Artigos
  • RICARDO BERTOLINI
    A corrupção é doença que retira do cidadão a possibilidade de ter algum acesso aos serviços públicos
  • ALEX VIEIRA
    Devemos ter Cautela com os conhecimentos transmitidos vulgarmente, pois muitas vezes estão contaminados por falsas ou incompletas informações
  • SÉ CORDOVEZ
    Na prática a boa intenção da medida visa à extinção da cobrança retroativa do Funrural aos seus Contribuintes
J. Federal / CONTATO RÁPIDO

Tamanho do texto A- A+
23.12.2016 | 15h16
Juizados especiais federais intimam partes via WhatsApp
Em alguns juizados de SP E MS, intimação pode ser feita pelo aplicativo
Reprodução

Uma regra já em vigor nos Juizados Especiais Federais da 3ª Região (SP e MS) permite que as partes sejam intimadas pelo aplicativo WhatsApp, tanto em processos que tramitam em primeiro grau como nas Turmas Recursais. Caberá à parte manter o número de celular atualizado e manifestar-se quando não tiver interesse na novidade — no pedido inicial ou durante o curso do processo. Já advogados e defensores públicos continuam sendo intimados pelos demais meios previstos em lei.  

A mensagem pelo celular conta sempre com a identificação da Justiça Federal, o número do processo e o nome das partes. As intimações pelo aplicativo serão encaminhadas a partir dos números de telefone celular utilizados exclusivamente pelos JEFs e Turmas Recursais, que serão divulgados no site do Juizado Especial Federal.

A intimação será considerada efetivada no momento em que o aplicativo indicar que a mensagem foi lida. Se a leitura não for comprovada no prazo de 48 horas, a secretaria do juizado ou da Turma Recursal fica obrigada a providenciar outra forma. Ao assinar o termo de adesão, a parte se compromete a ter o WhatsApp em celular, tablet ou computador e manter ativa, nas opções de privacidade, a opção de recibo e confirmação de leitura.

O envio de manifestações ou documentos é proibido, e quaisquer dúvidas devem ser tratadas em atendimento presencial ou por manifestação nos autos.

Segundo a Resolução 10/2016, publicada no dia 9 de dezembro, a medida tenta reduzir despesas do Judiciário em período de restrições orçamentárias, já que o uso do WhatsApp deve economizar custos com expedição de cartas e aviso de recebimento. Ainda segundo a norma, pretende-se atender “aos princípios da oralidade, da simplicidade, da informalidade, da economia processual e da celeridade”.

A intimação via WhatsApp, que já acontece em outras esferas judiciais do país, chegou a ser tema de debate em julho, na seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Participantes levantaram dúvidas quanto à segurança jurídica, mas a maioria declarou ser favorável ao uso da ferramenta. Com informações da Assessoria de Comunicação Social do TRF-3.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Setembro de 2017
18.09.17 15h34 » Não cabe ao Judiciário controlar conteúdo do Big Brother Brasil, decide TRF-3
18.09.17 15h25 » Juiz federal do DF libera tratamento de homossexualidade como doença
13.09.17 16h57 » 'Eu vi Palocci mentir aqui esta semana', diz Lula a Moro
11.09.17 17h37 » Juiz do DF reavalia decisão e suspende acordo de leniência da J&F
11.09.17 17h05 » Juiz recebe acusação contra ex-prefeitos e ex-secretários de VG
Agosto de 2017
30.08.17 09h11 » Moro não vai ouvir advogado que o acusa de "negociações paralelas"
17.08.17 11h13 » Juiz pode proibir advogados de usar celular em audiência, decide TRF-4
14.08.17 17h40 » Justiça condena 3 acusados de fraude em obra de R$ 3 mi em MT
12.08.17 16h50 » Eder: acusação de Silval é "falsa, irresponsável e equivocada"
11.08.17 16h15 » Justiça investiga morador de MT que ofendeu Moro na internet



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet