Artigos
  • VICTOR MAIZMAN
    Se agente público pode agir de forma discricionária, Constituição censura atitudes incoerentes
J. Federal / PROJETO DESFIGURADO

Tamanho do texto A- A+
30.11.2016 | 16h15
Procuradores da Lava Jato ameaçam deixar a operação
Representantes do MPF dizem que vão deixar o caso se texto for sancionado pelo presidente
Reprodução
O procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima DA FOLHA ONLINE Procuradores da Operação Lava Jato afirmaram nesta quarta-feira (30) que podem renunciar coletivamente caso a proposta de abuso de autoridade entre em vigor. A medida foi inserida
DA FOLHA ONLINE

 

Procuradores da Operação Lava Jato afirmaram nesta quarta-feira (30) que podem renunciar coletivamente caso a proposta de abuso de autoridade entre em vigor.

A medida foi inserida no texto das dez medidas contra a corrupção pela Câmara na madrugada desta quarta (30).

"A nossa proposta é renunciar coletivamente [à Lava Jato] caso essa proposta seja sancionada pelo presidente", afirmou Carlos Fernando dos Santos Lima, procurador da República e um dos coordenadores da força-tarefa, durante entrevista coletiva.

A ideia dos procuradores é abandonar a força-tarefa da Lava Jato e voltar às suas atividades habituais. Nesse caso, caberia à PGR (Procuradoria-Geral da República), que instaurou a força-tarefa, designar outros procuradores para a função ou decidir se encerraria a equipe.

"Muito mais valerá a pena fazer um parecer previdenciário do que se arriscar a investigar poderosos", disse Lima.
Os procuradores ainda acusaram "grandes líderes partidários e líderes do governo" de Michel Temer (PMDB) de articular a votação da madrugada.

"O Congresso Nacional sabia muito bem o que estava fazendo", disse o procurador Deltan Dallagnol, um dos idealizadores das dez medidas. "Essas propostas [aprovadas] são a favor da corrupção. Dizem muito claramente a que vieram."

"Não é somente o governo federal; estamos falando de partidos que hoje se dizem na oposição", disse Lima. "Isso se estende por todo o espectro político-partidário brasileiro, salvo honrosas exceções de pequenos partidos."

Dallagnol ainda afirmou que "até o governo Dilma avançou propostas contra a corrupção muito melhores que as que foram aprovadas".

Em nota lida durante a entrevista, os procuradores disseram que a votação desta madrugada foi "o começo do fim da Lava Jato". "É o golpe mais forte contra a Lava Jato em toda a sua história", disse Dallagnol.

Para os procuradores, os deputados foram movidos por "um espírito de autopreservação".

"O objetivo é 'estancar a sangria'. Há evidente conflito de interesses entre o que a sociedade quer e aqueles que se envolveram em atos de corrupção", disseram, em nota.

A menção a sangria remete a gravação divulgada do senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Ainda afirmaram que a aprovação do crime de abuso de autoridade em meio às dez medidas "instaura uma ditadura da corrupção".


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:
Maio de 2017
08.05.17 08h56 » Justiça do Paraná proíbe manifestações de apoio a Lula
05.05.17 10h00 » Juiz nega novo pedido e autoriza o “correntão” em MT
05.05.17 08h30 » Juiz condena morador de MT a 15 anos por terrorismo
03.05.17 08h38 » Estelionato judicial é crime impossível, decide juiz federal de SP
02.05.17 09h53 » Juiz nega absolvição sumária de Riva e Janete em ação
01.05.17 16h28 » CRM de SP aciona UFMT para suspender revalidação de diplomas
Abril de 2017
14.04.17 16h23 » Delator: propina era paga a Eder por doleiros em SP; veja vídeo
14.04.17 16h17 » Delator: ministro de Dilma intermediou R$ 1 milhão para Lúdio
14.04.17 16h14 » Ex-sefaz e procuradores de MT são acusados de receber R$ 990 mil
13.04.17 08h05 » Eder diz que não coordenou campanha de Maggi



Copyright 2012 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet