Artigos
  • PEDRO HENRIQUE MARQUES
    Aspectos constitucionais do referido instituto na atual conjuntura política
  • VICTOR MAIZMAN
    É recorrente a insatisfação e inconformismo da sociedade quanto à elevada carga tributária
  • RENATO NERY
    A imprensa diariamente notícia novos casos de apropriação do espólio da viúva
J. Federal / CADEIRA NO TCE

Tamanho do texto A- A+
11.01.2017 | 14h11
PF obteve cópia de emails e recibo de depósito a Alencar
Segundo as investigações da Ararath, Leonardo Soares, filho de Alencar, enviou emails com contas
Divulgação
O ex-conselheiro Alencar Soares, que teria vendido sua vaga a Sérgio Ricardo: depósito
DA REDAÇÃO

Investigações feitas pela Polícia Federal, durante buscas e apreensões da Operação Ararath, indicaram que os filhos do ex-conselheiro Alencar Soares, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), teriam recebido parte do dinheiro destinado à suposta “venda” de sua vaga ao então deputado estadual Sérgio Ricardo, atual conselheiro que foi afastado do cargo por decisão judicial.

Segundo a PF, os documentos e anotações apreendidos mostram que pelo menos R$ 4 milhões foram pagos. A vaga teria sido negociada por R$ 12 milhões.

Agentes da Polícia Federal encontraram e-mails de Leonardo Valoes Soares, filho de Alencar, ao empresário Júnior Mendonça.

Um dos e-mails de Leonardo, datado de 16 de março de 2010, indica três contas correntes para depósitos: uma em nome dele próprio, com a indicação de R$ 38.000,00, e outra em nome de seu irmão, Leandro Valoes Soares, com a indicação de valor de R$ 12.000,00 a ser depositado".

Email enviado por Leando Soares a Júnior Mendonça, indicando contas para depósitos:

De acordo com documentos apreendidos, no dia 01 de abril de 2010, o Mendonça recebeu outro email de Leandro Soares.

Desta vez, a mensagem indicava os dados bancários do ex-conselheiro, para outro depósito.

A transferência foi realizada no mesmo dia, conforme comprovante de transferência apreendido.

Segundo o inquérito da Polícia Federal, Júnior Mendonça, sob orientação do então secretário de Estado Eder Moraes, usou outras contas para “ocultar a origem e natureza dos recursos”.

Uma delas teria sido a da empresa Paz Administradora de Ativos Ltda, cujos comprovantes indicam o recebimento de R$ 2,5 milhões.

Outro email indicando número de conta; ao lado, o comprovante do depósito:

De acordo com as cópias de comprovantes obtidos pela Policia Federal, foram realizados vários depósitos em cheques, em 2009: R$ 300 mil, no dia 02; R$ 200 mil no dia 03; R$ 250 mil no dia 08; e R$ 1,75 milhão no dia 11.

Um outro depósito, no valor de R$ 250 mil, teria sido realizado no dia 08 de dezembro de 2009.

Extrato de depósitos à Paz Administradora de Valores: R$ 1,75 milhão:


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
19.06.18 17h48 » Juiz nega recurso e ex-prefeito e juíza permanecem réus em ação
12.06.18 15h02 » Pela 1ª vez, Moro abre mão de julgar processo da Lava Jato
11.06.18 17h28 » Moro aponta 'propaganda' a favor de Lula e interrompe escritor
11.06.18 17h22 » Juiz manda desmembrar ação penal contra Eder e ex-Bic Banco
11.06.18 16h59 » Ex-deputado é condenado por contratar empregada como "fantasma"
01.06.18 17h25 » Moro revoga mandado de prisão contra operador financeiro da Odebrecht
Maio de 2018
30.05.18 09h31 » TRF devolve a Lula prerrogativas de ex-presidente da República
30.05.18 08h18 » Juiz federal corta 28,86% dos salários dos professores da UFMT
25.05.18 16h47 » Justiça marca interrogatório de Mauro em ação de improbidade
16.05.18 17h40 » Maioria do TRF-1 nega retorno de Gilmar Fabris para a prisão



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet