Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Se agente público pode agir de forma discricionária, Constituição censura atitudes incoerentes
J. Federal / CORRUPÇÃO

Tamanho do texto A- A+
06.12.2016 | 15h34
Justiça do Rio decreta prisão da esposa de Sérgio Cabral
Investigações concluíram que ela teria posição central em esquema investigado
Arquivo
Sérgio Cabral e a esposa Adriana Ancelmo, cuja prisão foi decretada
DA FOLHAPRESS

 

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, determinou a prisão preventiva da advogada Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sergio Cabral (PMDB-RJ), preso pela Operação Calicute.

A decisão acolhe pedido do Ministério Público Federal. Quando a operação foi deflagrada, em novembro, Bretas havia negado o pedido de prisão de Ancelmo.

"Ocorre que, segundo o órgão ministerial, o aprofundamento das investigações revelou que Adriana Ancelmo, na verdade, ocuparia posição central na organização criminosa capitaneada por seu marido", justificou o juiz, na decisão desta terça (6).

Segundo a Procuradoria, ela seria uma das principais responsáveis por ocultar recursos recebidos indevidamente por Cabral, usando seu escritório de advocacia e "verdadeira fortuna em joias de altíssimo valor".

Além da prisão preventiva, o juiz autorizou busca e apreensão na casa de Ancelmo, para o recolhimento de documentos, mídias e outras provas, assim como joias, pedras preciosas, objetos de arte e valores em espécie acima de R$ 30 mil ou US$ 10 mil.

Preso desde o dia 17 de novembro, Cabral e outros 15 investigados pela Operação Calicute foram denunciados na semana passada à Justiça pelos crimes de corrupção passiva e ativa, organização criminosa, lavagem de dinheiro, entre outros.

Cabral e sua mulher negam envolvimento em irregularidades.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
08.05.17 08h56 » Justiça do Paraná proíbe manifestações de apoio a Lula
05.05.17 10h00 » Juiz nega novo pedido e autoriza o “correntão” em MT
05.05.17 08h30 » Juiz condena morador de MT a 15 anos por terrorismo
03.05.17 08h38 » Estelionato judicial é crime impossível, decide juiz federal de SP
02.05.17 09h53 » Juiz nega absolvição sumária de Riva e Janete em ação
01.05.17 16h28 » CRM de SP aciona UFMT para suspender revalidação de diplomas
Abril de 2017
14.04.17 16h23 » Delator: propina era paga a Eder por doleiros em SP; veja vídeo
14.04.17 16h17 » Delator: ministro de Dilma intermediou R$ 1 milhão para Lúdio
14.04.17 16h14 » Ex-sefaz e procuradores de MT são acusados de receber R$ 990 mil
13.04.17 08h05 » Eder diz que não coordenou campanha de Maggi



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet