 » TRF manda liberar todo o patrimônio do ex-bicheiro João Arcanjo
03.08.17 09h33 » Ex-sócio da JBS é condenado à prisão por escravizar 21 em MT
Julho de 2017
20.07.17 08h03 » Ex-deputado vira réu acusado de nomear a própria doméstica
18.07.17 17h38 » Moro nega embargos de Lula e diz que notícia sobre triplex é prova



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet