Artigos
  • GISELE NASCIMENTO
    Decisões que atestam o “mero aborrecimento” em casos de desrespeito ao consumidor estimulam o “mero abuso”
  • HÉLCIO CORRÊA
    Não vale mais baratear debate prisional no Brasil ou ficar inutilizando recursos públicos no modelo vingativo e ineficaz
  • VICTOR MAIZMAN
    Cláusula do Devido Processo Legal assegura que ninguém será privado de seus bens, sem o processo legal
  • GONÇALO DE BARROS
    Nas redes sociais, os julgamentos são mais abertos, transparentes; a exceção é o anonimato
J. Federal / "SANGUESSUGAS"

Tamanho do texto A- A+
17.12.2016 | 17h16
Por unanimidade, TRF absolve Pivetta de acusação de peculato
Segundo a defesa do prefeito, decisão pode repercutir efeitos na esfera eleitoral
MidiaNews
Prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta, absolvido pelo TCU
DA REDAÇÃO

A segunda seção do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, em Brasília (DF), absolveu, por unanimidade, o prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (PSB), na ação penal que apurava sua suposta participação na “Operação Sanguessuga”.

A decisão é da última quinta-feira (15).

Pivetta era investigado pelos crimes de peculato e fraude a licitação, em razão de uma suposta compra superfaturada, em 2001, no valor de R$ 110 mil, referente à aquisição de um veículo para funcionar como Unidade Móvel de Saúde, com consultório médico e odontológico.

A aquisição foi fruto de convênio firmado entre a Prefeitura de Lucas e o Ministério da Saúde.

Pelos mesmos fatos, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que Pivetta ressarcisse os cofres públicos do município em R$ 17,3 mil, além de ter sido penalizado com uma multa de R$ 10 mil.  

Na ação penal, a defesa de Pivetta, representada pelos advogados Valber Melo e Artur Osti, sustentou que o prefeito não participou de qualquer ilicitude, tampouco existiu sobrepreço na aquisição da unidade hospitalar.

De acordo com os advogados, o preço foi estabelecido pelo próprio Ministério da Saúde.

Em julgamento no TRF, os argumentos da defesa foram acatados pelo relator, desembargador federal Ney Bello, que julgou improcedente a denúncia contra o prefeito.

Seu voto foi acompanhado pelos juízes federais convocados Klaus Kuschel,  Marcelo Rebello Pinheiro e Henrique Gouveia da  Cunha.

Esfera eleitoral

Segundo a defesa de Pivetta, a decisão do TRF pode repercutir efeitos na esfera eleitoral e restituir o seu direito de se candidatar.

Em outubro deste ano, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE), por unanimidade, negou o registro de candidatura de Pivetta, que tentaria reeleição em Lucas.

A decisão atendeu ao recurso interposto pela coligação de seu adversário, Flori Binotti (PSD), e do Ministério Público Eleitoral (MPE).

Uma das alegações da coligação de Binotti e do MPE é de que Pivetta estaria inelegível justamente por causa da decisão do TCU.

Leia mais sobre o assunto:

TRE nega registro de candidatura de Otaviano Pivetta em Lucas

TCU condena Pivetta a devolver dinheiro de ambulância

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Dezembro de 2017
15.12.17 08h02 » PF deflagra mais uma fase da Ararath; Savi e Riva são alvos
14.12.17 16h00 » Justiça determina intervenção para evitar novos desabamentos
13.12.17 15h34 » “Se eu delatar, não colocarei carga no ombro de quem não deve”
13.12.17 10h23 » PF cumpre mandados de busca e apreensão em endereços de Riva
12.12.17 09h55 » PF combate fraudes na Previdência em MT e mais 4 Estados
05.12.17 11h55 » PF cumpre mandado contra servidor e apreende computador
04.12.17 11h41 » Consórcio diz ter "plena intenção" de prosseguir com obra do VLT
04.12.17 08h53 » Relator conclui voto sobre recurso de Lula contra condenação de Moro
02.12.17 13h00 » Justiça absolve sete acusados de negociar gabarito de prova
01.12.17 14h19 » Juiz federal marca para março audiências sobre desvios no VLT



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet