Artigos
  • PEDRO HENRIQUE MARQUES
    Aspectos constitucionais do referido instituto na atual conjuntura política
  • VICTOR MAIZMAN
    É recorrente a insatisfação e inconformismo da sociedade quanto à elevada carga tributária
  • RENATO NERY
    A imprensa diariamente notícia novos casos de apropriação do espólio da viúva
J. Federal / CONTATO RÁPIDO

Tamanho do texto A- A+
23.12.2016 | 15h16
Juizados especiais federais intimam partes via WhatsApp
Em alguns juizados de SP E MS, intimação pode ser feita pelo aplicativo
Reprodução

Uma regra já em vigor nos Juizados Especiais Federais da 3ª Região (SP e MS) permite que as partes sejam intimadas pelo aplicativo WhatsApp, tanto em processos que tramitam em primeiro grau como nas Turmas Recursais. Caberá à parte manter o número de celular atualizado e manifestar-se quando não tiver interesse na novidade — no pedido inicial ou durante o curso do processo. Já advogados e defensores públicos continuam sendo intimados pelos demais meios previstos em lei.  

A mensagem pelo celular conta sempre com a identificação da Justiça Federal, o número do processo e o nome das partes. As intimações pelo aplicativo serão encaminhadas a partir dos números de telefone celular utilizados exclusivamente pelos JEFs e Turmas Recursais, que serão divulgados no site do Juizado Especial Federal.

A intimação será considerada efetivada no momento em que o aplicativo indicar que a mensagem foi lida. Se a leitura não for comprovada no prazo de 48 horas, a secretaria do juizado ou da Turma Recursal fica obrigada a providenciar outra forma. Ao assinar o termo de adesão, a parte se compromete a ter o WhatsApp em celular, tablet ou computador e manter ativa, nas opções de privacidade, a opção de recibo e confirmação de leitura.

O envio de manifestações ou documentos é proibido, e quaisquer dúvidas devem ser tratadas em atendimento presencial ou por manifestação nos autos.

Segundo a Resolução 10/2016, publicada no dia 9 de dezembro, a medida tenta reduzir despesas do Judiciário em período de restrições orçamentárias, já que o uso do WhatsApp deve economizar custos com expedição de cartas e aviso de recebimento. Ainda segundo a norma, pretende-se atender “aos princípios da oralidade, da simplicidade, da informalidade, da economia processual e da celeridade”.

A intimação via WhatsApp, que já acontece em outras esferas judiciais do país, chegou a ser tema de debate em julho, na seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Participantes levantaram dúvidas quanto à segurança jurídica, mas a maioria declarou ser favorável ao uso da ferramenta. Com informações da Assessoria de Comunicação Social do TRF-3.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Junho de 2018
19.06.18 17h48 » Juiz nega recurso e ex-prefeito e juíza permanecem réus em ação
12.06.18 15h02 » Pela 1ª vez, Moro abre mão de julgar processo da Lava Jato
11.06.18 17h28 » Moro aponta 'propaganda' a favor de Lula e interrompe escritor
11.06.18 17h22 » Juiz manda desmembrar ação penal contra Eder e ex-Bic Banco
11.06.18 16h59 » Ex-deputado é condenado por contratar empregada como "fantasma"
01.06.18 17h25 » Moro revoga mandado de prisão contra operador financeiro da Odebrecht
Maio de 2018
30.05.18 09h31 » TRF devolve a Lula prerrogativas de ex-presidente da República
30.05.18 08h18 » Juiz federal corta 28,86% dos salários dos professores da UFMT
25.05.18 16h47 » Justiça marca interrogatório de Mauro em ação de improbidade
16.05.18 17h40 » Maioria do TRF-1 nega retorno de Gilmar Fabris para a prisão



Copyright © 2018 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet